Seguir o O MINHO

Braga

UMinho apresenta publicamente o arquivo de Victor de Sá

Esta quarta-feira

em

Foto: DR

A Universidade do Minho apresenta ao público, esta quarta-feira, o arquivo que lhe foi doado por Victor de Sá (1921-2004), precursor da moderna historiografia portuguesa e defensor da democracia.

A sessão é às 18:00, no Arquivo Distrital de Braga (ADB), no centro da cidade, com intervenções da vice-reitora para a Cultura e Sociedade da UMinho, Joana Aguiar e Silva, do diretor do ADB, António Sousa, e do antigo diretor da Biblioteca Pública de Braga (BPB), Henrique Barreto Nunes e de Ana Sandra Meneses, técnica superior do ADB. A exposição no ADB (Rua do Abade da Loureira) ficará patente até 16 de dezembro, sendo a entrada livre.

Victor de Sá doou o seu acervo biblioteconómico e arquivístico à BPB, tendo há cerca de um ano sido transferida a documentação do seu arquivo para o ADB, também uma unidade cultural da UMinho. É esta documentação que é agora apresentada, disponibilizando-se ao público a sua descrição arquivística e o acesso à consulta dos documentos. O início da disponibilização de reproduções digitais de parte dos documentos está previsto a breve prazo.

O espólio arquivístico atravessa a vida do homenageado, evidenciando a sua atividade de historiador e de intervenção cultural, social e política. Sobressaem os seus inúmeros apontamentos e notas e a vasta correspondência trocada com as figuras das várias épocas e atividades em que esteve presente.

A mostra insere-se nas celebrações do centenário do nascimento de Victor de Sá, que também cedeu à UMinho uma verba para criar um Prémio de História Contemporânea, o qual soma 31 edições anuais e é o mais prestigiado do país para jovens investigadores da área.

Victor de Sá, natural de Cambeses, em Barcelos, destacou-se desde cedo em termos cívicos e foi preso oito vezes pela PIDE. Presidiu a associação de estudantes do Liceu de Braga, o Sindicato dos Caixeiros e criou a Livraria Victor – Centro Cultural do Minho e a Biblioteca Móvel (antes da Gulbenkian). Licenciou-se em Coimbra e doutorou-se na Sorbonne (Paris), mas só pôde lecionar após o 25 de Abril, nomeadamente na Faculdade de Letras da Universidade do Porto e na Universidade do Minho. Dirigiu ainda o jornal “Correio do Minho” e presidiu à Comissão de Cultura e Ambiente da Assembleia da República, sendo o primeiro deputado eleito pelo PCP pelo círculo de Braga. Em 1990, foi condecorado com a Comenda da Ordem da Liberdade.

Populares