Seguir o O MINHO

Alto Minho

Tony Carreira em Ponte de Lima no terceiro domingo de Agosto

em

Tony Carreira irá atuar ao vivo em Ponte de Lima no dia 21 de agosto, a partir das 22 horas.

O local escolhido para a realização do concerto do artista português foi o areal, junto ao rio Lima, naquela vila.

Esta é a primeira vez que o cantor atua na vila limiana, apesar de em 2008 ter tido um concerto agendado. Na altura o concerto acabou por ser cancelado, alegadamente por incumprimento da parte do promotor.

A entrada é grátis e são esperados muito milhares de pessoas.

António Manuel Mateus Antunes nasceu em 1963 em Pampilhosa da Serra. Com o nome artístico de Tony Carreira tornou-se na maior referência da música romântica da atualidade, em Portugal.

 

logo Facebook Fique a par das Notícias de Ponte de Lima. Siga O MINHO no Facebook. Clique aqui

Anúncio

Viana do Castelo

Acidente na Bulgária mata jovem de Viana

Acidente terá envolvido um veículo ligeiro e um autocarro

em

Foto: DR

Um português, oriundo de Viana do Castelo, morreu, esta segunda-feira, na Bulgária após um acidente de viação na província de Blagoevgrad.

Segundo o Jornal de Notícias, a vítima mortal é Nuno Barbosa, de 36 anos, residente em Meadela, naquele concelho do Alto Minho.

Com o português, viajavam mais duas pessoas que sofreram ferimentos. Uma fonte da secretária de Estado das Comunidades Portuguesas avançou que, apesar das mazelas, se encontram ambas “fora de perigo”.

Na noite de terça-feira, nas redes sociais, a onda de luto e os votos de condolência aos amigos e família do condutor português multiplicavam-se.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros prestou já as devidas condolências à família do vianense tendo disponibilizado todo o “apoio nos procedimentos inerentes à realização dos exames forenses e à trasladação do corpo para Portugal”.

Continuar a ler

Ponte de Lima

O melhor do sarrabulho em certame de Ponte de Lima

Fins-de-Semana Gastronómicos

em

Foto: Divulgação

Ponte de Lima recebe, de sexta-feira e domingo, a XIII Feira do Porco e as Delicias do Sarrabulho, anunciou a autarquia em comunicado.

O evento visa promover a gastronomia da região, uma das mais distintas em Portugal e também responsável pelo crescimento da economia local.

A iniciativa, a ter lugar no Pavilhão de Feiras e Exposições de Ponte de Lima, vai receber produtores regionais de comida e artesanato, assim como, cantares tradicionais, provas de vinho e vários workshops.

A música ficará a cargo de Bárbara Tinoco e Marco Rodrigues, figuras conhecidas da música popular portuguesa.

O município promove, para este acontecimento, alojamento local, para as noites em que decorre a feira, com 10% de desconto.

A Feira do Porco e as Delícias do Sarrabulho enquadra-se ainda nos Fins-de-Semana Gastronómicos, iniciativa promovida pelo Turismo do Porto e Norte de Portugal.

 

 

Continuar a ler

Alto Minho

Minho e Galiza unem-se para melhorar previsões e aumentar segurança de portos

Instalação e aperfeiçoamento de radares de observação

em

Foto: DR / Arquivo

Entidades do Norte de Portugal e da Galiza uniram-se para, através da instalação e aperfeiçoamento de radares de observação, melhorarem a “capacidade das previsões atmosféricas” e com isso contribuírem para uma maior segurança dos portos e da população.

“Este projeto pode melhorar e muito a capacidade operacional dos portos”, disse, em declarações à Lusa, José Carlos Matos, responsável pela área da energia eólica do Instituto de Ciência e Inovação em Engenharia Mecânica e Engenharia Industrial (INEGI), no Porto.

A parceria entre o INEGI e as várias entidades galegas surgiu há “quase 10 anos” no âmbito dos RAIA, projetos de observação oceânica de “média dimensão” que integram o Programa de Cooperação INTERREG V-A Espanha-Portugal (POCTEP) e que culminaram, agora, num projeto de maior enfoque: o “RADAR ON RAIA”.

Iniciada em julho de 2019 e financiado em mais de um milhão de euros pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), esta colaboração transfronteiriça visa “reforçar a capacidade de observação” e, com isso, “melhorar as previsões atmosféricas”.

“Quando falamos em capacidade de observação estamos a falar essencialmente de radares que nos permitem a observação de condições atmosféricas e de ondulação a uma distância elevada da costa”, explicou o responsável, adiantando que estas observações vão permitir “corrigir as previsões”.

“Ao juntarmos as observações às previsões atmosféricas, vamos poder corrigir as previsões e melhorar a sua precisão significativamente. Isto torna-se muito útil quando, por exemplo, uma autoridade portuária está a planear operações de entrada e saída de barcos”, exemplificou José Carlos Matos.

A monitorização das embarcações de pesca e de recreio, ou a organização de eventos náuticos são alguns dos exemplos e das aplicações que o projeto poderá vir a ter assim que as infraestruturas de observação oceânicas (rede de radares de alta frequência), já existentes na Galiza, começarem a ser implementadas no Norte de Portugal.

Segundo o responsável, além das duas torres de observação que já existem a sul da zona de Ovar, no distrito de Aveiro, e que vão auxiliar no processo de observação, está prevista a instalação, “até ao final do semestre”, de mais três torres meteorológicas nos portos de Aveiro, Leixões e Viana do Castelo.

“Estamos em processo de aquisição das torres e em negociações com as administrações dos portos, na tentativa de assegurar as condições logísticas necessárias para que operem sem problemas”, afirmou José Carlos Matos, fazendo referência àquela que é a tarefa do INEGI no âmbito desta colaboração transfronteiriça.

Além da criação da rede de torres, o INEGI vai desenvolver “modelos de assimilação”, tendo por base os dados provenientes dos radares, ou seja, das observações acerca de correntes, vento e ondulações, e as previsões meteorológicas, com vista à elaboração de “mapas em tempo real”.

À semelhança do INEGI, integram este projeto o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), no Porto, que vai desenvolver “uma infraestrutura de dados para receber toda a informação”, e o Instituto Hidrográfico, que é responsável pela recuperação de radares e pela compra de equipamentos.

“Tudo isto está inserido numa lógica de segurança das pessoas e dos equipamentos. Depois há outros aspetos que não decorrem do projeto em si, mas que ele adquire, que é toda esta questão de conseguirmos alimentar as previsões com observações para serem mais precisas e que podem ter um sem número de aplicações a nível de domínios que não este do mar”, concluiu José Carlos Matos.

O “RADAR ON RAIA” – que tem como coordenador o Centro Tecnológico del Mar e como parceiros galegos o Instituto tecnológico para el control del medio marino de Galicia, a Agencia Estatal Consejo Superior de Investigaciones Científicas, o Organismo Público Puertos del Estado, a Universidade de Vigo e a Universidade de Santiago de Compostela – tem uma duração prevista de 36 meses, isto é, até 2021.

Continuar a ler

Populares