Seguir o O MINHO

Futebol

Sporting alcança maior goleada fora da temporada – resumo

32.ª jornada da I Liga

em

O Sporting impôs hoje ao Belenenses a maior goleada de sempre em casa, ao vencer por 8-1 na 32.ª jornada da I Liga de futebol, com três golos de Bruno Fernandes, em jogo marcado pela expulsão de Muriel.

O cartão vermelho mostrado ao guarda-redes definiu o rumo da partida, em que Gudelj e Doumbia se estrearem a marcar pelo Sporting e Bas Dost voltou ao ativo. O avançado holandês, que não jogava desde 15 de março, regressou e fez o seu 15.º golo no campeonato.

Com este resultado, o Sporting soma o décimo jogo consecutivo a vencer (13 sem perder em todas as competições), e capitaliza a derrota do SC Braga diante do Marítimo (1-0), confirmando não só o terceiro lugar da I Liga, como mantém ainda a possibilidade matemática de chegar à segunda posição.

O guarda-redes do Belenenses ficou diretamente ligado ao descalabro da equipa orientada por Jorge Silas. Primeiro porque ofereceu a bola a Raphinha, no golo inaugural, 10 minutos, e depois ao ser expulso por derrubar o brasileiro, em cima da linha da grande área e em posição frontal à baliza, aos 21.

A jogar com mais um jogador durante 72 minutos, tempo de compensação incluído, o Sporting, que para este jogo fez duas alterações no ‘onze’ inicial em relação do triunfo sobre o Vitória de Guimarães (2-0) – Doumbia e Diaby cedem os lugares a Borja e Gudelj -, empurrou o Belenenses para trás da linha de meio-campo e depois apareceu Bruno Fernandes.

O capitão dos ‘leões’, que não conseguiu acertar no alvo aos 25, 28 e 29 minutos, serviu Luiz Phellype para o 2-0, em cima do intervalo (45+1), num lance em que o guarda-redes Guilherme Oliveira pareceu mal batido.

O Belenenses reagiu e fez o golo de honra por intermédio de Licá, aos 61 minutos, depois de um mau passe de Mathieu. A bola sobrou para Ljujic, que rematou para defesa incompleta de Renan Ribeiro. Na recarga o avançado só teve de encostar para o fundo das redes, marcando o 10.º golo na I Liga.

A alegria durou apenas quatro minutos. Depois foi a hecatombe. O campo ganhou inclinação tal que pareceu que cada remate à baliza de Guilherme Oliveira acabava por abanar a rede. Em 25 minutos o Sporting marcou seis golos.

Gudelj estreou-se a marcar na I Liga, aos 65, com um remate em que a bola ainda desviou em André Santos e enganou o guarda-redes.

Sagna, aos 68, derrubou Luiz Phellype na grande área. O árbitro lisboeta João Capela assinalou grande penalidade. Bruno Fernandes encarregou-se da cobrança e fez o 4-1 (70). O capitão do Sporting acabaria por bisar, aos 75, depois de Luiz Phellype ter roubado a bola a Guilherme Oliveira.

Com o resultado tão avolumado, o treinador Marcel Keizer aproveitou para colocar em campo Bas Dost, aos 76 minutos, e poucos segundos depois o avançado holandês, que regressou de lesão, fez o 6-1, depois de um remate seu defendido para frente pelo guarda-redes belenense.

Aos 84 minutos, o inevitável e inigualável Bruno Fernandes fez o ‘hat-trick’, com um pontapé à meia volta, na sequência de um cruzamento de Acuña, somando 31 golos na conta pessoal – 19 no campeonato -, o que espelha toda a influência que tem no Sporting.

Antes do apito final, tempo ainda para Doumbia selar o resultado. Bruno Fernandes endossou a bola a Diaby, que a recebeu e serviu o marfinense para o 8-1, escrevendo também pela primeira vez o nome na lista de marcadores na I Liga.

Anúncio

Futebol

Bruno Fernandes é “intocável” no Sporting frente ao Moreirense

13.ª jornada da Liga

em

Foto: Divulgação

O treinador do Sporting assumiu hoje que Bruno Fernandes é “intocável” no conjunto de Alvalade, por ser um “fora de série”, e desvalorizou as críticas que o médio faz à equipa dentro e fora das quatro linhas.

Ao comentar a competitividade interna do plantel dos ‘leões’, em Alcochete, na conferência de imprensa de lançamento do jogo frente ao Moreirense, da 13.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, Jorge Silas saiu em defesa do ‘capitão’ de equipa e referiu mesmo que “queria mais jogadores assim”.

“Precisamos de mais jogadores participativos, que o futebol é mesmo assim. Eu, quando jogava, estava sempre a falar. O futebol é isto, não é não podermos ajudar o colega e criticar no bom sentido. Precisamos é de mais gente como o Bruno”, elogiou o técnico dos ‘verde e brancos’.

Ainda no plano individual, Silas garantiu que não sente necessidade de falar com Acuña por causa do seu temperamento, que lhe tem custado algumas ações disciplinares por parte dos árbitros, mas assumiu que o argentino tem de “gerir de forma superior as suas emoções”.

“Tem 29 anos e percebe perfeitamente que se prejudica a ele, à equipa [do Sporting] e à seleção [da Argentina]. Mas quando cumprir o castigo, voltará à equipa com normalidade”, garantiu o treinador ‘leonino’.

Sem poder contar com o lateral argentino, Silas assumiu que a titularidade nessa posição será de Borja, referindo que acredita num “bom jogo” do colombiano, e desvendou que Battaglia estará de regresso à convocatória, no domingo, após um longo período de recuperação de uma lesão.

Por outro lado, recusou-se a desvendar se será Renan Ribeiro ou Luís Maximiano a defender as redes dos ‘leões’ frente aos ‘cónegos’.

“Quando aqui cheguei, tinha a sensação que só podia jogar o Renan, agora tenho a sensação de que podem jogar os dois e isso é bom para nós”, justificou o técnico.

Sobre o adversário de domingo, Silas elegeu “a transição ofensiva” como o ponto mais forte de uma equipa que está a fazer um campeonato “dentro das expectativas”, graças a um “bom trabalho do treinador”, mas sublinhou que quer o Sporting a “jogar para ganhar”.

O técnico assumiu ainda que a sua equipa tem de ser “mais assertiva” no plano defensivo, uma vez que perdeu, devido a erros defensivos, alguns jogos que até dominou, como frente ao Tondela e ao Gil Vicente.

“Há erros que são maus e não os podemos cometer. Até podemos sofrer golos, mas desta forma não podem acontecer, porque não estão no guião”, lamentou Jorge Silas.

O Sporting, quarto classificado, com 20 pontos, recebe no domingo o Moreirense, 11.º, com 14, em encontro da 13.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, agendado para as 17:30.

Continuar a ler

Futebol

Vítor Oliveira rejeita deslumbramento do Gil Vicente frente ao Rio Ave

13.ª jornada da Liga

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O treinador Vítor Oliveira recusou hoje que o momento de forma do Gil Vicente tenha influência na visita ao Rio Ave, na segunda-feira, no encontro de encerramento da 13.ª jornada da I Liga de futebol.

“O jogo com o Moreirense tem sido bem recordado esta semana [derrota por 3-0 na segunda ronda]. Se voltarmos a entrar em ‘bicos de pés’, não foi por falta de aviso. A nossa equipa ainda tem pouca raiz e a qualquer momento pode soltar. No plano individual, não somos os melhores, mas coletivamente podemos ser muito mais fortes”, analisou o técnico, na conferência de antevisão ao duelo, no Estádio Cidade de Barcelos.

Em plena série de três vitórias consecutivas no campeonato, intercalada com a eliminação das duas taças nacionais, os minhotos escorregaram em Moreira de Cónegos logo após terem derrotado o FC Porto (2-1), na jornada inaugural, situação que Vítor Oliveira quer evitar na ressaca do triunfo caseiro sobre o Sporting (3-1).

“Há sempre o perigo de isso acontecer, mas só por burrice poderíamos cometer um erro semelhante. Esta onda de vitórias dá ânimo e confiança aos jogadores para exteriorizarem melhor as suas capacidades e, frente ao Sporting, tivemos uma resposta que foi muito satisfatória. Queremos manter estes resultados, que facilitam o nosso trabalho”, assumiu.

Vítor Oliveira elogiou o Rio Ave, uma “belíssima equipa, com processos bem trabalhados e um pouco aquém em termos pontuais”, que só será ultrapassada com um Gil Vicente “ao melhor nível” e a procurar “discutir o jogo”.

“Em casa, somos muito mais fortes, mas ganhar fora é agradável e nem sempre conseguimos isso. Queremos pontuar mais vezes fora e manter uma média pontual equilibrada, que nos permita andar no meio da tabela. Mas, se continuarmos assim, estamos no bom caminho”, vaticinou.

Os dois emblemas encontraram-se na foz do Ave para o campeonato por nove ocasiões, originando quatro triunfos vila-condenses, três vitórias minhotas e duas igualdades.

O Gil Vicente, oitavo colocado, com 16 pontos, visita o Rio Ave, na nona posição, com 15, na segunda-feira, às 20:15, no Estádio do Rio Ave FC, em Vila do Conde.

Continuar a ler

Futebol

Ivo Vieira só pensa em vencer Portimonense “forte”

13.ª jornada da Liga

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

O treinador Ivo Vieira prometeu hoje um Vitória SC concentrado em somar três pontos frente a um Portimonense com qualidade, em partida da 13.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, agendada para domingo.

Apesar de somarem três jogos sem vencer no campeonato, que ditou a queda para o sétimo lugar (17 pontos), os vimaranenses chegaram à liderança do Grupo B na Taça da Liga na quarta-feira, após o triunfo no reduto do Vitória de Setúbal por 2-0, resultado que, para o técnico, dá “confiança” para a receção aos algarvios.

“Isso abre um espaço de maior confiança para o desempenho dos atletas, mas temos de nos concentrar para o jogo com uma equipa forte, com boas individualidades. Vamos correr atrás dos três pontos. Não passa outra coisa pela cabeça dos nossos atletas e da nossa estrutura”, reiterou, na conferência de antevisão ao embate com início às 15:00 de domingo, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Apesar de ocupar o 15.º lugar, com 11 pontos, o Portimonense atravessa um ciclo de três jogos sem perder e, para o ‘timoneiro’ vitoriano, é um conjunto que “procura jogar bem”, que se distingue pela “muita gente” que coloca no processo ofensivo e com que ataca a baliza adversária, apesar de ter “bons elementos” no setor defensivo.

“Em termos de espetáculo, vai ser rico, porque são duas equipas que querem ganhar. Perspetiva-se um Portimonense a querer ganhar o jogo, a criar-nos dificuldades, mas confiamos muito no que queremos fazer”, antecipou.

A turma minhota venceu em Setúbal, para a Taça da Liga, num jogo em que apresentou nove alterações face ao ‘onze’ que alinhara no embate anterior, também com os sadinos, para a 12.ª jornada do campeonato (1-1), mas Ivo Vieira recusou possíveis ‘dores de cabeça’ quanto às escolhas a fazer para domingo, até porque dispõe de “um plantel competitivo e equilibrado”.

O treinador admitiu que a componente física foi essencial para essa renovação no ‘onze’, já que, em menos de uma semana, a sua equipa recebeu o Standard de Liège, para a Liga Europa (1-1), num duelo com muita chuva, e jogou, domingo, no Estádio do Bonfim, um recinto em que o relvado obriga a “um grande esforço físico”.

“A mesma equipa fez os dois jogos. Tinha de refrescar a equipa e ter outras opções. Ao terceiro jogo, poderia haver uma quebra física”, reconheceu.

Questionado sobre a importância do encontro com os algarvios, para se manter no ‘comboio’ dos lugares europeus, Ivo Vieira frisou que só um terço do campeonato está concluído, mas lembrou que os vimaranenses jogam sempre para ganhar e para subir na tabela, estejam em “segundo, terceiro, quinto ou sétimo”.

O Vitória, sétimo classificado, com 17 pontos, recebe o Portimonense, 15.º, com 11, em partida da 13.ª jornada da I Liga, agendada para as 15:00 de domingo, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães.

Continuar a ler

Populares