Seguir o O MINHO

Vamos ajudar?

Associação ‘Gatos de Ninguém’ pede ajuda “urgente” para criar abrigo para gatos em Viana

Imóvel ocupado pela associação “Gatos de Ninguém” está a venda e reúne poucas condições

em

Foto: Facebook

A associação Gatos de Ninguém, de Viana do Castelo, lançou uma campanha de angariação de fundos para comprar contentores que permitam criar um abrigo para os animais, na sequência de o imóvel que atualmente ocupa ter sido colocado à venda.

Em declarações à agência Lusa, Feliciano Silva explicou hoje que “a casa emprestada que a associação ocupa há dois anos, situada no centro da cidade, está à venda, que, a concretizar-se, deixará os animais sem um teto”.

O responsável adiantou que a campanha de financiamento colaborativo (‘crowdfunding’), que decorre até ao dia 09 de julho, visa angariar “17 mil euros para a aquisição de contentores prefabricados que permitam, sem grandes construções, criar um abrigo para os 62 gatos da associação”.

Feliciano Silva explicou “que a campanha conta até hoje com 420 euros de donativos”.

De acordo com as estimativas da associação, são necessários “15 mil euros para a aquisição dos contentores, cerca de mil para a montagem e outros mil para a instalação da rede elétrica”.

SABER MAIS / APOAIR >

Os contentores serão instalados num terreno cedido por um elemento da associação, em regime de comodato, situado na freguesia de Santa Marta de Portuzelo.

Em outubro de 2018, naquele terreno, a associação inaugurou a primeira fase do gatil, num investimento de cerca de 13 mil euros.

“O objetivo deste gatil é continuar o trabalho com animais de rua sem acesso a cuidados de saúde básicos, alimentação suficiente, abrigo ou conforto, vítimas de fome, doenças e maus-tratos, condenados a existências curtas e sem qualidade de vida”, lê-se na campanha de ‘crowdfunding’.

O projeto de criação da associação Gatos de Ninguém nasceu em 2013. Em novembro de 2014 foi legalmente constituída. Tem 45 sócios (amigos) pagantes.

É uma associação sem fins lucrativos que “através de um grupo de voluntários dá resposta aos animais em risco, particularmente às colónias de gatos errantes, com o propósito maior de reduzir o número através da esterilização (Programa CED) e de promover a saúde pela prestação de cuidados veterinários”.

A par desta associação, também a Associação Vila Animal recolhe, trata e encaminha para adoção cães e gatos no concelho, sendo que as duas contam anualmente com um apoio financeiro da autarquia.

Viana do Castelo é um dos municípios servidos pelo canil intermunicipal do Alto Minho, construído pela Comunidade Intermunicipal (CIM) e instalado em Ponte lima.

Anúncio

Braga

Campanha pede ajuda para família de Braga após acidente de trabalho

António Vieira e Rosa Oliveira

em

Foto: Divulgação

“Vamos ajudar o António Vieira e a Rosa Oliveira”. Este é o mote para uma campanha solidária para com uma família da região de Braga (Vieira do Minho), que passa por dificuldades na sequência de um acidente de trabalho que deixou o homem incapacitado em 99% do corpo.

A campanha, que pretende angariar 20 mil euros para ajudar a família a colmatar algumas necessidades durante os próximos tempos, decorre numa página de Facebook criada para o efeito, tendo já angariado, pelas 14:35 deste sábado, cerca de 1.500 euros.

Para ajudar, é possível fazer a doação através daquela rede social ou entrar em contacto direto com Rosa Oliveira, através do número 919 453 406.

Podem também fazer uma transferência direta para o NIB de António José Ferreira Vieira (0033 0000 0024 6002 3800 5) ou IBAN (PT50 0033 0000 0024 6002 3800 5)

A campanha explica que António sofreu um acidente no dia 28 de março de 2018, enquanto fazia a poda de uma árvore. A escada caiu e António ficou tetraplégico, com uma incapacidade de 99%.

“Venderam a casa, pois era muito pequena e mudaram-se para a casa da mãe da Rosa, enquanto tentam fazer uma casa com as condições que o António precisa para ter uma vida com alguma qualidade e segurança”, refere a publicação.

Os familiares, amigos, empresas e entidades tem ajudado na construção desta nova habitação, mas ainda falta algum tempo até a casa estar concluída.

“Enquanto isso, eles precisam de ajuda para tentar ter algum conforto e ajuda a ultrapassar as dificuldades diárias”, explica a promotora da campanha.

Continuar a ler

Vamos ajudar?

Filme ‘made in Braga’ alerta para abandono: “Vença a indiferença”, adopte um animal

Vídeo de animação, com apoio de O MINHO (e não só)

em

O Gato Francisco – Natureza e Cultura, projeto bracarense de voluntariado com valências na área da proteção animal dedicado exclusivamente a gatos, lançou, no início do mês, um filme de animação de apelo à adoção.

A O MINHO, Cláudia Sousa, que é o “rosto” do projeto, explica que a criação e divulgação do vídeo pretende também alertar e sensibilizar a sociedade para “uma triste realidade chamada abandono de animais, em especial agora que o frio e a chuva já se fazem sentir”.

Criado a título de responsabilidade social pelo Gen Design Studio sob o mote “Vença a indiferença. Alimente a sua alma.”, o filme – com perto de um minuto duração – narra um paralelismo entre a vida de uma rapariga e de um gato abandonado, e como ela, quando os dois fortuitamente se cruzam, não se deixa vencer pela indiferença e o adota num gesto de compaixão para com o animal.

Tem vindo a ser divulgado nas redes sociais do projeto (Facebook e Instagram) e nas redes sociais e plataformas digitais de comunicação das entidades que se associaram à iniciativa, entre elas órgãos de comunicação social, como acontece com O MINHO, Diário do Minho, RUM, Jornal de Notícias ou o Público.

Gato Francisco

Fundado na segunda metade de 2015 por ex-alunos da Universidade do Minho (UMinho), que então decidiram ‘dizer não à indiferença’, o projeto age com particular incidência no concelho de Braga, intervenção essa estruturada em duas grandes linhas de atuação. A primeira concerne ao resgate das ruas de gatos abandonados e a providenciar-lhes os necessários cuidados veterinários para posterior encaminhamento para famílias de acolhimento temporário ou adotantes – o projeto conta com dezena e meia de famílias de acolhimento e outros tantos voluntários. Visando despertar a sensibilidade para a causa animal, a segunda linha de ação respeita ao trabalho de sensibilização e informação da população, muitas das vezes em parceria com outras instituições do concelho, em atividades preparadas para o efeito.

Continuar a ler

Vamos ajudar?

UMinho angaria brinquedos para crianças carenciadas ou com necessidades especiais

Campanha solidária

em

Foto: Divulgação / UMinho

A Universidade do Minho (UMinho) lançou, como habitualmente, a Campanha de Recolha de Brinquedos “OFERECE e faz uma criança feliz!”. Os brinquedos angariados serão entregues a crianças carenciadas e a crianças com necessidades especiais.

A Campanha prolonga-se até dezembro e tem já uma longa tradição. Iniciada em 2008, este será o quinto ano consecutivo em que irá contribuir com brinquedos eletrónicos que serão adaptados para crianças com necessidades especiais.

Esta 12.ª edição da campanha, que terá vários locais para a entrega de brinquedos, é levada a cabo pelos Serviços de Acção Social da UMinho (SASUM) em cooperação com a Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM), com o apoio do Núcleo de Robótica do Departamento de Eletrónica Industrial da UMinho e o SalusLive – Centro Terapêutico.

Tem como objetivo sensibilizar para a doação de um brinquedo que já não precise ou para a oferta de brinquedos novos, para que todos possam participar e ajudar a levar a magia do Natal, não só a crianças carenciadas, mas também a crianças com necessidades especiais, que de outra forma não terão a alegria de receber um brinquedo nesta quadra tão especial.

Os Brinquedos Eletrónicos serão adaptados para oferta a crianças com necessidades especiais

O Laboratório de Robótica do Departamento de Eletrónica Industrial da UMinho vai dedicar uma semana à adaptação de brinquedos eletrónicos, de forma a que possam ser usados por crianças com necessidades especiais. Entre os dias 10 e 15 de dezembro, alunos e docentes vão pôr “mãos à obra” para conseguir adaptar o máximo de brinquedos, que serão posteriormente entregues a instituições que trabalham com crianças com necessidades especiais.

Os restantes brinquedos recolhidos (não eletrónicos) serão entregues a instituições minhotas que trabalham com crianças carenciadas.

Continuar a ler

Populares