Costa prevê “mudança estrutural da economia” com exportação de hidrogénio verde no futuro

Política

O primeiro-ministro defendeu hoje que a produção de hidrogénio verde permitirá a Portugal não só produzir a energia que consome, como tornar-se um país exportador, no que classificou de “mudança estrutural da economia”.

Na cerimónia de assinatura dos contratos no âmbito do primeiro Programa de Apoio à Produção de Hidrogénio Renovável e outros Gases Renováveis, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), António Costa realçou que “um dos problemas crónicos do país é a sua dependência energética”, e o peso que a energia tem na balança comercial nacional e que se agravou com a guerra na Ucrânia.

“Quando estamos a libertar-nos dos combustíveis fósseis, não estamos só a libertar-nos de combustíveis que emitem carbono para o ambiente, estamos também a contribuir de modo decisivo para ter uma balança de pegamentos e comercial mais equilibrada”, defendeu.

O primeiro-ministro afirmou que, com projetos como os que foram hoje assinados, além de o país deixar de importar muita da energia que consome porque passará a produzi-la, deve ter ainda uma outra ambição para futuro.

“Podemos tornar-nos verdadeiros exportadores da energia que produzimos e essa é uma mudança estrutural para o futuro da nossa economia, que transformará o país para as próximas décadas, pelo menos, e essa é uma oportunidade que não podemos desperdiçar”, avisou.

O primeiro-ministro considerou que “a melhor demonstração de que há um efetivo interesse do mercado europeu” na importação de hidrogénio verde produzido na Península Ibérica foi a Alemanha querer juntar-se ao projeto do chamado ‘corredor verde do hidrogénio’ desenvolvido por França, Portugal e Espanha.

“Se há mercado, se há infraestruturas, se há neste momento recursos financeiros para apoiar, temos efetivamente de apostar”, afirmou Costa agradecendo às empresas que hoje viram os seus projetos aprovados, só parcialmente financiados pelo PRR.

Os 25 projetos hoje assinados totalizam verbas de 102 milhões de euros do PRR, mas no total representam um investimento de 237 milhões de euros.

“Vocês fazem um grande esforço por parte do setor privado. É um excelente exemplo de que, com boas políticas públicas, com objetivos claras, regras regulatórias estáveis e transparentes, com a agilização e simplificação do processo de licenciamento e a devida combinação entre o que é o apoio público e a capacidade de mobilização do setor privado conseguimos transformar o perfil da economia portuguesa num setor tão critico como a energia”, afirmou.

António Costa referiu que, quando o Governo decidiu apostar no hidrogénio verde, “muitos tiveram dúvidas”, apesar de Portugal dispor em abundância dos recursos necessários à sua produção, como o sol e a água.

“Felizmente, o PRR veio dar a oportunidade de demonstrar como era uma boa solução e, infelizmente, a tragédia da guerra mostrou bem como a Europa e Portugal têm de acelerar a independência energética”, afirmou.

Na componente ambiental, destacou que só nestes 25 projetos será possível reduzir 167 mil toneladas de emissões de dióxido de carbono.

“Significa praticamente todas as emissões de CO2 da gasolina durante um ano na cidade de Lisboa, tem um enorme potencial de cumprirmos a meta que temos da descarbonização do país”, apontou.

O primeiro-ministro salientou que grade parte dos projetos hoje assinados “não estão no litoral nem nos grandes centros urbanos”, estão junto às unidades industriais e muitos no interior.

“O desenvolvimento do interior do país passa, desde logo pelo aproveitamento dos seus recursos endógenos, temos sol, temos água e capacidade empresarial com vontade de investir”, sublinhou.

No início da cerimónia, o ministro do Ambiente e da Ação Climática tinha anunciado que o Governo vai lançar este mês um segundo programa de apoios a projetos na área dos gases renováveis, com uma dotação de 83 milhões de euros.

“Queremos este mês lançar um segundo aviso, um segundo programa para gases renováveis com uma dotação de 83 milhões de euros e com isto executar a 100% esta linha do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). Este aviso terá como foco a produção de biometano, os projetos que foram excluídos do primeiro aviso podem agora candidatar-se”, detalhou Duarte Cordeiro.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Já há data para a Romaria d'Agonia em Viana (e pela primeira vez serão 9 dias de festa)

Próximo Artigo

Stoltenberg adverte para "janela de oportunidade" para inverter rumo da guerra

Artigos Relacionados
x