Seguir o O MINHO

País

Catarina Martins critica que Rio e Costa não tenham debatido trabalho e precariedade

Eleições Legislativas 2019

em

Foto: Divulgação / BE

A coordenadora do BE criticou esta terça-feira que o trabalho e a precariedade tenham ficado de fora do frente-a-frente entre os líderes do PS e PSD, defendendo que “será sempre à esquerda” o debate das soluções para quem trabalha.


Durante uma visita à Escola Básica Sampaio Garrido, em Lisboa, Catarina Martins foi questionada sobre o debate para as eleições legislativas de 06 de outubro de segunda-feira entre o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, e o presidente do PSD, Rui Rio, concretamente sobre o tema dos professores.

“Sabe o que é que eu reparei ontem, que fiquei até um pouco surpreendida? É que num debate que teve o dobro do tempo de todos os outros debates não foi apresentada uma solução para as questões do trabalho, para nenhuma questão do trabalho. Estavam a perguntar-me pelos professores, conhecem a proposta do BE”, começou por responder.

Soluções para “respeitar os trabalhadores por turnos ou quem tem trabalho noturno” também ficaram de fora do debate, segundo a coordenadora bloquista, que também não viu “nenhuma solução para combater a precariedade”.

“Como é que nós temos dois em cada três jovens em Portugal a trabalhar com contrato precário e não é possível numa hora de debate ter-se ouvido uma única proposta sobre como combater a precariedade e respeitar quem trabalha e os seus direitos”, questiona.

A resposta foi dada, de imediato, pela própria Catarina Martins: “acho que isso nos mostra uma coisa que é um pouco evidente, é que será sempre à esquerda que se vão debater as soluções para quem trabalha e o respeito por quem trabalha”.

“Há professores, há enfermeiros, há técnicos superiores de diagnóstico, há vários casos em que as carreiras não foram respeitadas e nós não podemos dizer às pessoas que elas não trabalharam os anos que trabalharam, ou que não tiveram as avaliações que tiveram, ou não fizeram as formações que fizeram. As pessoas devem ser respeitadas”, respondeu inicialmente.

No debate televisivo de segunda-feira, quanto aos professores, Rio garantiu que, se for Governo, se sentará à mesa com esta classe para voltar ao tema da recuperação total do tempo de serviço, desde já avisando que para devolução em dinheiro “a margem orçamental é escassa”, apostando em outras formas de compensação como a redução de horário ou antecipação da idade da reforma.

Por seu turno, António Costa contrapôs que o Governo já cumpriu o seu compromisso com os professores, salientando que “sobre esse tema” – da recuperação total do serviço congelado – não tem nada a prometer a esta classe profissional, mas deixou outras garantias.

Anúncio

País

Preço do gás natural desce 2,2% no mercado regulado a partir de outubro

Entidade Reguladora dos Serviços Energético

em

Foto: DR / Arquivo

O preço do gás natural para consumidores residenciais e pequenos negócios vai descer, no mercado regulado, 2,2% a partir de outubro e em comparação com setembro, anunciou hoje a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).


“Os preços de venda a clientes finais do mercado regulado, aplicáveis a consumidores residenciais e pequenos negócios, a vigorar a partir de 01 de outubro de 2020, observarão uma redução de – 2,2% face a setembro de 2020”, indicou, em comunicado, o regulador energético.

Assim, a partir desta data, comparando o ano gás de 2020-2021 com o de 2019-2020, a variação tarifária será de menos 4,6% para baixa pressão com consumo igual ou inferior a 10 mil metros cúbicos por ano.

Perante esta variação, a fatura média mensal de um casal sem filhos, com um consumo de 138 metros cúbicos por ano, vai situar-se nos 11,95 euros, enquanto para um casal com dois filhos e um consumo tipo de 292 metros cúbicos por ano vai ascender a 22,61 euros, o que equivale, respetivamente, a – 0,53 euros e – 1,18 euros na fatura mensal.

A decisão do regulador, que vai ser aplicada até setembro de 2021, surge após ter sido submetida a proposta ao parecer do conselho tarifário.

Paralelamente, tendo em conta a redução do preço do gás natural nos mercados internacionais, a ERSE aprovou uma descida de dois euros por megawatt hora (MWh) da tarifa de energia aplicada ao mercado regulado, que vai vigorar entre julho e setembro.

Na sequência desta atualização, a variação da tarifa dos preços de venda a clientes finais do mercado regulado vai traduzir-se numa diminuição de 3,3%, considerando uma baixa pressão com consumo igual ou inferior a 10 mil metros cúbicos por ano.

A fatura média mensal de um casal sem filhos, com um consumo de 138 metros cúbicos por ano vai situar-se nos 12,15 euros, menos 0,32 euros, enquanto para um casal com dois filhos e um consumo tipo de 292 metros cúbicos por ano a redução será de 0,71 euros para 23,07 euros.

Já os consumidores com tarifa social vão beneficiar de um desconto de 31,2%, com base nas tarifas transitórias de venda a clientes finais.

Continuar a ler

País

Quase metade das empresas quer manter regime de teletrabalho

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Mais de 90% das empresas adotaram o teletrabalho devido à pandemia covid-19 e quase metade pretende mantê-lo no futuro, embora a maioria apenas de forma parcial, segundo um inquérito divulgado hoje pela CIP.


Este inquérito feito a quase 1.000 empresas, a maioria das quais micro e pequenas empresas, é o quinto realizado no âmbito do “Projeto Sinais Vitais”, desenvolvido pela CIP – Confederação Empresarial de Portugal, em parceria com o Marketing FutureCast Lab do ISCTE.

Os principais resultados mostram que 92% das empresas inquiridas adotaram o regime de teletrabalho no período da pandemia e, destas, a grande maioria (74%) optou pelo tempo parcial, enquanto 26% adotou o regime a 100%.

Por outro lado, quase metade das empresas inquiridas (48%) disse que tem intenções de manter situações de teletrabalho, de forma permanente, enquanto 52% não pretende adotar este regime no futuro.

Os resultados mostram ainda que 59% das empresas consideram que se deve voltar ao regime de teletrabalho constante do Código do Trabalho “logo que possível”, ou seja, seguindo a regra de que este regime exige o acordo entre empregador e trabalhador.

Na conferência de imprensa para apresentação dos resultados do inquérito, o vice-presidente da CIP, Rafael Campos Pereira, considerou que, “por enquanto, a CIP não vê necessidade de rever o que está previsto no Código do Trabalho”, salientando que “ainda é cedo para se tirarem conclusões” sendo precisa uma “reflexão mais aprofundada”.

As empresas que pretendem adotar o teletrabalho no futuro preferem fazê-lo de forma parcial, já que metade considera preferível ter situações de teletrabalho apenas em dois ou três dias da semana.

Por outro lado, o documento revela que 22% das empresas preferem manter o teletrabalho em todos os dias da semana, excetuando idas pontuais à empresa.

A aceitação do teletrabalho por parte dos trabalhadores foi, em 57% dos casos, elevada ou muito elevada, avança ainda o documento.

A maioria das empresas (62%) que responderam ao inquérito não tinham experiência prévia de teletrabalho, mas em 86% dos casos os processos internos foram facilmente executados.

Sobre a produtividade, 43% das empresas consideram que se manteve inalterada durante a prestação em teletrabalho, 16% dizem que piorou e 10% que melhorou, com 31% das empresas a responderem que ainda é cedo para avaliar.

A redução de custos de funcionamento/custos das instalações e a motivação dos trabalhadores são as principais vantagens do teletrabalho, assinaladas por 27% e 26% das empresas, respetivamente.

Sobre as desvantagens do teletrabalho, as empresas referem sobretudo a dispersão dos trabalhadores com atividades domésticas e familiares, com 43% de respostas, seguida da falta de comunicação entre equipas (30%).

Continuar a ler

País

Governo quadruplica apoios às empresas que reconverteram produção

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O Governo mais do que quadruplicou o montante de apoios, no âmbito dos programas operacionais regionais, atribuídos às empresas que reconverteram a sua produção face à covid-19, passando de 26 milhões de euros para 108 milhões de euros.


“Foram alargados para 108 milhões de euros os apoios a fundo perdido dos programas operacionais regionais do Portugal 2020, destinados às empresas que reconverteram a sua produção para responder aos desafios da pandemia”, avançou, em comunicado, o Ministério da Coesão Territorial.

Conforme apontou o executivo, em causa está um reforço de 82 milhões de euros em relação à verba inicial de 26 milhões de euros para os programas Norte 2020, Centro 2020, Lisboa 2020, Alentejo 2020 e CRESC Algarve.

Através do sistema de incentivos à inovação produtiva no contexto da pandemia, é agora esperado que os programas operacionais (PO) regionais financiem cerca de 440 projetos empresariais.

No âmbito deste sistema, os PO apoiam projetos com um investimento total até 500 mil euros.

De acordo com os dados avançados pelo ministério liderado por Ana Abrunhosa, até segunda-feira, através desta linha, os PO regionais assinaram contrato com 195 projetos empresariais, o que corresponde a 40 milhões de euros de fundos europeus.

Esta medida foi criada para incentivar a produção de materiais de combate à pandemia, como viseiras, máscaras e álcool-gel.

Paralelamente, foi lançada uma linha de apoio à investigação científica no combate à pandemia, dotada com 13 milhões de euros, que já apoiou 18 projetos com três milhões de euros.

Com uma dotação global de cerca de 26 mil milhões de euros, o programa Portugal 2020 (PT 2020) consiste num acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia, “no qual se estabelecem os princípios e as prioridades de programação para a política de desenvolvimento económico, social e territorial de Portugal, entre 2014 e 2020”.

Os primeiros concursos do programa PT 2020 foram abertos em 2015.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 372 mil mortos e infetou mais de 6,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

Mais de 2,5 milhões de doentes foram considerados curados.

Portugal contabiliza pelo menos 1.424 mortos associados à covid-19 em 32.700 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Relativamente ao dia anterior, há mais 14 mortos (+1%) e mais 200 casos de infeção (+0,6%).

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, que na sexta-feira foi prolongado até 14 de junho, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório apenas para pessoas doentes e em vigilância ativa e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

Continuar a ler

Populares