Seguir o O MINHO

Ave

Vizela: Morreu o empresário Salvador Teixeira

Administrador da empresa Costa & Teixeira – Indústria de Calçado

em

Foto: Direitos Reservados

O empresário vizelense Salvador Lopes Teixeira morreu, esta segunda-feira, aos 54 anos, na habitação onde residia, em Nespereira, no concelho de Guimarães.

De acordo com a Rádio Vizela, que avança a notícia,  o administrador da empresa Costa & Teixeira – Indústria de Calçado foi encontrado por um filho, caído no chão, no interior de casa.

Salvador Lopes Teixeira era, ainda, sócio do projeto Urban, também ligado ao calçado, e de um negócio de restauração na cidade de Vizela.

No local do óbito estiveram os bombeiros locais e a VMER de Guimarães, acionados, cerca das 17:09, para uma situação de paragem cardiorrespiratória.

O corpo foi removido para o Hospital Senhora da Oliveira para autópsia.

A GNR tomou conta da ocorrência, ainda que, segundo disse a O MINHO fonte dos Bombeiros Voluntários de Vizela, não há qualquer suspeita “de nada, a não ser motivos de saúde”.

 

Anúncio

Guimarães

Homem morre em Guimarães: “Há suspeitas de que poderá ter sido picado por uma vespa”

Em Infantas

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um homem de 32 anos morreu no sábado à noite na freguesia de Infantas, concelho de Guimarães, suspeitando-se que terá sido picado por uma vespa, disse hoje à Lusa fonte dos Bombeiros Voluntários de Guimarães.

Segundo a fonte, o alerta foi dado pelas 21:40, “para uma reação alérgica desconhecida”, tendo a vítima sido encontrada já em paragem cardiorrespiratória numa habitação na rua do Casal, freguesia de Infantas.

“Há suspeitas de que poderá ter sido picado por uma vespa, mas só a autópsia confirmará”, acrescentou.

No local estiveram uma ambulância com dois elementos dos Voluntário de Guimarães e equipas da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) de Famalicão e da ambulância de Suporte Imediato de Vida de Fafe.

O corpo foi transportado para o Instituto de Medicina Legal do Hospital de Guimarães para ser autopsiado.

 

Notícia atualizada às 16h31 com mais conteúdo.

Continuar a ler

Ave

Combate a fogo em Cabeceiras de Basto a decorrer “favoravelmente” – CDOS

103 operacionais no combate

em

Foto: DR / Arquivo

O combate ao incêndio que lavra no concelho de Cabeceiras de Basto está a decorrer favoravelmente, disse à agência Lusa fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS).

Segundo a fonte, pelas 20:05, o combate às chamas estava a “evoluir favoravelmente” e o incêndio rural encontrava-se “quase controlado”.

A fonte do CDOS de Braga acrescentou que as chamas não colocavam povoações em perigo.

O incêndio, que começou pelas 10:54, na área da freguesia de Rio Douro, no concelho de Cabeceiras de Basto, estava a ser combatido, pelas 20:15, por 103 operacionais e 30 veículos, de acordo com a página na internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC).

Continuar a ler

Guimarães

Grupo de Guimarães lança plataforma para “revolucionar comercialização do calçado”

Economia

em

Foto: Kyaia / Divulgação

O grupo português Kyaia vai lançar “nos próximos meses” uma nova plataforma digital que promete “revolucionar o processo de comercialização do calçado”, aproximando online as marcas e produtores dos retalhistas, anunciou hoje a empresa.

Em comunicado, o grupo de Guimarães adianta que a plataforma digital B2B (‘Business to Business’ ou “de empresa para empresa”) Shoeply “vem possibilitar o acesso de grandes marcas a inúmeros retalhistas do setor e vice-versa”.

Entre as principais vantagens a Kyaia destaca a “facilidade de acesso a todos os produtos disponíveis”, a “flexibilidade no processo de compra” e a “significativa diminuição de custos”, já que “o online vem facilitar todo o processo comercial”.

Aponta ainda o facto de a nova solução “agilizar todo o tempo de produção e comercialização do produto”.

“No futuro, o Shoeply permitirá a apresentação de um maior número de coleções por ano, por marca, num curto espaço de tempo”, refere, avançando como exemplo o facto de o lançamento de “um novo modelo ou de nova cor poder ficar disponível a qualquer momento para compra”, num “processo mais rápido e cada vez mais adaptado às necessidades de revendedores e consumidores, sem restrições de coleção ou temporada”.

Fundada em 1984 por Fortunato Frederico e Amílcar Monteiro, a Kyaia lidera um grupo empresarial com mais de 600 trabalhadores e um volume de negócios de 55 milhões de euros, possuindo cinco fábricas em Guimarães e em Paredes de Coura.

Além da produção de calçado, o modelo de negócio do grupo estende-se às áreas de distribuição, retalho, imobiliário e tecnologias de informação.

Continuar a ler

Populares