Seguir o O MINHO

Alto Minho

Cerca de 1.900 assinaturas pedem permanência de padre em 3 paróquias de Caminha

Padre Ricardo Esteves

em

Foto: DR / Arquivo

Cerca de 1.900 assinaturas a apelar à permanência de Ricardo Esteves como pároco de Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros, em Caminha, foram esta terça-feira enviadas para a diocese de Viana do Castelo, disse fonte daquelas comunidades católicas.


Em agosto, as populações das três freguesias do concelho de Caminha iniciaram um movimento de apoio à permanência do padre de 36 anos a quem a diocese de Viana do Castelo terá comunicado a mudança, em setembro, para Valença.

Contactada pela agência Lusa, a fonte das comunidades católicas das freguesias de São Pedro de Seixas, São Martinho de Lanhelas e Santa Eulália de Vilar de Mouros, referiu que na petição pública ‘online’, lançada no início de agosto, “foram recolhidas cerca de 997 assinaturas”. Já o documento, em papel, foi assinado por “900 pessoas”.

As petições “foram hoje enviadas para o bispo e para o vigário geral da Diocese de Viana do Castelo”, Anacleto Oliveira e Sebastião Ferreira, respetivamente.

Aquela fonte adiantou que as comunidades das três paróquias “vão, nos próximas dias, solicitar uma audiência ao vigário geral” face “ao silêncio” da diocese.

Anteriormente contactada pela agência Lusa, fonte do secretariado diocesano de Viana do Castelo para a comunicação social informou que o bispo Anacleto Oliveira “não faz qualquer comentário sobre o assunto”.

Na ocasião, a Lusa tentou ouvir o padre Ricardo Esteves, mas sem sucesso.

Além da petição, no início de agosto realizou-se uma concentração de apoio ao pároco, que juntou cerca de 200 pessoas.

A iniciativa partiu de um grupo de jovens da freguesia de Seixas, uma das mais populosas do concelho de Caminha.

Foi ainda criada uma página nas redes sociais, intitulada “Fica Padre Ricardo Esteves”, onde apelam à mobilização dos paroquianos em torno da permanência do pároco, há 10 anos colocado naquelas três paróquias.

As freguesias de Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros têm cerca de 3.246 habitantes.

“O padre Ricardo Esteves está perfeitamente integrado nas paróquias e durante os últimos 10 anos em que esteve à frente das mesmas conseguiu agregar e chamar muitos cristãos que, embora o sendo, estavam afastados da igreja. Não nos conformamos com esta decisão e lutaremos até ao fim para que a mesma seja revogada”, lê-se na petição que foi enviada ao bispo Anacleto Oliveira.

As nomeações sacerdotais são habitualmente realizadas antes do início do novo ano pastoral, em setembro.

No texto que acompanha as assinaturas pela permanência do padre Ricardo Esteves, os paroquianos dizem “não se conformarem” com a sua substituição e apelam ao bispo “que repense e volte atrás na decisão de o transferir para outra paróquia”.

“Queremos que ele permaneça à frente das obras sociais e projetos que tem vindo a desenvolver junto da comunidade, e que são muitos, sendo os mesmos transversais a todas as idades, com especial destaque para os jovens”, reforça o documento.

Alertam o bispo da Diocese de Viana do Castelo para os efeitos da saída do padre: “Com a sua decisão de o retirar para outra paróquia corremos o risco de vermos afastados muitos fiéis, principalmente jovens que veem no padre Ricardo um exemplo de bondade e solidariedade para com os outros”.

“Queremos que continue a traçar connosco este caminho de fé que ao longo de 10 anos construímos juntos”, reforça o texto da petição.

Além das três freguesias de Caminha, em Viana do Castelo, a população de Santa Leocádia de Geraz do Lima, “opõe-se completamente” à nomeação do novo pároco indicado há três meses pela diocese.

O impasse na paróquia de Santa Leocádia de Geraz do Lima, com cerca de dois mil habitantes e 1.150 eleitores, situada a cerca de 20 quilómetros da cidade de Viana do Castelo, arrasta-se há três meses na sequência da morte do pároco anterior, João Cunha, e da nomeação, pela diocese, do sucessor, padre Adão Lima.

Anúncio

Viana do Castelo

Motociclista morre após cair de ponte em Viana

Acidente

em

Foto: DR

Um motociclista morreu depois de entrar em despiste numa ponte da EN 202, em Viana do Castelo, caindo para o quintal de uma casa.

Ao que apurou O MINHO, o homem, com cerca de 30 anos, entrou em despiste em cima da Ponte de Portuzelo, na freguesia de Meadela, acabando por cair de vários metros no quintal de uma habitação.

Para o local foram acionados os Bombeiros Sapadores de Viana, de forma a efetuar o resgate da vítima, mas constataram que a mesma não resistiu aos ferimentos do acidente.

O óbito foi declarado no local pela equipa médica da VMER de Viana. Também a Ambulância de Emergência Médica esteve no teatro de operações.

O corpo da vítima foi transportado para o gabinete médico-legal de Viana do Castelo.

A PSP registou a ocorrência.

Continuar a ler

Alto Minho

Carro cai em ribanceira e faz um ferido em Arcos de Valdevez

Acidente

em

Foto: Facebook de Bombeiros de Arcos de Valdevez

Um jovem de 23 anos sofreu ferimentos na sequência de um despiste seguida de queda em ribanceira, ao início da noite deste domingo, em Arcos de Valdevez.

O sinistro ocorreu na EN 202, no lugar de Casal Diogo, freguesia de Souto, mobilizando os Bombeiros de Arcos de Valdevez com nove operacionais e duas viaturas.

Foto: Facebook de Bombeiros de Arcos de Valdevez

Apesar do aparato da queda, a vítima sofreu ferimentos ligeiros e foi transportada para o Hospital de Santa Luzia, em Viana.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Alto Minho

Direção de lar em Caminha confirma morte de utente associada à covid-19

Covid-19

em

Foto: DR

O Centro Bem-Estar Social de Seixas, em Caminha, onde já foi registada uma morte devido à covid-19, e onde permanecem 30 utentes infetados, pediu ajuda à Segurança Social devido à “exaustão” dos funcionários, disse hoje o diretor da instituição.

“Aguardamos que a Segurança Social cumpra a promessa de por aqui uma equipa de intervenção composta por auxiliares e enfermeiros. Estamos confiantes nesse áspero. Se não for amanhã [segunda-feira], será terça-feira. A Cruz Vermelha, que é quem está a agilizar essas equipas de intervenção, já nos confirmou essa disponibilidade. Apenas têm de ser ultrapassados alguns constrangimentos”, disse à Lusa o presidente da direção da instituição, Manuel Vilares.

Em causa está um lar onde ocorreu uma morte associada ao surto do novo coronavírus na sexta-feira, de acordo com informação só confirmada hoje pela direção da instituição. A utente em questão tinha sido hospitalizada depois de uma queda e acabou por morrer por dificuldades respiratórias no hospital.

Quanto a utentes infetados, de acordo com a atualização feita hoje por Manuel Vilares, “permanecem 30 na instituição” e nove funcionários também infetados estão em isolamento em casa.

De um total de 97 testes realizados ao universo do lar, o diretor salvaguardou que “pelo menos um permanece inconclusivo”.

Manuel Vilares referiu, ainda, que o Centro Bem-Estar Social de Seixas tem atualmente quatro utentes hospitalizados no Hospital de Viana do Castelo, três dos quais infetados e um quatro “devido a sintomatologia ligada a outras patologias”.

Esta instituição do concelho de Caminha acolhe 52 utentes e tem 45 funcionários.

Sobre o reforço de equipas vindas de fora, Manuel Vilares explicou à Lusa que aguarda confirmação uma vez que “só poderão entrar com um teste negativo, algo que está a revelar-se complicado devido ao fim de semana e ao feriado de amanhã [segunda-feira, 05 de outubro, Implantação da República]”.

“Essa é a nossa única condição e compreendem-na. Também poderá ser necessário ultrapassar outros constrangimentos ligadas a condições de descanso e refeições, mas isso nós estamos empenhados em tratar”, referiu o responsável.

Manuel Vilares contou que Seixas não tem espaços hoteleiros, sendo uma freguesia que fica a cerca de quatro quilómetros de Caminha, sem grande afluência de transportes.

“Mas temos um albergue [dedicado a peregrinos do Caminho de Santiago] que tem condições para garantir períodos de descanso. Também facultaremos as refeições, naturalmente. Estamos todos, nós e outras entidades, a tentar agilizar a vinda da ajuda porque as equipas do lar estão exaustas”, descreveu.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e trinta mil mortos e mais de 34,9 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.005 pessoas dos 79.151 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Populares