Seguir o O MINHO

Região

Braga: Preservar é palavra de ordem num distrito orgulhoso do património

Distrito tem dois sítios classificados pela Unesco como Património Mundial

em

Foto: O MINHO

O distrito de Braga é uma referência de riqueza de património, seja pelos locais classificados pela UNESCO, pela extensa produção científica, pelos valores arqueológicos ou pela mancha verde que ocupa grande parte do Minho, um legado que acarreta responsabilidades.

Para muitos, Braga é sinónimo de religião, mas a marca deixada pelo trabalho da Universidade do Minho (UMinho) é cada vez mais parte do património científico de uma zona reconhecida também pelo valor ambiental único do Parque Nacional do Gerês e pelas marcas de vários períodos da História – desde a ‘Roma peninsular’ ao visigótico e ao barroco.

Na cidade de Braga, se todos os caminhos vão dar a Roma, passam também por um dos mais recentes locais classificados como Património da Humanidade pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), o Bom Jesus do Monte.

“A região de Braga é, essencialmente, marcada pelo culto mariano, de Nossa Sr.ª do Alívio, da Franqueira, da Fé. Em todos os concelhos temos esses lugares, com santuários maiores ou menores, como este [do Bom Jesus], o da Penha, o do Sameiro, o do S. Bento da Porta Aberta”, descreveu à Lusa o arcebispo de Braga, Jorge Ortiga, que referiu ainda as “inúmeras peregrinações e romarias” no distrito.

“A arquidiocese de Braga é dotada de um património cultural e artístico que tem uma dimensões de que muito nos orgulhamos”, acrescentou.

Para um dos rostos do trabalho que elevou este ano o Santuário do Bom Jesus a Património da Humanidade, Varico Pereira, a classificação pela UNESCO aumentou o valor patrimonial reconhecido do distrito: “O distrito de Braga já tinha o centro histórico de Guimarães inscrito na lista de Património Mundial e agora mais este local. Não são muitos os distritos que têm dois sítios naquela lista”, salientou.

Aquando do anúncio, em julho, o presidente da Câmara de Braga, Ricardo Rio, reconheceu que a distinção acarreta “uma grande responsabilidade, que é a de tudo fazer para que o local continue à altura”.

A menos de 20 quilómetros do Bom Jesus, fica outro local classificado pela organização mundial, o centro histórico de Guimarães.

“Foi, em 2001, um momento que muito nos orgulhou, porque foi o reconhecimento de uma aposta que ia contra a maré naquela altura, de deitar tudo abaixo e fazer novo. Mas agora vimos que esta nossa aposta se espalhou como o azeite pelo território e não só ao património edificado”, apontou a então vereadora da Cultura da Câmara de Guimarães, Francisca Almeida.

A preservação “excecional” do centro histórico de Guimarães foi um dos vários motivos que garantiram a entrada para a lista de Património Mundial, para a qual também contou a ligação da cidade ao “estabelecimento da identidade e da língua portuguesa”.

Na opinião do reitor da UMinho, Rui Vieira de Castro, Braga é um distrito em que “património e legado se confundem e se fundem”.

“Temos aqui marcas únicas da passagem de várias civilizações e de épocas históricas, com a visigótica, a barroca e, claro, a romana. Aqui a universidade tem um papel preponderante no estudo desse património, através do nosso departamento de Arqueologia e de Conservação. É uma missão que abraçamos”, disse.

Mas a UMinho não está “apenas e só” ligada à descoberta arqueológica – que “fica, fisicamente, apenas” no distrito -, mas também ao património científico produzido, que “vai de Braga para o mundo e retorna na forma de dinamização económica, patentes, reconhecimento internacional e crescimento das instituições científicas”.

“Nos nossos laboratórios, quer seja de engenharia, de medicina ou de arqueologia, estamos a produzir património que fica como forma de legado e que ultrapassa as fronteiras da universidade, do distrito e do país”, ressalvou o reitor.

No mesmo sentido, o investigador do Instituto de Investigação em Ciências da Vida e Saúde, Jorge Pedrosa, afirma que “a ciência produzida resulta em artigos científicos (mais de 250 por ano), mas também no desenvolvimento de patentes, como um novo fármaco ou dispositivo médico”.

Além disso, “contribui para o aparecimento de pequenas empresas que acabam por contribuir para o tecido produtivo da região “, referiu.

Além do património edificado, a UNESCO distinguiu também em 2009 o Parque Nacional da Peneda-Gerês, criado em 1971, como Reserva Mundial da Biosfera. A mancha verde do parque passa os limites do distrito de Braga (abrange concelhos de Vila Real e Viana do Castelo), “mas acaba por ser sempre referenciado como sendo em Braga”, segundo o ambientalista Manuel Castro.

“É um sítio único e de referência do distrito de Braga. São quase sete mil hectares de uma riqueza ambiental inigualável. Tem mais de 110 espécies endémicas da península Ibérica, algumas exclusivas, mais de 200 espécies protegidas e cerca de 70 com estatuto de ameaça”, descreveu.

Com todo este valor e reconhecimento, é consensual a responsabilidade de preservação do património – de acordo com os vários representantes ouvidos pela Lusa, cuidar, estudar e deixar este imenso legado às próximas gerações são os desafios do distrito.

Anúncio

Ave

Homem morre atropelado numa passadeira em Famalicão

Em Calendário

em

Foto: Rádio "Cidade Hoje"

Um homem morreu, este domingo à noite, na sequência dos ferimentos sofridos após ter sido atropelado numa passadeira, na freguesia de Calendário, em Vila Nova de Famalicão, avança a rádio Cidade Hoje.

A vítima, de 60 anos, foi socorrida no local, na rua de São Julião, depois das 20:13 (hora do alerta), onde viria a ser declarado o óbito.

De acordo com informações da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), prestaram socorro oito operacionais, auxiliados por quatro meios de socorro.

O cadáver vai ser transportado para a morgue do hospital de Famalicão.

(em atualização)

 

Continuar a ler

Guimarães

Faleceu o bombeiro mais antigo do quadro de honra dos Bombeiros de Guimarães

O Chefe António Silva será sepultado no canteiro da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Guimarães, no Cemitério Municipal da Atouguia

em

António Maria Silva, o mais antigo bombeiro do Quadro de Honra da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Guimarães faleceu, este domingo, aos 89 anos, informou aqueles soldados da paz através das redes sociais.

“Esta morte é uma perda incalculável para esta instituição”, lê-se numa publicação divulgada nas redes sociais.

O Chefe António Silva, que no ano 2000 foi agraciado pela Câmara Municipal de Guimarães com a Medalha de Mérito Social em Prata, na sessão solene evocativa da Batalha de S. Mamede, pela sua dedicação ao serviço dos Bombeiros Voluntários de Guimarães, conforme recorda o Guimarães Digital, do Grupo Santiago, citado na naquela nota.

O corpo de António Maria Silva encontra-se em câmara ardente no Salão Nobre da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Guimarães, onde irão decorrer as cerimónias fúnebres, esta segunda-feira, a partir das 15:30 horas.

O corpo será sepultado no canteiro dos Bombeiros de Guimarães, no cemitério Municipal de Atouguia.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães assinalou Dia Nacional da Paralisia Cerebral

Inclusão Social

em

Foto: Divulgação / CM Guimarães

A Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães (APCG), que este ano comemora 25 anos, assinalou, este domingo, o Dia Nacional da Paralisia Cerebral, com uma conferência no Centro Cultural Vila Flor.

“Inclusão Social e o Papel das Organizações na Sociedade Civil” foi o mote para debate, numa sessão onde participaram o Presidente da Câmara de Guimarães, Domingos Bragança, o Reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro, o Presidente da Federação das Associações de Paralisia Cerebral (FAPPC), Abílio Cunha, o Presidente do Instituto Nacional para a Reabilitação, Humberto Santos e o Presidente da Sociedade Internacional de Paralisia Cerebral, John Coughlan, tendo a moderação ficado para a vereadora Paula Oliveira.

O papel desenvolvido pelo Município de Guimarães, ao nível do trabalho da Rede Social na área da inclusão, foi destacado pelos intervenientes nesta sessão. Domingos Bragança enumerou algumas das ações protagonizadas pelo Fórum Municipal para a Deficiência, destacando a “necessidade de desmistificar alguns preconceitos, essencialmente, no que diz respeito ao desafio da comunicação como um contributo para ultrapassar algumas barreiras sociais”, segundo disse a O MINHO fonte do gabinete de comunicação da autarquia.

O presidente da Câmara de Guimarães aponta que “este é um caminho por onde temos muito a percorrer” realçando a ação das instituições. Domingos Bragança enalteceu o trabalho apresentado pela APCG e demonstrou o apoio do Município na ampliação ao lar residencial de apoio aos jovens.

Nota de destaque neste evento para a ligação à academia. Abílio Cunha defendeu uma “educação inclusiva para que cada criança tenhas as ferramentas necessárias como as demais”. Do lado da Universidade do Minho, Rui Vieira de Casto evidenciou alguns eixos fundamentais para responder ao desafio da inclusão, como a “promoção de inovação pedagógica”, a oferta de cursos de preparação no acesso ao ensino superior e forte aposta no acompanhamento dos estudantes.

O Dia Nacional da Paralisia Cerebral celebra-se a 20 de outubro, criado oficialmente por decreto-lei em 2014. Esta data visa desmistificar alguns preconceitos relacionados com a paralisia cerebral e mostrar à sociedade os problemas e desafios que sofrem diariamente as pessoas, bem como suas famílias.

Esta conferência foi o culminar de um programa de comemorações da Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães que teve como ponto alto a Gala dos Afetos, na noite de sábado, no Multiusos de Guimarães.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares