Seguir o O MINHO

Braga

A vida pregou uma partida a eletricista de Braga, família apela: “Vamos apoiar o Carlos”

Carlos Fernandes, vítima de AVC, precisa de uma cama articulada e um elevador de escada

em

Carlos Fernandes mora em Palmeira, Braga, e está a passar por momentos difíceis depois de um AVC o ter confinado a uma cama. Sem condições financeiras, a viver numa casa modesta, a família lançou uma campanha pública para conseguir uma cama articulada e um elevador de escadas.

Foto: cedida a O MINHO por Ângela Fernandes

Na página, criada pela filha, “Vamos apoiar o Carlos” estão todos os pormenores para quem quiser ser solidário com esta causa.

“Vamos apoiar o Carlos” – Facebook

A vida de Carlos Fernandes deu uma volta de 180 graus há cerca de um ano, como contou uma filha a O MINHO.

Electricista de profissão era uma pessoa dinâmica e cheia de vida. O início de 2018 viria a mudar tudo. Uma gripe seria o princípio do fim. Tomou medicamentos mas um mês depois nada de melhorar.

Exames atrás de exames e nada de perceber o que se passava. Três pneumonias seguidas e um internamento no hospital começaram a levantar a ponta do véu: alguma coisa não estava bem. E não estava.

O primeiro cenário foi mau: cancro dos pulmões. Mas o que se seguiu ainda foi pior: o cancro estava situado nos ossos.

Começou logo os tratamentos apesar do veredicto estar dado: incurável. A médica fala-lhe de um tratamento inovador que lha dava mais anos de vida e com maior qualidade. Aceitou.

Em junho de 2018, uns desmaios sucessivos levaram a esposa e a filha a chamarem pelo socorro. O facto de ter batido com a cabeça numa esquina preocupou os familiares. Isso e os outros dois desmaios até ao hospital. Passou a noite em observações. No dia seguinte tem alta.

Volta para casa. Era sábado. Na segunda-feira, a filha e a neta, também ela com um cancro, estão em tratamentos no Porto. Carlos vai com a esposa à farmácia. Ainda que perto decidiu levar o carro. De regresso, a entrar no portão sentiu o braço sem força e desmaiou.

O INEM foi rápido, a assistência cuidadosa. Transportado de urgência, é operado durante algumas horas. A família é informada que Carlos teve um AVC com hemorragia grave e paralisação do lado direito. A fala ficou afectada.

Transferido para os cuidados intensivos, é pedido à família que reúna todos porque Carlos não teriam mais do que 48 horas de vida.

“Vamos apoiar o Carlos” – Facebook

Carlos ainda cá continua, ainda não desistiu. Mas as suas condições não são as melhores.

Não tem uma cama articulada que ajudaria a esposa a tratar muito melhor dele. As escadas não têm elevador por isso, raramente sente o cheiro da zona onde mora.

Com uma reforma de 300 euros e a recusa da Segurança Social em dar mais qualquer apoio, há dias em que Carlos parece querer desistir.

A família não deixa e junta decidiu pedir ajuda. O primeiro passo foi criar uma página no Facebook, “Vamos apoiar o Carlos”.

Que já deu pequenos frutos: a Junta deu-lhe uma cama melhor, mais confortável mas não é articulada. Os escuteiros de Palmeira fizeram uma campanha e vão remodelar a casa de banho. Mas continuam a faltar a cama articulada e o elevador.

Daí o apelo solidário da família: “ajudem o Carlos!”.

Anúncio

Braga

Jovem de Braga surpreende no Got Talent e passa às ‘meias’ com ‘botão dourado’

Um jovem bracarense de 17 anos surpreendeu, esta noite de domingo, o júri do programa televisivo Got Talent Portugal, da RTP, com a interpretação em violoncelo do prelúdio Suite 1, de Bach. O bracarense começou a tocar aos sete anos no Conservatório de Música de Braga, estando agora a caminho da Royal Academy de Londres. Gonçalo acabou por ter direito à passagem direta para as meias-finais da prova, depois de um elemento do júri ter carregado no “botão dourado”. Imagens: RTP

em

Um jovem bracarense de 17 anos surpreendeu, esta noite de domingo, o júri do programa televisivo Got Talent Portugal, da RTP, com a interpretação em violoncelo do prelúdio Suite 1, de Bach. O bracarense começou a tocar aos sete anos no Conservatório de Música de Braga, estando agora a caminho da Royal Academy de Londres. Gonçalo acabou por ter direito à passagem direta para as meias-finais da prova, depois de um elemento do júri ter carregado no “botão dourado”.

Continuar a ler

Braga

Francisco Mota assume a presidência interina da Juventude Popular

Ex-líder da concelhia de Braga da JP

em

Foto: Divulgação / JP Braga

A presidência interina da Juventude Popular (JP) foi assumida por Francisco Mota, na sequência da eleição de Francisco Rodrigues dos Santos para a direção do CDS-PP, no último congresso nacional, anunciou hoje o partido.

Francisco Mota, que tinha sido eleito vice-presidente da JP no seu último congresso nacional, em 2018, assumiu a presidência interina da organização – até ao próximo congresso -, em resultado da decisão tomada numa reunião da Comissão Política Nacional (CPN), que decorreu no sábado em Coimbra.

Citado num comunicado enviado às redações o novo líder nacional da JP diz assumir “com orgulho o património e o percurso” deixados pelo atual presidente do CDS.

Francisco Mota adiantou ainda que vai focar-se “na reorganização interna, na aposta na implantação local, no diálogo estruturado com as organizações de juventude e na valorização da formação com vista ao próximo combate político que são as eleições autárquicas.”

Para o presidente da JP “é hora de colocar na agenda política o compromisso intergeracional”, de “romper com o poder instalado” e com a ideia de que “não há esperança num futuro diferente”.

Afirmando-se como a única juventude partidária de direita em Portugal, a JP assume “sem complexos” a intenção de dar voz às novas gerações e “sem as amarras do socialismo”, combater o “politicamente correto e a ditadura de opinião imposta pela esquerda.”

Para além do cargo de vice-presidente da JP, Francisco Mota tinha liderado no passado a concelhia de Braga da juventude partidária, que agora fica incumbido de presidir até ao próximo congresso da organização, previsto para o mês de novembro.

Continuar a ler

Braga

Braga investe 60,3 milhões nos TUB até 2029

Mobilidade e transportes públicos

em

Foto: Divulgação

A Câmara de Braga vai investir 60, 3 milhões de euros, de 2020 a 2029, na empresa municipal dos Transportes Urbanos (TUB), no quadro de um contrato de concessão do serviço público de transporte de passageiros.

Este ano, o valor a transferir pela Autoridade Municipal de Transportes é de 5, 4 milhões, verba que vai aumentando até atingir os 6,2 milhões em 2029.

Na proposta que será debatida, segunda-feira, numa reunião pública extraordinária do executivo municipal, o presidente da Câmara, Ricardo Rio e o vereador do pelouro, Miguel Bandeira pedem aos vereadores que aprovem a proposta, de modo a que possa ser votada na Assembleia Municipal o Contrato de Concessão e a respetiva autorização de despesa.

Ricardo Rio e Miguel Bandeira. Foto: DR

Na ocasião, será, também, votada uma outra proposta, uma adenda ao Contrato-Programa para 2020, prevendo a atribuição de mais 219 mil euros, valor justificado com o facto de esta empresa municipal vir a assumir, a partir de julho, a gestão do espaço cultural Gnration.

Na reunião, que terá lugar pelas 18h00, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, estarão, ainda em análise, a proposta de reformulação dos representantes nos conselhos gerais de escolas e o contrato interadministrativo de delegação de competências na União de Freguesias de Santa Lucrécia de Algeriz e Navarra.

A ordem de trabalhos está disponível para download.

Continuar a ler

Populares