Seguir o O MINHO

Braga

Terras de Bouro pede apoio para que esgotos não poluam o Cávado

Está a ser feito um estudo sobre as necessidades e seu custo, com mapas, e possíveis calendários.

em

Foto: DR/Arquivo

Estava marcada para hoje a visita do Secretário de Estado do Ambiente ao Gerês. Foi adiada, mas vai realizar-se, disse o presidente do município de Terras de Bouro, Manuel Tibo. O autarca quer apoio estatal para concluir as redes de esgotos nos vales dos rios Homem e Cávado: “há ainda esgotos a serem lançados para o rio Cávado e na albufeira da Caniçada, trazendo poluição e cheiros nauseabundos”, disse.

O pedido, que é extensivo às redes de água, vai ser feito ao Secretário de Estado do Ambiente Carlos Martins quando o governante se deslocar ao concelho.

O autarca adiantou que Terras de Bouro precisa que a Estação de Tratamento de Águas Residuais de Souto seja transferida para outro local e que a empresa Águas do Norte construa uma outra que, com os respetivos coletores, para servir as populações de Rio Caldo e de Vilar da Veiga: “há muitos lugares e ruas sem saneamento decente”, explicou.

O mesmo sucede no domínio das redes de água que ainda não abrangem a totalidade do território: “temos noção de que o Governo entende que somos um município integrado no Parque Nacional da Peneda-Gerês, pelo que não podemos viver sem estas redes” disse, frisando que, tem encontrado grande abertura no Ministério.

Sobre o volume de investimento necessário para resolver os problemas nas duas áreas, Manuel Tibo esclareceu que está a ser feito um estudo sobre as necessidades e seu custo, com mapas, e possíveis calendários.

Anúncio

Braga

Duas jovens feridas após capotamento em Braga

Em Nogueiró

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Duas jovens, com idades compreendidas entre os 20 e os 25 anos, ficaram com ferimentos na sequência de um despiste seguido de capotamento, esta tarde, em Braga, disse a O MINHO fonte dos Bombeiros Sapadores de Braga.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O sinistro deu-se por volta das 16:40 na Rua da Boavista, freguesia de Nogueiró, quando uma viatura onde seguiam duas jovens do sexo feminino terá entrado em despiste e capotado para dentro de um terreno agrícola.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Ao local acorreram os Bombeiros Sapadores de Braga com uma viatura de desencarceramento e uma ambulância, assim como os Bombeiros Voluntários de Braga com uma ambulância e a VMER de Braga.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Desconhecem-se ainda as causas do despiste.

Continuar a ler

Braga

Idosa desaparecida no monte em Braga encontrada com vida

Encontrada em Esporões

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

A mulher de 83 anos que estava desaparecida desde a passada quinta-feira, em Morreira, Braga, foi esta manhã encontrada com vida, disse a O MINHO fonte dos Bombeiros Voluntários de Braga.

A idosa, que se tinha desorientado enquanto percorria um caminho florestal, naquela região junto aos sacromontes de Braga, acabou por ser encontrada pelos Bombeiros, tendo já sido encaminhada para o Hospital de Braga.

A mesma fonte indicou que a idosa “está livre de perigo”.

Continuar a ler

Braga

Câmara de Braga avalia risco das ancoragens do Estádio Municipal

Se o seu resultado for negativo, o município segue para Tribunal contra os construtores

em

Foto: Facebook de SC Braga (Arquivo)

A Câmara de Braga está a ultimar um relatório sobre a situação das ancoragens do estádio municipal, trabalho a cargo de um perito contratado em março, precisamente para monitorizar a segurança da estrutura. Se o seu resultado for negativo, ou seja, se houver necessidade de reparação ou mudança de uma parte das mais de 400 ancoragens, o Município segue para Tribunal contra os construtores.

As ancoragens são as estruturas de aço que seguram a bancada poente do estádio – construído para o Euro 2004 e usado pelo Sporting Clube de Braga – ao muro da antiga pedreira, as quais, por sua vez, são a garantia de sustentabilidade da pala do estádio.

O perito, Carlos Quinaz, tem vindo a visitar o local, nomeadamente a bancada poente, bem como a consultar documentação sobre a construção do estádio. Ao que o MINHO soube nem toda a documentação se encontra na Câmara, por que terá, uma parte, “desparecido”, algo, outrora, relativamnete comum no Município. O especialista terá, ainda, de consultar o processo judicial do foro administrativo, interposto pelo consórcio que projetou o estádio – Souto Moura/AfaAssociados – e que se encontra no Tribunal Central Administrativo do Norte, no Porto, à espera de uma decisão sobre o recurso camarário da sentença que o condenou, no Administrativo de Braga, a pagar quatro milhões – já com juros – aquele consórcio.

Fonte ligada ao processo adiantou que, “se o relatório do perito concluir que as ancoragens, ou uma boa parte delas, têm defeitos que exijam reparação ou substituição”, a Câmara avança com uma ação em Tribunal pedindo uma indemnização ao consórcio construtor, ASSOC/Soares da Costa(originalmente com a Soares da Costa e seis empresas de Braga, três delas já falidas).

As ancoragens foram da responsabilidade deste consórcio, que encarregou a DST de as colocar em 2003. Em 2015, as peritagens feitas ao local, deteteram problemas em 23, tendo as mesmas sido alteradas pela própria DST. Esta construtora tem dito que as estruturas estão,
na generalidade, capazes, sendo os defeitos encontrados fruto do natural desgaste do tempo. Nega, por isso, qualquer anomalia de construção ou colocação.

Afaconsulting alerta para perigo

Em 2015, menos de dois anos após ter tomado posse, o presidente da Câmara Ricardo Rio foi confrontado com um relatório da empresa AfaConsulting, encarregada pelo executivo anterior de Mesquita Machado de monitorizar todo o estádio, de que havia as tais 23 ancoragens «estragadas», devido a corrosão, e avisando para que outras iriam deteriorar-se. Falava mesmo em “perigo” e em eventual necessidade de, um dia, vir a ser necessário “evacuar o estádio”.

O autarca mandou reparar as ancoragens, para o que pagou 500 mil euros. E tem dito que a situação está controlada não havendo perigo.Fonte ligada ao processo disse que, na ocasião, o sistema de monitorização digital da estrutura, que estava ligado a um computador
municipal e a outro na AfaConsulting deixara de funcionar. Algo que – disse ao MINHO – o vice-presidente da Câmara, Firmino Marques – já foi retificado estando, agora, o sistema, a funcionar com normalidade.

Mais dinheiro para o estádio

Contactado a propósito, Ricardo Rio disse apenas que a Câmara defende os seus interesses legítimos, confirmando que instruiu o advogado Fernando Barbosa e Silva para instaurar a ação. Este – ao que soubemos – aguarda o dito relatório para o fazer. Uma outra fonte disse a O MINHO que, além de eventuais problemas ligados ao emprego de técnicas deficientes na colocação das ancoragens, estas estão sujeitas ao esforço mecânico provocado pelas palas de cimento do estádio, que atingem milhares de toneladas. Acrescenta que a degradação deve continuar. A solução seria a sua substituição total (20 milhões de euros) ou a retirada das palas em cimento, substituindo-as por outras de materiais mais leves.

A Câmara já perdeu, no Tribunal Administrativo, duas ações postas pela ASSOC, consórcio em que a Soares da Costa tem 40 por cento. A primeira, de quatro milhões já foi liquidada pela Autarquia, mas a segunda, num montante, que pode chegar aos dez milhões, transitou, agora, em julgado. O Município terá, assim, de negociar o valor a pagar e a forma de o fazer, para não ser penhorado.

Para não pagar, e se vier a colocar a ação das ancoragens, a Câmara pode pedir ao Tribunal um compasso de espera, argumentando que, eventualmente terá alguns milhões a receber, pelo que – e explicando a situação em termos não-jurídicos será melhor que, no final, se faça um “encontro de contas”.

Referendo

Recorde-se que, e atendendo aos custos do estádio, que já terão chegado aos 180 milhões de euros, mas os da sua manutenção anual, Ricardo Rio avançou com a decisão de fazer um referendo aos municípes sobre a possibilidade de o vender.O ato, a realizar-se, só pode ocorrer após as eleições legislativas, ou seja, na prática, no princípio de 2020.

Continuar a ler

Populares