Seguir o O MINHO

País

Suspensão da vacina da AstraZeneca foi decisão de saúde pública

em

A diretora-geral da Saúde afirmou hoje que a utilização da vacina da AstraZeneca contra a covid-19, que será retomada segunda-feira, foi suspensa por uma decisão de saúde pública.

“Foi uma decisão de saúde pública. Há uma coisa que se chama o princípio da precaução em saúde pública. Na dúvida, fez-se uma pausa”, assegurou Graça Freitas, numa conferência de imprensa conjunta com os responsáveis da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde (Infarmed) e da `task force´ que coordena o plano de vacinação.

Segundo a diretora-geral da Saúde, esta pausa da utilização da vacina da AstraZeneca é “facilmente recuperável e não vai impactar significativamente no esforço de vacinação”.

“Foi uma decisão tomada por dois organismos técnicos: a DGS e o Infarmed, por princípio da precaução em saúde pública”, reiterou.

Graça Freitas falava horas depois de a Agência Europeia do Medicamento (EMA) ter assegurado que a vacina da AstraZeneca contra a covid-19 “é segura e eficaz”, não estando também associada aos casos de coágulos sanguíneos detetados, que levaram à suspensão do seu uso.

“O Comité de Avaliação dos Riscos em Farmacovigilância chegou a uma clara conclusão na investigação dos casos de coágulos sanguíneos: esta é uma vacina segura e eficaz”, declarou a diretora executiva da EMA, Emer Cooke, falando em videoconferência de imprensa a partir da sede do regulador, em Amesterdão.

A posição da EMA surge depois de nos últimos dias vários países europeus, incluindo Portugal, terem decidido por precaução suspender a administração da vacina da AstraZeneca após relatos de aparecimento de coágulos sanguíneos e da morte de pessoas inoculadas com este fármaco.

EM FOCO

Populares