Seguir o O MINHO

Alto Minho

Empresários do Alto Minho exigem “mais e melhores apoios”

Economia

em

Foto: AEVC / 2019

A Associação Empresarial de Viana do Castelo (AEVC) exigiu hoje ao Governo “mais e melhores apoios” para “salvar” as micro e pequenas empresas e manter “muitos postos de trabalho”.

“Para salvar empresas e postos de trabalho, as empresas necessitam urgentemente de liquidez”, avisou a AEVC.

Em comunicado hoje enviado às redações, a AEVC, que representa cerca de 1.100 associados dos concelhos de Viana do Castelo, Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença e Paredes de Coura, considerados de maior risco de propagação da covid-19, apontou o prolongamento do regime de ‘lay off’ e das moratórias”.

“Os sectores mais afetados terão de beneficiar de taxas reduzidas do IVA e de isenção temporária da Taxa Social Única (TSU). Os próximos apoios financeiros às empresas, para comparticipar o denominado Fundo Social Europeu (FSE) terão de ter maior dimensão e uma elevada componente a fundo perdido”, especificou.

A AEVC, que tem sede na capital do Alto Minho, apontou ainda “o perdão temporário das rendas, e maior rapidez na implementação das medidas”.

“Não poderemos continuar a assistir ao enorme desfasamento temporal entre o anúncio de uma medida, a sua regulamentação e disponibilização e a entrada dos apoios nos cofres das empresas”, refere a nota.

A AEVC defende ainda ser “fundamental introduzir estímulos à procura e medidas de apoio adicionais, nomeadamente, o aumento significativo dos montantes previstos para o programa APOIAR.PT, e a urgente disponibilização do programa ADAPTAR 2.0”.

A associação reclama ainda “apoio às quebras na faturação da restauração, que terá de ter em conta períodos homólogos de 2019 e não os terríveis meses de 2020 e o perdão de 50% das rendas comerciais, com início em abril de 2020, pelo menos durante um ano”.

“É fácil? Não. É possível? É.É viável? Terá de ser. Como representantes destas empresas, a quase generalidade micro e pequenas empresas, reivindicamos mais e melhores apoios. Serão salvas muitas empresas, serão mantidos muitos postos de trabalho”, remata a nota.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.350.275 mortos resultantes de mais de 56,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 3.701 pessoas dos 243.009 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Anúncio

Alto Minho

Cerveira pede ajuda na Galiza para combater surto em lar

Recrutamento de voluntários

Foto: DR

A Câmara e a Misericórdia de Vila Nova de Cerveira lançaram hoje um apelo transfronteiriço de recrutamento de voluntários para ajudar a combater um surto de covid-19 que infetou os 66 idosos do lar Maria Luísa.

Em comunicado conjunto, as duas instituições referem que o apelo ao voluntariado transfronteiriço foi acionado através da Eurocidade Cerveira-Tomiño(Galiza), na sequência de uma reunião de “emergência da comissão municipal de proteção civil, perante a situação de calamidade de saúde pública que se vive no lar Maria Luísa”.

A autarquia e a Misericórdia adiantam ter ainda ter contactado “o Centro de Emprego da Junta da Galiza para recrutar pessoas dentro da área para desempenhar funções, estando a aguardar resposta”.

Recorreram também “à Bolsa de Voluntários de Vila Nova de Cerveira e contactado o Instituto de Emprego Formação Profissional do Alto Minho”.

“À data de hoje, há quatro mortes a lamentar, sendo que a totalidade dos 66 utentes da instituição estão infetados”, descrevem.

No que diz respeito aos colaboradores, “de um total de 52, 10 estão de baixa média prolongada sem previsão de regresso, 32 estão infetados e, consequentemente, em isolamento profilático, estando apenas 10 neste momento ao ativo para garantir o funcionamento da instituição 24horas por dia”, destaca a nota.

A falta de recursos humanos foi um dos temas hoje discutidos na reunião da comissão municipal de proteção civil, a segunda realizada em quatro dias, devido à necessidade de uma “intervenção musculada de emergência”.

“Mediante a disponibilidade manifestada por alguns trabalhadores para regressar ao trabalho, mesmo estando positivos, mas assintomáticos, foi colocada à consideração da Saúde Pública e da ULSAM a autorização para estes puderem prestar o apoio aos utentes, tendo em conta que a taxa de infeção no lar é de 100%”, refere a nota.

O “primeiro caso de infeção foi detetado no dia 12, tendo sido ativado imediatamente o plano de contingência da instituição”.

Segundo a Câmara e a Santa Casa da Misericórdia, na sexta-feira “foram desencadeados todos os meios legais e logísticos ao dispor, nomeadamente a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM), a Delegação Distrital de Saúde, a Segurança Social distrital e a Direção-Geral da Saúde, solicitando um reforço de pessoal médico e auxiliar para dar resposta às necessidades prementes”.

“A resposta tem sido escassa, devido à falta de recursos humanos no concelho e no distrito, tendo a Segurança Social distrital ativado, até ao momento, as Brigadas de Apoio aos Lares criadas pelo Governo, através das quais foram destacados dois enfermeiros e cinco auxiliares de ação direta”, refere a nota.

A Câmara adiantou “estar a colaborar, logística e financeiramente, nomeadamente com a aquisição de todas as refeições no exterior, bem como a aquisição de material de desinfeção e equipamento de proteção individual”.

“Quer a Câmara, quer a Santa Casa têm procurado encontrar pessoas voluntárias para prestar o necessário e devido serviço de apoio aos utentes, numa primeira fase recorrendo a meios e contactos próprios e, nesta fase, lançando um apelo público aos familiares dos utentes e a pessoas da comunidade em geral para prestar serviço de voluntariado”, reforçam.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.041.289 mortos resultantes de mais de 95,4 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9.246 pessoas dos 566.958 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Unidade Móvel percorreu 14 freguesias e atendeu 113 pessoas em Viana

Saúde

Foto: Divulgação / CM Viana do Castelo

A Câmara de Viana do Castelo informou hoje que a unidade móvel que integra o projeto “Saúde mais Próxima”, percorreu, em um mês, dois dias por semana, 14 das 27 freguesias do concelho e atendeu 113 munícipes.

Em comunicado enviado às redações, o município explicou que aquela iniciativa, realizada em parceria com o Centro Humanitário do Alto Minho da Cruz Vermelha Portuguesa, “pretende promover a equidade na saúde e reforçar a rede de cuidados de saúde de proximidade no concelho, beneficiando a população e as freguesias com maiores limitações físicas e geográficas no acesso aos serviços de saúde”.

Além de prestar diversos cuidados de saúde, a Unidade Móvel de Saúde (UMS) “pode, quando necessário, promover a realização de testes rápidos no âmbito da pandemia de covid-19”.

A aquisição daquela unidade representou, por parte da autarquia, um investimento de 15 mil euros, sendo que o apoio para a constituição de uma equipa multidisciplinar implica um investimento de 3.000 euros por mês.

Continuar a ler

Alto Minho

Alto Minho com mais de mil novos casos em quatro dias (e mais 22 mortos)

Dados locais

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO (Arquivo)

Há 3.414 casos ativos no Alto Minho, mais 734 em quatro dias, segundo o boletim da Unidade de Saúde Local do Alto Minho (ULSAM), atualizado às 13:00 desta terça-feira.

O distrito de Viana do Castelo soma, desde o início da pandemia, 11.181 casos, mais 1.078 nos últimos quatro dias.

Contam-se ainda 7.570 recuperados, mais 322 em relação a sexta-feira.

Há a lamentar mais 22 óbitos (197 no total desde o início da pandemia: seis em Viana do Castelo (total de 55), seis em Ponte de Lima (36), três em Cerveira (8), dois em Valença (9) e Ponte da Barca (11) e um em Arcos de Valdevez (16), Caminha (24) e Monção (23).

Viana do Castelo tem agora 907 casos ativos (+ 118 do que há quatro dias), Ponte de Lima 641 (+ 129), Caminha 367 (+ 92), Arcos de Valdevez 439 (+ 117), Ponte da Barca 249 (+ 53), Valença 164 (+ 40), Melgaço 164 (+ 45), Monção 153 (+ 41), Paredes de Coura 163 (+ 83) e Cerveira 167 (+ 16).

Continuar a ler

Populares