Seguir o O MINHO

Braga

Um dos segredos mais bem guardados da arquitectura está a ser reconstruído em Ponte de Lima

Capela desenhada pedra por pedra por Tiago do Vale, arquitecto natural de Ponte de Lima, mas com atelier em Braga, que tem recebido vários prémios nos últimos anos

em

Foto: Facebook de Tiago do Vale

É um dos segredos mais bem guardados da arquitectura da região do Minho. A reabilitação de uma pequena capela, em Ponte de Lima, está a gerar burburinho nos meios arquitectónicos.

Desenhada pedra por pedra por Tiago do Vale, a capela, privada, poderá estar concluída até ao final do ano.

O arquitecto natural de Ponte de Lima, mas com atelier em Braga, revelou a O MINHO que “é um projeto que nos tem encantado porque desenhamos, obsessivamente, pedra a pedra e esperamos que possa ser usufruída em breve”.

É uma capela “privada de pequeníssima escala, muito próxima daquelas capelas românicas minhotas que todos conhecem, embora seja própria do seu tempo, mas inserida nessa tradição. Espero que esteja concluída ainda este ano”.

Sem querer adiantar mais detalhes ‘para não estragar a surpresa’, Tiago do Vale é considerado um especialista em reabilitação e tem um gosto especial pelas estruturas religiosas: “gostava de experimentar um projeto de maior dimensão”.

Mas diga-se já que a sua ambição é outra: “desde estudante que gostava de desenhar uma escola de arquitetura porque facilmente identificamos o que está bem e o que está mal e era o exercício perfeito para um recém-licenciado”.

Arquiteto de Ponte de Lima triplamente distinguido em competição de Nova Iorque

O Chalé das Três Esquinas, o Espigueiro-Pombal do Cruzeiro e a Casa de Gafarim foram os mais recentes projetos premiados a nível internacional, neste caso nos Muse Design Awards, provando que “a arquitetura portuguesa continua a estar bem cotada internacionalmente”.

Natural de Ponte de Lima

Foto: Facebook de Tiago do Vale

Apesar de ter nascido em Esposende e ter vivido o primeiro par de anos em Viana do Castelo, é na vila limiana que Tiago do Vale viveu toda a sua infância e juventude até embarcar para a Universidade.

Na infância, a primeira paixão foi a astronomia, “tinha interesse pela física e pela matemática”, e depois o design de transportes. “Eu sempre fui muito curioso. Há um bocado o mito que para a arquitetura é preciso ter interesse pelas artes e pelo desenho mas a verdade não é bem assim: é preciso ter interesse um bocadinho por tudo, ter uma curiosidade de largo espectro. E isso eu sempre tive”.

O gosto por desenhar e conceber coisas esteve sempre presente bem como o gosto de desmontar objetos. “Tinha uma paixão pelo design, pela ideia de fazer essa síntese entre a técnica e o uso ou o desenho. Interessava-me, especialmente, pelo design automóvel ou de transportes”.

O clique deu-se por volta dos 15/16 anos: “foi o lado mais pragmático a dizer-me que aquilo não era carreira em Portugal e se calhar, foi esse pragmatismo que começou a trilhar o caminho para a opção da arquitetura que era muito mais razoável”.

Coimbra

Assim como os pais e a irmã, Tiago também escolheu Coimbra para tirar o curso. Na cidade dos estudantes, o percurso académico foi “pouco convencional”.

Envolveu-se nos órgãos de gestão da universidade, foi senador, membro da Assembleia, delegado dos serviços de Acção social e vice-presidente da Associação Académica: “acabei por ter uma experiência em vários aspectos utilizáveis no mundo do trabalho e que me permitiu uma integração nesse mundo com menos ruturas e menos choques”.

Primeiro emprego: Arcos de Valdevez

Estava, no segundo ano da Faculdade, quando foi trabalhar para um gabinete de arquitectura, em Arcos de Valdevez. “A prática era estritamente profissional, estava sob a coordenação de um arquitecto, mas concebi projectos de muitos tipos desde o urbanismo até ao mobiliário urbano já com bastante autonomia”.

Portanto, “o meu contacto com o trabalho foi por um lado mais precoce e por outro mais suave e progressivo do que aquele choque normal de acabar o curso e ir para o mundo do trabalho”.

Antes de se fixar em Braga, ainda passou por Aveiro, pelo gabinete de um professor de Coimbra, mas a crise económica de 2008 fez Tiago do Vale repensar o caminho que estava a trilhar.

“O gabinete em Aveiro tinha poucas encomendas, eu tinha alguns contactos e estavam a alinhar-se algumas oportunidades aqui no Norte. Pareceu-me mais natural, e já que era o momento de aproveitar a crise, decidir vir, ficar mais perto das minhas raízes e Braga é uma escolha natural, tem um mercado de boa dimensão, é uma cidade economicamente agitada”.

Sem tema específico

Tiago do Vale é conhecido pelos trabalhos que vai fazendo na área da reabilitação mas “a verdade é que o gabinete trabalha todo tipo de programas, com todo o tipo de escalas. Não acreditamos muito na especialização”.

É que “na arquitetura não se é melhor arquitecto por se ser especialista só num tipo de arquitetura. Todas áreas e o seu conhecimento acabam por se alimentar umas às outras.

O arquiteto limiano não tem dúvidas em dizer que “hoje há mais encomendas” associadas ao aumento da construção. “Há ainda um grande hiato a preencher entre a arquitetura e a forma como ela é comunicada à sociedade, não é uma profissão que seja completamente compreendida”.

Os ‘culpados’ estão identificados: “há um certo mito, que tem a ver com uma tradição forçada no após 73, que havia técnicos não arquitetos a fazer arquitetura e isso ficou um pouco enraizado na cultura portuguesa. É um obstáculo que ainda não foi completamente ultrapassado”.

Futuro

Daqui a 20 anos, Tiago do Vale gostava de dizer que a “paisagem arquitetónica” está melhor mas “não tenho a certeza. Gostava que se compreendesse o papel que a arquitetura tem na qualidade de vida das pessoas, o impacto que tem na psicologia do ambiente. Era preciso cultivar esta ideia que a arquitetura é uma questão de saúde pública e que fosse mais fácil integrar este contributo na sociedade”.

Isso passaria pela “educação do cidadão comum”, nas escolas, “aprendendo a importância que a arquitetura tem na nossa qualidade de vida”. Um papel que seria extensível “aos arquitectos” que “como classe, precisam de mostrar o seu contributo para uma melhor sociedade”.

Anúncio

Braga

Terras de Bouro avança com a construção de novo canil

Investimento de 80 mil euros

em

Foto: Divulgação

Foi assinado o contrato para a construção de um canil municipal em Terras de Bouro, anunciou esta sexta-feira a autarquia em comunicado.

O contrato para a edificação de um centro de recolha oficial foi celebrado entre o edil, Manuel Tibo, e o responsável pela firma José Firmino Ferreira, que irá proceder à realização das obras.

Em investimento de cerca de 80 mil euros, o canil deverá ficar edificado durante os próximos 90 dias.

Este centro ficará situado na freguesia de Gondoriz, e será um alojamento oficial temporário de animais de companhia, nomeadamente cães e gatos.

Continuar a ler

Braga

Jerónimo de Sousa amanhã em Braga

Na cantina da AGERE

em

Foto: Divulgação / PCP

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP), estará este sábado na cidade de Braga para participar no habitual jantar festivo dos comunistas de Braga.

Esta ceia de Fim de Ano, como lhe chama o partido, é organizada há vários anos por cerca de duzentos “camaradas e amigos do PCP”, como dá conta a organização regional do partido, em comunicado.

A confraternização, que terá intervenção política, decorre a partir das 21:20, na cantina da AGERE, em Real, cidade de Braga.

Continuar a ler

Braga

Cães à procura de dono posam para calendário solidário em Vila Verde

As receitas visam ajudar as famílias mais carenciadas

em

Foto: Divulgação

Cães à procura de dono e filhos de funcionários municipais posaram juntos, em Vila Verde, distrito de Braga, para um calendário solidário que visa ajudar as famílias mais carenciadas e sensibilizar para a adoção responsável de animais.

Segundo fonte do município, consciencializar para os problemas dos maus-tratos e do abandono dos animais é outro dos objetivos do calendário para 2020, já à venda.

Trata-se de uma iniciativa do serviço de ação social do município de Vila Verde, que pelo terceiro ano consecutivo lançou o calendário solidário, sempre com o objetivo comum de apoiar as famílias do concelho com maior vulnerabilidade social.

Este ano, para a sessão fotográfica com 18 jovens filhos dos funcionários, foram “convocados” alguns dos 180 animais atualmente à guarda da Associação para a Defesa dos Animais e Ambiente de Vila Verde.

“Todos os animais que participaram na sessão esperam por um lar e uma família que lhes proporcione a oportunidade de serem felizes”, sublinha o município.

A sessão fotográfica decorreu nos jardins do centro de Vila Verde.

Os calendários estão à venda na câmara de Vila Verde, Loja de Turismo, Espaço Namorar Portugal, no complexo de lazer de Vila Verde, na piscina municipal da Vila de Prado e no Gabinete de Inserção Profissional da Vila de Prado.

“Ao adquirir este novo calendário solidário, está a promover a adoção responsável dos animais e a contribuir para melhorar o conforto e a qualidade de vida de algumas famílias vilaverdenses”, refere ainda o município.

Os calendários solidários para 2019 incidiram sobre a importância do brinquedo e da brincadeira, tendo também como protagonistas os filhos dos funcionários.

Na primeira edição, os modelos foram os funcionários do município, com trajes inspirados nos “lenços dos namorados”, emblemas do concelho.

Continuar a ler

Populares