Vieira do Minho e Amares querem uma nova ponte sobre o rio Cávado

Para salvaguardar a ponte do Bôco, encerrada ao trânsito por razões de segurança

Os municípios de Vieira do Minho e Amares defendem a construção de uma nova ponte sobre o rio Cávado, para salvaguardar a do Bôco, encerrada ao trânsito automóvel por razões de segurança.

O presidente da Câmara de Vieira do Minho, António Cardoso, disse hoje à Lusa que, de acordo com o estudo prévio, a nova ponte ficaria 50 metros a montante da do Bôco e teria um custo à volta dos 600 mil euros.

“Ontem [terça-feira], eu e o meu colega de Amares entregámos no Ministério do Planeamento e Infraestruturas o estudo prévio, na esperança de conseguirmos alguma ajuda financeira”, acrescentou.

Disse ainda que a ideia das duas câmaras é que a ponte do Bôco, classificada como imóvel de interesse público, fique reservada exclusivamente para peões”.

A ponte do Bôco, a mais antiga ponte em betão armado do país, está fechada a todo o trânsito automóvel desde janeiro, por razões de segurança.

Na altura, o presidente da Câmara de Amares, Manuel Moreira, disse à Lusa que a ponte “já tem o ferro à mostra” e apresenta “algumas fissuras”.

As duas câmaras pretendem avançar com a requalificação da ponte do Bôco, após a mesma ser submetida a um estudo para aferir do seu real estado.

Também em janeiro, o ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, admitiu que o Estado poderia dar “colaboração técnica” para resolver os problemas estruturais da ponte.

Aquela ponte sobre o rio Cávado foi construída entre 1908 e 1909 e faz a ligação entre o lugar de Aldeia, freguesia de Parada do Bouro, concelho de Vieira do Minho, e o lugar de Dornas, freguesia de Bouro (Santa Maria), concelho de Amares.

As câmaras já tinham colocado sinalização a proibir a passagem de pesados, mas, segundo Manuel Moreira, “os camiões continuaram sempre a passar”.

Por isso, em janeiro, as câmaras optaram pela colocação de “barreiras físicas”.

Os dois autarcas reconhecem que o corte da circulação causa “grandes transtornos”, sobretudo aos pesados, que serão obrigados a um trajeto extra de “seguramente mais de 20 quilómetros”.

Já para os ligeiros, o desvio deverá rondar os cinco quilómetros.

A ponte tem um tabuleiro de 33 metros de comprimento e apenas uma faixa de rodagem.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

PS/Vieira do Minho critica atraso de obra em escola, Câmara remete para Governo

Próximo Artigo

Vitória renova com defesa-central de 20 anos com cláusula de 20 milhões

Artigos Relacionados
x