Seguir o O MINHO

Caminha

Stoned Jesus, Giöbia e Solar Corona fecham cartaz do Sonic Blast Moledo em agosto

08, 09 e 10 de agosto, em Caminha

em

As bandas Stoned Jesus, Viaje a 800, Giöbia e Solar Corona estão entre as últimas confirmações para o festival Sonic Blast, que vai decorrer de 08 a 11 de agosto, em Caminha, anunciou hoje a organização.

As bandas portuguesas O Bom O Mau e o Azevedo, do Porto, e Mr. Mojo, de Braga, e os espanhóis Here The Captain Speaking The Captain is Dead fecham a programação dos três dias no Centro Cultural de Moledo, no distrito de Viana do Castelo, tendo sido cancelados The Obsessed e Harsh Toke.

O diretor artístico, Ricardo Rios, destaca, das bandas anunciadas, os Stoned Jesus, fundados em 2009, em Kiev, na Ucrânia, que lançaram álbuns como “First Communion”, de 2010, “Seven Thunders Roar”, de 2012, e, o último, “Pilgrims”, lançado no ano passado.

As últimas confirmações juntam-se a nomes como OM, Graveyard, Earthless, Eyehategood, Orange Goblin, Windhand, My Sleeping Karma, Dopethrone, Minami Deutsch e Zig Zags no cartaz da edição deste ano.

“Esta 9.ª edição é bastante especial para nós, não só pelo cartaz, mas pelo terceiro dia de festival, algo que já ambicionávamos há bastante tempo”, disse Ricardo Rios à agência Lusa.

O festival de rock psicadélico e ‘stoner rock’ conta, pela primeira vez, com três dias de programação, devido ao crescimento do Sonic Blast nas últimas edições, lê-se em comunicado.

Os The Obsessed, um dos cabeça-de-cartaz, cancelaram a atuação no festival “por motivos alheios à organização”, à semelhança de Harsh Toke, provenientes de San Diego, na Califórnia.

Questionado sobre as alternativas possíveis ao concerto dos The Obsessed, Ricardo Rios refere que, apesar dos cancelamentos, estão “satisfeitos com este cartaz final”.

Os passes gerais para o festival esgotaram “em muito pouco tempo”, estando apenas disponíveis bilhetes para os dias 08 e 09.

Os bilhetes diários para o dia 10, onde irão atuar os norte-americanos OM e nomes como Maggot Heart, Cardiel, Giöbia, Toundra, Sacri Monti, já estão, também, esgotados.

“Ao longo destes nove anos, temos vindo a esgotar os passes rapidamente. E com um cartaz como este, com OM e Orange Goblin, por exemplo, seria de prever que as coisas seguissem o mesmo caminho”, referiu o diretor artístico.

“Desde o princípio que notamos um grande interesse por parte das pessoas, tanto que vendemos muitos bilhetes para o estrangeiro, fora da Península Ibérica, como a Alemanha, Austrália, Estados Unidos, França, Inglaterra”, acrescentou à Lusa.

Os últimos bilhetes para os dias 08 e 09 de agosto custam 35 euros, com acesso gratuito ao parque de campismo, situado junto à praia de Moledo.

Anúncio

Caminha

The Cult e Manic Street Preachers marcam primeiro dia do festival Vilar de Mouros

Therapy?, The Wedding Present e o português Tape Junk no palco secundário

em

Foto: DR/Arquivo

O festival Vilar de Mouros arranca hoje com The Cult, Manic Street Preachers e Anna Calvi como cabeças de cartaz, enquanto Therapy?, The Wedding Present e o português Tape Junk, no palco secundário, compõem o primeiro dia.

Depois de um interregno entre 2006 e 2014, o festival recuperou a periocidade graças a uma aposta em bandas históricas e num ambiente familiar, pronto para receber as mesmas gerações que participaram no evento na última metade dos anos 1990.

Para esta edição, a abertura vai ficar a cargo dos Tape Junk, projeto liderado por João Correia, que regressa após a criação dos They’re Heading West. Depois do disco homónimo de 2015, a banda voltou aos álbuns com “Couch Pop”, em março, uma mistura de sonoridades entre Paul McCartney, Sly and The Family Stone, Shuggie Otis e Harry Nilsson, a ser apresentado a partir das 19:30.

Uma hora depois, seguem-se os britânicos The Wedding Present, do guitarrista e vocalista David Gedge, o único elemento fundador do grupo que tem mais de 30 anos de existência e nove trabalhos editados, o último deles em 2016, intitulado “Going, Going…”.

A inauguração do palco principal cabe a Anna Calvi, a artista inglesa que se estreou em disco com o homónimo de 2011 e lançou o longa-duração “Hunter”, em 2018, nomeado para álbum britânico do ano. Calvi chega a Vilar de Mouros depois de compor a banda sonora da quinta temporada da série “Peaky Blinders”, recentemente estreada no Reino Unido.

Os Therapy? regressam a Portugal para fechar o palco secundário, às 22:40, no ano em que o grupo norte-irlandês comemora 30 anos de carreira, espalhada por 15 discos, dos quais o último, “Cleave”, foi lançado em 2018. O grupo atua em substituição de Killing Joke, que cancelaram o concerto no final de junho.

A seguir sobem a palco os galeses Manic Street Preachers, um dos nomes mais aguardados desta edição, à boleia de “Resistance is Futile”, de 2018, o último trabalho do trio inglês, aclamado por crítica e público.

Às 01:30, os igualmente britânicos The Cult regressam ao país para fechar o primeiro dia do evento, num concerto que se prevê ser uma celebração do ‘post-punk’ e ‘hard-rock’ da banda de Ian Astbury e Billy Duffy, ao som de temas como “She Sells Sanctuary”, “Love Removal Machine” ou “Fire Woman”.

O festival Vilar de Mouros prossegue até sábado e vai receber nomes como The Offspring, Skunk Anansie, Prophets of Rage, Gogol Bordello, Gang of Four, Sisters of Mercy ou ainda os portugueses Linda Martini e Jarojupe.

Continuar a ler

Alto Minho

Vilar de Mouros: Novo palco e mais área de lazer

Festival começa esta quinta-feira

em

Foto: Facebook de EDP Vilar de Mouros / Arquivo

O festival de Vilar de Mouros começa, quinta-feira, com novo palco e áreas de lazer alargadas para receber mais pessoas naquela que a organização estima vir a ser “das maiores edições” a que a aldeia de Caminha assistiu.

“Vamos ter um recinto mais alargado, com dois palcos, o EDP e o Meo. O palco Meo vai complementar as atuações do palco EDP. Não vamos ter atuações em simultâneo nos dois, mas sim uma circularidade muito maior no recinto, o que vai criar maior dinâmica no festival”, disse hoje à Lusa Diogo Marques, da organização.

O responsável apontou, entre as novidades da edição 2019, o aumento da área do recinto dos concertos, para os 20.000 metros quadrados e da zona de campismo, para acolher mais mil tendas.

“Estamos a contar receber mais pessoas e, por isso, temos de ter condições de conforto para as receber”, revelando também que, “pela primeira vez, na zona franca, exterior ao recinto, haverá sessões ‘after-rock’ até às 04:00”.

Em 2018, segundo números da organização, mais de 30.000 espetadores marcaram presença nos três dias do festival.

Sobre o cartaz do festival, Diogo Marques disse estar “repleto de reencontros com músicas de outros tempos, que marcaram gerações e também com alguns nomes atuais como Anna Calvi e os Linda Martini”.

“Tentamos com este grande cartaz atrair avós, pais e netos. Estamos a contar com uma pré-venda de bilhetes praticamente com o dobro de pessoas que em edições anteriores. O recinto está praticamente cheio. Nos próximos dias, por norma, vendemos mais bilhetes e podemos esgotar, a qualquer momento, os passes, ou os bilhetes para algum dos dias. Estamos muito próximo disso. Esperamos, se não o maior festival de sempre, uma das grandes edições de Vilar de Mouros”, destacou.

Imagem: Divulgação

O festival começa na quinta-feira e prolonga-se até sábado, com os The Cult a atuarem no primeiro dia, juntamente com os Tape Junk. Os Jarojupe, “a mais antiga banda de rock minhota”, tocam no último dia.

Estes três nomes juntam-se a um cartaz que integra, entre outros, Manic Street Preachers, Anna Calvi, The Offspring, Skunk Anansie, Linda Martini, The Wedding Present, The Sisters Of Mercy, The House Of Love, Gang Of Four e Fischer-Z, repartidos pelos dois palcos.

Segundo a organização, no primeiro dia do festival atuará a Sociedade Musical Banda Lanhelense.

As “zonas de lazer, os balouços sobre o rio Coura, a praia fluvial com Bandeira Azul, as bicicletas gratuitas para passeios entre o recinto do festival e a vila de Caminha melhores acessos para pessoas com mobilidade reduzida” são outras das apostas.

À Lusa, o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, disse esperar “o maior festival desde o seu último regresso e um dos maiores de sempre”.

“Todos os números que temos – venda de bilhetes, procura de casa para os dias do evento, hotéis cheios, interações nas redes sociais – apontam para a possibilidade de termos três dias de muita música, mas também de muita gente. Se o ritmo de aquisição de bilhetes se mantiver, qualquer um dos dias terá sempre mais público que qualquer dos dias das últimas quatro edições. Vamos encher e já tomamos várias medidas para precaver os desafios que daí resultam”, referiu.

O autarca socialista explicou que o município “investiu mais em infraestruturas”, apontando “a criação do segundo palco, o aumento do parque de campismo, da zona restauração e o reforço da iluminação”.

O primeiro festival de música do país, que ainda hoje goza da fama do “Woodstock” à portuguesa, sofreu um interregno de oito anos, entre 2006 e 2014.

À mítica edição de 1971, lançada pelo médico António Barge, com a presença, entre outros, de Elton John e Manfred Mann, sucederam-se nas últimas décadas avanços e recuos na organização do evento que ressurgiu em 2016.

Continuar a ler

Caminha

População de três freguesias em Caminha concentra-se para exigir permanência de padre

Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros

em

Foto: DR

As populações de Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros, em Caminha, convocaram para domingo uma concentração pacífica para exigir a permanência do pároco local a quem a diocese de Viana do Castelo terá comunicado a mudança, em setembro, para Valença.

A iniciativa de apoio à permanência do padre de 36 anos partiu de um grupo de jovens da freguesia de Seixas, uma das mais populosas do concelho de Caminha. Na sexta-feira, os jovens lançaram uma petição online para enviar ao bispo da diocese de Viana do Castelo, já assinada por cerca de 700 pessoas, e criaram uma página nas redes sociais, intitulada “Fica Padre Ricardo Esteves”, onde apelam à mobilização dos paroquianos.

As freguesias de Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros têm cerca de 3.246 habitantes.

GRANDE CONCENTRAÇÃO DE APOIO À PERMANÊNCIA DO PADRE RICARDO ESTEVES NAS PARÓQUIAS DE SEIXAS LANHELAS E V.MOUROSAmigos…

Publicado por Fica Padre Ricardo Esteves em Sexta-feira, 9 de agosto de 2019

“O padre Ricardo Esteves está perfeitamente integrado nas paróquias e durante os últimos dez anos em que esteve à frente das mesmas conseguiu agregar e chamar muitos cristãos que, embora o sendo, estavam afastados da igreja. Não nos conformamos com esta decisão e lutaremos até ao fim para que a mesma seja revogada”, lê-se na petição que será enviada ao bispo Anacleto Oliveira.

Contactada pela agência Lusa, fonte do secretariado diocesano de Viana do Castelo informou que o bispo Anacleto Oliveira “não faz qualquer comentário sobre o assunto”.

A Lusa tentou ouvir o padre Ricardo Esteves, mas sem sucesso.

As nomeações sacerdotais são habitualmente realizadas antes do início do novo ano pastoral, em setembro.

No texto que acompanha a recolha de assinaturas pela permanência do padre Ricardo Esteves, os paroquianos dizem “não se conformarem” com a sua substituição e apelam ao bispo “que repense e volte atrás na decisão de o transferir para outra paróquia”.

“Queremos que ele permaneça à frente das obras sociais e projetos que tem vindo a desenvolver junto da comunidade, e que são muitos, sendo os mesmos transversais a todas as idades, com especial destaque para os jovens”, reforça o documento.

Alertam o bispo da Diocese de Viana do Castelo para os efeitos da saída do padre: “Com a sua decisão de o retirar para outra paróquia corremos o risco de vermos afastados muitos fiéis, principalmente jovens que veem no padre Ricardo um exemplo de bondade e solidariedade para com os outros”.

“Queremos que continue a traçar connosco este caminho de fé que ao longo de 10 anos construímos juntos”, reforça o texto da petição.

Na página criada no Facebook, os paroquianos apelam a uma “grande” participação na concentração que tem início marcado para as 09:00 junto à igreja paroquial de Vilar de Mouros.

Os participantes chegarão cerca das 10:00 à freguesia de Lanhelas, sendo que a ação terminará em Seixas pelas 11:00, com “uma concentração com todas as freguesias no Largo de São Bento”.

“Está na hora de todos nos unirmos e mostrarmos que juntos podemos e somos fortes. Não se esqueçam que a união faz a força. Vamos todos gritar bem alto para que o Senhor bispo ouça, em Viana do Castelo, que o padre Ricardo fica porque é essa a nossa vontade”, sublinha o apelo do grupo de jovens de Seixas.

Além das três freguesias de Caminha, em Viana do Castelo, a população de Santa Leocádia de Geraz do Lima, “opõe-se completamente” à nomeação do novo pároco indicado há três meses pela diocese.

Na terça-feira, no final de uma reunião que juntou, “cerca de 400 habitantes”, o porta-voz dos paroquianos, Agostinho Lima disse à Lusa ter sido aprovada “uma carta aberta a enviar a todos os órgãos eclesiásticos quer em Portugal, quer em Roma”.

“No documento, a população opõe-se completamente à nomeação do padre Adão Lima. Se a diocese [de Viana do Castelo] insistir e indicar uma data para a tomada de posse do novo padre, a população não irá comparecer, nem quer ser informada dessa tomada de posse”, afirmou Agostinho Lima.

O porta-voz declarou que “se a diocese não recuar, a freguesia prefere continuar sem padre”.

O impasse na paróquia de Santa Leocádia de Geraz do Lima, com cerca de dois mil habitantes e 1.150 eleitores, situada a cerca de 20 quilómetros da cidade de Viana do Castelo, arrasta-se há três meses na sequência da morte do pároco anterior, João Cunha, e da nomeação, pela diocese, do sucessor, padre Adão Lima.

“Qualquer outro padre será bem recebido, menos o que foi nomeado pela diocese”, sustentou na ocasião o porta-voz dos paroquianos.

Continuar a ler

Populares