Seguir o O MINHO

Famalicão

Famalicão distinguiu os seus no dia em que comemorou 33 anos de cidade

em

O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, entregou galardões municipais a 35 personalidades e instituições, esta segunda-feira, 09 de julho, dia em que comemorou 33 anos de elevação a cidade.

Cidadão Honorário: Carlos Vieira de Castro. Foto: CM Famalicão

Medalha de Honra do Município: António Barros (AMOB), a título póstumo. Foto: CM Famalicão

Medalha de Honra do Município: Manuel Reis Campos (CPCI e AICCOPN). Foto: CM Famalicão

Medalha de Mérito Económico | Restaurante “Casa Pêga”. Foto: CM Famalicão

Medalha de Mérito Económico: António Melo (Fontenova Livraria). Foto: CM Famalicão

edalha de Mérito Económico: Manuel Sá (ROQ) (representado por Rui Machado). Foto: CM Famalicão

O ponto alto das comemorações decorreu na Casa das Artes, depois das 17:00 horas. Antes, às 15:00, o autarca famalicense já se havia juntado aos mais de mil seniores que participaram, ao longo de todo o dia, no tradicional Sarau Desportivo, no Parque de Sinçães, para cantar os parabéns à cidade.

QUIZ: 12 Perguntas sobre Famalicão. Quantas acerta?

Na lista de homenageados estiveram, entre outros, os nomes do ex-presidente da Câmara Municipal, Agostinho Fernandes, e do empresário famalicense Carlos Vieira de Castro, que passaram a ser cidadãos honorários do Município de Vila Nova de Famalicão, a mais alta distinção de reconhecimento público municipal.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Famalicão

Politicamente correto em discussão em Famalicão

Debate em simultâneo em seis cidades portuguesas

em

Foto: Divulgação

“O politicamente correto: uma forma de incluir ou uma nova barreira?” foi o tema escolhido pela associação Acesso Cultura para esta nova sessão do ciclo de debates, que decorre em simultâneo em mais seis cidades portuguesas: Lisboa, Porto, Funchal, Faro, Évora e Castelo Branco.

A iniciativa decorre a partir das 18:30, na Galeria Municipal Ala da Frente, com as intervenções de António Gonçalves, artista plástico, Paula Guerra, do Departamento de Sociologia da Universidade do Porto, Regina Bezerra, Educadora Social do Departamento de Acção Social do Município de Famalicão, e com a moderação de Rosa Moreira, Provedora do Aluno da Universidade Lusíada de Vila Nova de Famalicão.

“Para algumas pessoas, o politicamente correto é sinónimo de consciência, sensibilidade, respeito, boa educação. Para outras, é uma espécie de polícia da linguagem que, em vez de promover a inclusão e a tolerância, torna indivíduos tolerantes em suspeitos, cria um espaço fértil para a libertação de ódios e novas barreiras no relacionamento entre pessoas. O politicamente correto é a favor ou contra a liberdade individual? Ou estaremos a perder o foco?”, escreve a associação sobre o tema deste novo debate.

Recorde-se que a Acesso Cultura é uma associação sem fins lucrativos de profissionais da cultura e de pessoas interessadas em promover a melhoria das condições de acesso – nomeadamente físico, social e intelectual – aos espaços culturais e à oferta cultural, em Portugal e no estrangeiro.

A entrada é livre, sujeita à lotação da sala.

Continuar a ler

Famalicão

Homem encontrado morto em Famalicão

Terá pedido ajuda minutos antes

em

Um homem com 30 anos de idade foi encontrado morto no apartamento onde vivia, no Edifício Vilarminda, em Calendário, Vila Nova de Famalicão.

A vítima terá entrado em contacto momentos antes com o 112 a pedir ajuda. De imediato, uma equipa dos bombeiros voluntários de Famalicão deslocou-se ao local mas não conseguiu aceder ao apartamento no 9º andar daquele prédio.

A entrada só foi possível depois da chegada da PSP, através de uma varanda vizinha.

O homem foi encontrado pelas autoridades e bombeiros já sem vida.

Continuar a ler

Famalicão

Casa das Artes de Famalicão chama a palco Luís Magalhães e Alissa Margunis

Pianista natural de Famalicão é acompanhado por violinista russa

em

Foto: Divulgação

A Casa das Artes, em Famalicão, acolhe, hoje, Luís Magalhães, o pianista natural de Vila Nova de Famalicão que regressa uma vez mais do país das gazelas – África do Sul, onde reside –, desta feita acompanhado pela vibrante “matrioska” sonora Alissa Margunis.

O palco do Grande Auditório do teatro municipal famalicense está preparado para acolher os dois músicos, para um espetáculo de finas sonoridades, marcado para as 18:30, acessível a todos os públicos e com um custo de cinco euros
O concerto apresenta dois músicos aclamados internacionalmente: a violinista Alissa Margulis e o pianista Luís Magalhães.

Alissa Margulis é enaltecida pelas suas atuações expressivas e emocionantes que lhe renderam um amplo reconhecimento artístico.

Luís Magalhães desenvolveu uma carreira internacional como pianista, a solo, ou como músico de câmara, além de se ter estabelecido como professor na Universidade Stellenbosch, em África do Sul.

O programa do concerto da Casa das Artes inclui: Dvorak: Four Romantic Pieces op. 75, com os andamentos: allegro moderato; allegro maestoso; allegro appassionato; e larghetto.

Segue-se Beethoven, com a Sonata no. 9 op. 47 ‘Kreutzer’, com os andamentos: adagio sostenuto. Presto; andante con variazioni; e finale. Presto.

É interessante e um elemento de coerência que Alissa Margulis, que leciona no Conservatório de Antuérpia, tenha escolhido representar Ysaÿe (Poème élégiaque in D minor, Op. 12), possivelmente o compositor violinista mais famoso de todos os tempos e, da Rússia natal de Alissa Margulis, a segunda sonata para violino de Prokofiev (Sonata No. 2 in D major op. 94), que coloca este compositor num lugar um pouco mais otimista do que em muitas das suas outras composições.

Continuar a ler

Populares