Seguir o O MINHO

Guimarães

Treze anos é “claramente tempo a mais” para concluir candidatura das Nicolinas à UNESCO

Considera André Coelho Lima, líder da oposição.

em

Foto: Facebook de André Coelho Lima (Arquivo)

A coligação ‘Juntos por Guimarães’ considerou hoje que 13 anos é “claramente tempo a mais” para concluir o processo de candidatura das festas Nicolinas a património imaterial da UNESCO, considerando que “se não há vontade é preciso dizê-lo”.

Na habitual conferência de imprensa após a reunião do executivo da Câmara Municipal de Guimarães, o líder daquela coligação, André Coelho Lima (PSD) referiu que “se há questões técnicas, cientificas de análise de quem está responsável pela candidatura que devem levar a uma reponderação, elas têm que ser colocadas”.

Pinheiro abre as Nicolinas em Guimarães – há quem diga que junta 100 mil pessoas

Em resposta, pela voz da vereadora com o pelouro da Cultura, Adelina Pinto, a autarquia referiu que será apresentado dia 13 um “estudo final” sobre as festas Nicolinas (festa dos estudantes vimaranenses em honra de S. Nicolau, que dura cerca de sete dias e tem como ponto alto a noite do Pinheiro), explicando que não “há nenhuma resposta” por parte da UNESCO desde 2016, data em que foi submetida a candidatura.

“Treze anos é claramente tempo a mais. Se há questões técnicas, cientificas de análise de quem está responsável pela candidatura que devem levar a uma reponderação da parte dele, elas têm que ser colocadas e até hoje não temos conhecimento disso”, afirmou André Coelho Lima.

André Coelho Lima (PSD). Foto: Facebook

Para o vereador “é frustrante” que desde o anúncio da intenção de candidatar as Nicolinas a património imaterial da Humanidade já existam “quatro ou cinco diferentes realidades classificadas como património imaterial e as nicolinas nem a candidatura submeterem”.

“Isto é muito difícil de compreender quando foram a primeira intenção portuguesa”, disse.

Coelho Lima defendeu que “é preciso parar, tomar o processo em mãos, perceber o que vai ser feito em concreto. Se não há vontade, se têm duvidas, é preciso dize-lo. Agora estar parado (?) já parece que é um bocadinho de mais”.

A autarquia garante que a candidatura será uma realidade: “Depois (da apresentação do estudo] a seguir temos que avançar, ou não, para a candidatura sendo certo que já fizemos a proposta de inscrição no sítio da internet na UNESCO. A seguir a isto a nossa ideia é fazermos efetivamente a candidatura”, disse Adelina Pinto.

Segundo explicou a vereadora “a UNESCO está com grandes dificuldades. Há uma série de propostas o qual carece de alguma legislação complementar. Não há nenhuma resposta”.

“Da nossa parte o estudo está concluído e pronto para ser editado”, referiu.

Anúncio

Guimarães

Desnivelamento da rotunda de Silvares em Guimarães pronto dentro de um ano

Obras públicas

em

Foto: Divulgação

A obra de desnivelamento da rotunda de Silvares de acesso à A11, em Guimarães, um investimento de 3,4 milhões de euros, vai ser consignada na quarta-feira, anunciou hoje a Infraestruturas de Portugal (IP).

Em comunicado, a IP acrescenta que o prazo de execução é de 355 dias.

“Esta intervenção tem como principal objetivo a melhoria da mobilidade rodoviária, criando uma ligação direta mais eficiente da área empresarial do Avepark à rede de auto-estradas”, refere.

A IP sublinha que o nó de Silvares é um troço da ER206 que tem atualmente um “elevado” nível de tráfego, especialmente pesado, “criando fortes constrangimentos à circulação rodoviária”.

A empreitada que vai ser consignada na quarta-feira compreende o desnivelamento das vias esquerdas e do separador central da ER206, entre o nó da autoestrada e a variante de Creixomil, por forma a permitir que o tráfego de passagem possa evitar o atravessamento pela rotunda de Silvares.

O acesso à rotunda existente é mantido através das vias e bermas direitas.

“O desnivelamento do nó de Silvares integra o projeto de melhoria das condições de acesso, segurança e circulação na principal rede viária dos arredores da cidade de Guimarães”, lê-se ainda no comunicado.

O projeto foi desenvolvido em coordenação com a Câmara de Guimarães, que irá promover a construção de uma via de acesso do Avepark à EN101, complementando o empreendimento que agora vai ter início.

“A realização destes projetos irá assegurar a aproximação do Avepark aos principais de eixos rodoviários que constituem uma malha essencial para o transporte de pessoas e mercadorias, tendo como foco a A11, promovendo a conexão do território e potenciando o crescimento económico, a criação de emprego e fixação de população na região de Guimarães”, frisa a IP.

O investimento na melhoria das acessibilidades ao Avepark integra Programa de Valorização das Áreas Empresariais, que como objetivo reforçar a competitividade das empresas, potenciar a criação de emprego e aumentar as exportações.

No âmbito deste programa, a IP está a executar um conjunto de projetos de melhoria das acessibilidades rodoviárias às zonas empresariais de norte a sul do país, num investimento global de cerca de 100 milhões de euros.

Continuar a ler

Guimarães

Detido por participar em rixa em Guimarães

Vitória-FC Porto

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um jovem de 22 anos foi detido, no domingo, por participação em rixa, na Rua Dr. José Pinto Rodrigues, antes do jogo de futebol entre o Vitórias SC e o FC Porto, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o comando distrital da PSP de Braga dá conta da detenção “pela prática de crime relativo ao desporto”, apontando que o detido agrediu um adepto que se deslocava para o Estádio D. Afonso Henriques, cerca das 17:00 horas.

O detido vai ser presente no Tribunal Judicial de Guimarães.

Inserido ainda no policiamento desportivo, foram identificados três indivíduos, adeptos do Vitória, por arremesso de garrafas de água, acrescenta a polícia.

Continuar a ler

Guimarães

Vimaranenses em quarentena devido ao Covid-19 já deixaram o hospital

em

Imagem ilustrativa / DR

Os 20 cidadãos portugueses e brasileiros, entre os quais três treinadores de Guimarães, em isolamento voluntário no hospital Pulido Valente, em Lisboa, depois de repatriados da cidade chinesa onde foi detetado o novo coronavírus, já saíram das instalações hospitalares, constatou a Lusa esta tarde no local.

“A ministra da Saúde agradeceu-nos por termos ficado esse tempo todo aqui, fizemos tudo o que nos pediram, e não é fácil estar preso sem estar doente, é complicado, mas tivemos calma, e só temos de agradecer a parte deles também”, disse a brasileira Milene, em declarações aos jornalistas à saída do hospital.

“A família já pode comemorar que saímos do hospital”, acrescentou, antes de agradecer às autoridades portuguesas: “O coração hoje é totalmente português, Portugal vai ficar eternamente nos nossos corações, temos uma enorme gratidão pela humanidade e por tudo o que fizeram por nós”, disse a futebolista que joga no clube de futebol de Wuhan, a cidade da China onde foi detetado o novo coronavírus (Covid-19).

Os 18 portugueses e as duas brasileiras que estavam voluntariamente em quarentena no Hospital Pulido Valente, em Lisboa, começaram a sair pelas 15:30, de carro, e na maioria não falaram aos jornalistas, já depois de a ministra da Saúde, Marta Temido, ter saído do local, alguns minutos antes.

Desde o dia 02 de fevereiro que estas 20 pessoas estavam instaladas no Hospital Pulido Valente (Centro Hospitalar de Lisboa Norte), numa quarentena voluntária que teve essencialmente caráter preventivo.

Na sexta-feira, a Direção-Geral da Saúde (DGS) já tinha informado que estas pessoas terminariam hoje os 14 dias de isolamento, uma vez que as segundas análises laboratoriais que lhe foram feitas foram “todas negativas”.

O surto do novo coronavírus que surgiu na China teve como epicentro a cidade de Wuhan.

O coronavírus Covid-19 provocou 1.527 mortos e infetou cerca de 65 mil pessoas a nível mundial.

A maioria dos casos ocorreu na China, onde a epidemia foi detetada no final do ano.

Além de 1.523 mortos na China continental, há a registar um morto na região chinesa de Hong Kong, um nas Filipinas, um no Japão e um em França.

As autoridades chinesas isolaram várias cidades da província de Hubei, no centro do país, para tentar controlar a epidemia, medida que abrange cerca de 60 milhões de pessoas.

Em Portugal, surgiram até agora sete situações suspeitas, mas nenhum caso se confirmou.

Segundo o Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), há 44 casos confirmados na União Europeia e no Reino Unido.

Continuar a ler

Populares