Celeste faturou 25 milhões em 2022 e prepara “investimento massivo” em Guimarães

Rui Oliveira, diretor de operações do Grupo Celeste. Foto: DR

O Grupo Celeste, que emprega cerca de 430 trabalhadores, vai investir dois milhões de euros para criar uma unidade de produção de produtos ultracongelados, em Guimarães.

A empresa especializada no fabrico de padaria e confeitaria tem, atualmente, concentrada a produção de pão e bolos ultracongelados na fábrica em Vizela, mas agora espera aumentar a produção com o novo investimento.

Vai adquirir túneis de congelação, fornos especializados em cozedura e câmaras de refrigeração, sendo que este investimento deve ser concluído até ao final de 2024.

“Alterar uma fábrica de produtos frescos para ultracongelados requer um investimento massivo, nomeadamente em equipamentos. Este é um dos pontos altos do nosso plano de investimentos”, referiu Rui Oliveira, diretor de operações do Grupo Celeste, citado pela Hipersuper.

O objetivo passa por aumentar em 30% a capacidade de produção da empresa até 2025. Isto será feito através da mecanização em processos intermédios do ciclo produtivo, de forma a aumentar a produção sem perder a qualidade, e aumentar capacidade de armazenamento. O investimento para 2024 tendo em vista o aumento de produção deverá ser de 1,5 milhões.

“O portefólio que vendemos na grande distribuição é maioritariamente produzido de forma artesanal e não queremos que o nosso produto, ao ser industrializado, perca as especificidades (nomeadamente a qualidade, a textura e o sabor) de um produto feito manualmente. É um investimento cirúrgico, que tem de ser feito com muita cabeça e parceiros especializados”, garante o diretor.

Produz 8.700 toneladas por ano

A primeira unidade industrial foi fundada em 1968 pelo vimaranense António Vaz, pai da atual gestora. Cerca de 15 anos depois, abriu a primeira loja na cidade.

O negócio passou de geração e, em 2007, começou a ser gerido por Teresa Vaz. Em 2013, abriu a primeira loja no estrangeiro. Tem 10 lojas no Norte de Portugal e um supermercado, padaria e restaurante no Luxemburgo.

Conta com três fábricas em Portugal – Guimarães, Vizela e Ermesinde – e ainda uma no Luxemburgo. A capacidade de produção anual situa-se nas 8.700 toneladas, sendo que o volume de negócios, em 2022, foi de 25 milhões de euros – sete milhões resultaram da sua presença no Luxemburgo. Em 2023, o grupo deverá registar um aumento de 12 a 16%.

A fábrica de Vizela especializou-se na produção de pão e pastelaria ultracongelados, estando em curso um projeto de industrialização do embalamento. Já em Guimarães, está concentrada a produção de pão e bolos frescos, ao que se juntou um Laboratório de Investigação e Desenvolvimento e, no próximo ano, haverá também a produção de ultracongelados.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Caso gémeas: Presidente do Infarmed diz que pedidos de acesso ao medicamento são céleres

Próximo Artigo

Quase 500 trabalhadores em cuidados continuados escrevem a Costa a exigir aumentos

Artigos Relacionados
x