Seguir o O MINHO

Braga

Biblioteca Pública de Braga evoca António Nobre

em

A BPB tem uma rara 1ª edição autografada de 'Só'. Foto: Luis Moreira

A Biblioteca Pública de Braga (BPB) apresenta em novembro e dezembro uma exposição sobre o poeta António Nobre, com uma centena de publicações ligadas à sua biografia e produção literária, além de evocações e artigos de imprensa.

O organismo da Universidade do Minho adiantou que a mostra está patente no átrio desta unidade cultural, na Praça do Município, tendo entrada livre de segunda a sexta-feira, das 9:00-12:30 e 14:00-17:30. A iniciativa insere-se nos 175 anos da BPB, nos 150 anos do nascimento daquele escritor e nos 125 anos da sua obra-prima “Só”. O evento tem apoio da Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva e do Centro de Estudos Humanísticos da UMinho.

A mostra bibliográfica e documental dá especial destaque às várias edições de “Só”, a única obra que António Nobre publicou em vida e que apelidou como “o livro mais triste que há em Portugal”, havendo até uma rara primeira edição por si autografada no espólio da BPB.

“O poeta ímpar do ultrarromantismo, simbolismo e saudosismo português é também recordado em dois painéis de grande formato, além de ensaios, eventos académicos e publicações de autores contemporâneos e posteriores que contribuíram para o elevar entre os poetas do final do século XIX”, escreve a Biblioteca.

António Nobre nasceu no Porto em 1867 e faleceu com apenas 32 anos, após várias tentativas de curar a tuberculose pulmonar e de viagens à Suíça, Madeira e Nova Iorque. Frequentou Direito em Coimbra e licenciou-se pela Escola Livre de Ciências Políticas de Paris.

Lançou “Só” em 1892, por León Vanier, livreiro dos simbolistas franceses. A edição póstuma de “Despedidas” e “Primeiros versos” foi dinamizada pelo seu irmão Augusto Nobre. O escritor é hoje evocado na toponímia, no nome de instituições e nos monumentos de meia centena de localidades, nomeadamente em Leça da Palmeira, onde viveu a infância, com um conjunto escultório, um tributo de Siza Vieira e uma quadra cravada num rochedo da praia de Boa Nova.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

M1lhão sai no distrito de Braga

em

Foto: DR

O código vencedor do concurso 50/2018 do M1lhão, sorteado hoje, é KJB 38.916.

O prémio, no valor de um milhão de euros, saiu a um apostador no distrito de Braga.

Continuar a ler

Braga

Chuva “apaga” Fogueira de Natal e leva Bolo-Rei Gigante para outro local em Braga

Programação “Braga é Natal” 2018.

em

Foto: Divulgação / CM Braga

A Fogueira de Natal, iniciativa integrada na programação “Braga É Natal” que estava marcada para este sábado, não irá, afinal, realizar-se, devido à previsão de chuva, informou hoje a autarquia.

Já o Bolo-Rei Gigante, em que será confecionado e oferecido um bolo-rei com 150 metros e distribuídos 150 litros de favaios, irá decorrer no Claustro da Rua do Castelo, às 22:00 horas, e não no local inicialmente previsto, pela mesma razão.

Fonte: Weather.com

A restante programação do ‘Braga É Natal’, nomeadamente os espectáculos previstos para a Tenda e para o Palco da Avenida Central, mantém-se.

A programação do “Braga É Natal 2018” pode ser consultada em http://goo.gl/NVAWL2.

Continuar a ler

Braga

PSD exige explicações sobre impacto da reversão do Hospital de Braga para o Estado

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou na quarta-feira, no final de uma audição na comissão parlamentar de Saúde, que o Hospital de Braga poderá voltar à esfera do SNS.

em

Foto: Divulgação / Arquivo

Os deputados do PSD querem que o governo explique “exaustivamente” quais as motivações, custos e impacto para o Estado e para os doentes de uma eventual reversão da gestão do Hospital de Braga para a esfera do Estado.

Numa pergunta enviada ao Ministério da Saúde, o grupo parlamentar do Partido Social Democrata exige ainda que o governo apresente um estudo de custo-oportunidade de não continuação do contrato de gestão sob modelo Parceria Público Privada versus reversão para gestão pública e que garanta a continuidade da assistência da população abrangida pelo Hospital de Braga, independentemente do modelo de gestão.

Os deputados consideram que “constituirá um erro grave, com elevados custos para o Estado e que acarreta inegáveis prejuízos para os utentes do Serviço Nacional de Saúde, a reversão de uma parceria público-privada que demonstra ser eficiente e vantajosa para os cidadãos e o País” e advertem “para as consequências imprevisíveis de uma decisão tomada de forma atabalhoada e pouco transparente”.

O PSD defende que depois do parceiro privado ter vindo esclarecer que, desde o primeiro momento, se mostrou disponível para o prolongamento do contrato de gestão da PPP do Hospital de Braga desde que esclarecidas as condições de execução do contrato e de sustentabilidade financeira da parceria”, que não se deve considerar esgotado o processo negocial.

Face ao exposto, os sociais-democratas questionam “se reafirma o Governo que foi por vontade do parceiro privado que não se renova o contrato do Hospital de Braga”, e por que razão não desencadeou o Governo um novo concurso para a futura gestão.

O PSD pergunta ainda se “pretende o governo assumir a gestão pública do Hospital de Braga ou lançar um novo concurso” e quando o pretende fazer.

Na pergunta assinada pelos deputados Fernando Negrão, Hugo Soares, Adão Silva e Emídio Guerreiro, entre outros, os sociais-democratas lembram que, segundo os últimos dados Sistema Nacional de Avaliação em Saúde, o Hospital de Braga recebeu a classificação máxima na área de Cardiologia, tendo as áreas de Obstetrícia, a Unidade de Cuidados Intensivos, a Neurologia o AVC ou ainda a Cirurgia de Ambulatório, entre outras, obtido o “Nível de Qualidade Superior”.

Ainda segundo os deputados, também o Tribunal de Contas, numa auditoria recente, concluiu que este estabelecimento hospitalar “aumentou a oferta de cuidados de saúde à população: as consultas externas aumentaram cerca de 99% (entre 2009 e 2015) e a atividade do internamento e cirurgia de ambulatório mais do que duplicou face às previsões iniciais.”

Para os mesmos, os dados demonstram, “de forma inequívoca, que aquela unidade, não só presta cuidados de saúde com qualidade e nas melhores condições de segurança (…) como representa uma poupança de recursos para o Estado Português”.

A ministra da Saúde, Marta Temido, afirmou na quarta-feira, no final de uma audição na comissão parlamentar de Saúde, que o Hospital de Braga poderá voltar à esfera do SNS por “indisponibilidade definitiva” do gestor privado, a José de Mello Saúde, em prolongar o atual contrato de gestão público-privada.

Até agora, não foi lançado um novo concurso para a gestão público-privada e não daria tempo de estar concluído até agosto de 2019 e, segundo Marta Temido, o gestor privado não está interessado no prolongamento do atual contrato.

O Hospital de Braga foi inaugurado em 2011 pelo então primeiro-ministro, José Sócrates e que serve uma população na ordem dos 1,2 milhões de pessoas.

Continuar a ler

Populares