Seguir o O MINHO

Região

Curso de Engenharia Aeroespacial abre na UMinho já este ano

Ensino superior

em

Imagem ilustrativa

As candidaturas ao ensino superior abrem em 25 de julho, na Universidade do Minho, com esta academia a propor, para 2022/2023, 59 licenciaturas e mestrados integrados, “facto que representa um número recorde na região Norte de Portugal”, foi hoje anunciado.

Em comunicado, a UMinho destaca os novos cursos de Ciência de Dados e de Engenharia Aeroespacial, “que vêm responder a uma procura emergente”, salienta a universidade.

O curso de Engenharia Aeroespacial explora duas vertentes de ensino-aprendizagem: a primeira inclui as aplicações do campo na aviação geral e comercial, os novos conceitos e aeronaves não tripuladas (drones) ou as tecnologias de propulsão e gestão de energia; a segunda foca-se em novos usos aplicados ao espaço (NewSpace), exploração de dados em Terra e sistemas espaciais. Há ainda um mestrado que é lecionado em inglês e permite estabelecer o intercâmbio com instituições de todo o mundo.

“Esta aposta representa o culminar de anos de trabalho de grupos de especialistas ligados a centros de investigação e a instituições de interface da UMinho”, destaca a academia, lembando projetos para a conceção de uma cápsula espacial, o desenho de um fato de astronauta para Marte, a exploração de novos materiais artificiais ou a produção de eletricidade a partir de urina e até de bio-hidrogénio.

Também a spin-off Stratosphere desenvolve tecnologia e tem como clientes a Agência Espacial Europeia (ESA), a Boeing ou a Airbus. A UMinho é ainda sede do Programa MIT-Portugal, com vários projetos sobre o espaço, e colabora, nestas matérias, com o CEiiA (Portugal), o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (Brasil) ou as universidades de Massachusetts – Lowell (EUA) e Vigo (Espanha).

Já o novo curso de Ciência de Dados promove conhecimentos sólidos em matemática e informática, associando a compreensão profunda de métodos de tratamento de dados e de arquiteturas e algoritmos de aprendizagem. A abordagem ética garante uma utilização apropriada, justa, sustentável e responsável dos dados, numa formação diferenciadora que alia as áreas de informática, tecnologias e sistemas de informação, estatística, matemática, economia, gestão, ciência social e direito.

A UMinho tem tido um papel pioneiro na ciência de dados, destacando-se, a nível nacional, ao lançar um curso com um ramo de Informática (1977), ao criar o primeiro email (1985), ao desenvolver a primeira ligação à Internet e a Home Page de Portugal (1991), ao criar a comunidade online mais duradoura (Moosaico, 1994), ao promover a I Conferência WWW (1995), ao lançar a primeira LAN Party (2001), ao criar o Quanta Lab (com o INL, 2016), ao promover a adesão à rede mundial em tecnologias quânticas (IBM Q Network), ao estabelecer o centro de supercomputação MACC (2017, com a FCT e a UT Austin) e o maior laboratório associado do país e único em inteligência artificial (LASI, 2021). O cartão de cidadão eletrónico, o apoio à lei sobre certificação digital e às eleições ao Parlamento Europeu, bem como a aplicação StayAway Covid estão entre os projetos de investigação desenvolvidos.

Populares