Seguir o O MINHO

Futebol

SC Braga condenado, pela quarta vez, a pagar 800 mil a ex-diretor do Bingo

Decisão do Tribunal de Trabalho

em

Foto: Facebook de SC Braga

No final de novembro, o Tribunal da Relação de Guimarães indeferiu o recurso do SC Braga da decisão do Tribunal de Trabalho de Braga que rejeitou um outro recurso de revisão extraordinária do acórdão da Relação de Guimarães que condenou o clube a pagar aquela verba ao antigo diretor do bingo, Sebastião Carvalho.

Verba que deve chegar aos 800 mil já que lhe que acrescem juros desde o despedimento em 2008. Mas, a coletividade desportiva ainda pode
fazer novo recurso. O advogado do queixoso, Nuno Albuquerque, contactado por O MINHO, não comenta.

“O recorrente limita-se a considerações genéricas, gastando a maior parte das alegações a comentar a prova sem que tenha cumprido a tarefa primordial de identificar discriminadamente os concretos pontos de facto da sentença alegadamente mal julgada”, escrevem os juízes da Relação.

O SC Braga havia sido condenado em 2015 a pagar 792 mil, mais juros, ao ex-diretor, mas esta sentença foi parcialmente revogada pelo Tribunal da Relação de Guimarães que fixou a indemnização em 648 mil, mais juros.

Recibo falso?

Depois disso, o clube detetou uma alegada falsidade do recibo de vencimento de fevereiro de 2006, no montante de 6.069 euros, pelo que pediu uma revisão extraordinária da sentença alegando que tal o prejudica em 396 mil euros.

O tribunal procedeu, em 2018, ao julgamento da reclamação concluindo que não se conseguiu provar a alegada falsidade do documento.

O juiz deu, de novo, como provado que a remuneração-base do ex-responsável era de 6.069 euros, o qual ainda recebia diuturnidades de 122,50 e subsídio de alimentação, de 178,25.

Antes, o Braga havia prestado uma caução em tribunal para evitar que a Taça de Portugal, conquistada em 1966, fosse penhorada à ordem do processo. O que não chegou a acontecer.

O bingo fechou em 2008, por acumulação de prejuízos, tendo o seu ex-diretor pedido dois milhões de euros de indemnização.

O caso foi para o Tribunal de Trabalho, onde lhe foi dada razão e a sete outros funcionários.

Estes chegaram a acordo com a direção, tendo três sido reintegrados.

Anúncio

Futebol

Vitória derrotado e ultrapassado pelo Rio Ave

18.ª jornada da I Liga

em

Tapsoba marcou. Foto: Twitter (Arquivo)

O Vitória perdeu hoje, por 1-2, na receção ao Rio Ave, em jogo da 18.ª jornada da I Liga, em que foi ultrapassado pelo adversário na classificação.

Em Guimarães, a equipa de Vila do Conde chegou ao intervalo a vencer, por 0-2, depois de ter marcado dois golos em três minutos. Diego Lopes, aos 38, e Matheus Rei, aos 40, foram os marcadores.

O golo do Vitória apareceu aos 75 minutos, por João Pedro.

Com este resultado, os vitorianos passam a ocupar o sétimo lugar da I Liga, com 25 pontos, menos três que o adversário de hoje, que somou a terceira vitória consecutiva e subiu à quinta posição. Entre os dois, está o SC Braga, em sexto, com 27 pontos (menos um jogo). Os arsenalistas só jogam na quarta-feira, em Moreira de Cónegos.

Continuar a ler

Futebol

SC Braga devia Taça da Liga à cidade

Vencedores recebidos na Câmara

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O presidente do SC Braga, António Salvador, disse hoje que a equipa devia à cidade a conquista da Taça da Liga de futebol e o treinador, Rúben Amorim, avisou que os ‘arsenalistas’ voltam agora à “estaca zero”.

“Devíamos isto à cidade depois de nos últimos dois anos não termos conseguido conquistar a Taça da Liga, à terceira foi de vez, os adeptos e os bracarenses bem merecem. Vir mais vezes à câmara [municipal de Braga] festejar é um hábito que queremos ter”, salientou.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O presidente dos minhotos falava à margem da cerimónia de homenagem na Câmara Municipal de Braga pela conquista da segunda Taça da Liga da história do clube, após a vitória por 1-0, no sábado, diante do FC Porto, com um golo de Ricardo Horta já nos descontos (90+5 minutos).

A comitiva do SC Braga foi recebida por cerca de meio milhar de sócios e adeptos que, no final, voltaram a festejar quando o troféu foi erguido de uma varanda do edifício da autarquia.

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

Frisando a importância da “identidade” do clube, que considerou o “maior da cidade e o maior da região”, o dirigente destacou o papel de Rúben Amorim na conquista da Taça da Liga, porque “conseguiu contagiar os jogadores”, e deixou uma “palavra especial” para o anterior técnico, Ricardo Sá Pinto: “foi ele que nos trouxe à ‘final four'”.

Já Rúben Amorim agradeceu a António Salvador “a oportunidade de treinar este grande clube”, aos adeptos pela “força transmitida durante a semana” que criou um “ambiente diferente na cidade” e, sobretudo, “aos jogadores”.

“Acho que não o fiz suficientemente, mas são vocês que fazem de mim um bom treinador e são a razão de eu estar aqui”, disse.

O técnico, contudo, deixou o aviso: “Agora, voltamos à estaca zero, a Taça [da Liga] sai daqui para o museu, já não conta para nada, há que continuar a caminhada”.

Questionado sobre o que falta ao SC Braga para ser campeão, António Salvador frisou que é “muito difícil lutar” por esse “sonho”, mas garantiu que a “ambição está cá na mesma”.

O dirigente começou por elencar a necessidade de “um apoio social maior”, como o dos outros crónicos candidatos, e notou que, “nos últimos dois, três anos, as coisas mudaram muito no futebol português e europeu”.

SC Braga vencedor da Taça da Liga 2019/2020

“O futebol português está dividido em três partes, os ‘três grandes’, que são os três ricos e que, com as alterações que a UEFA fez na distribuição das receitas da Liga dos Campeões e, cá dentro, nas receitas das televisões [ficaram mais], depois mais quatro ou cinco equipas que lutam pelos lugares europeus e depois os outros, que são voláteis, que tanto descem como sobem”, disse.

O presidente dos minhotos também destacou a importância de “manter uma equipa estável, uma base, ano após ano, o que não tem sido fácil porque é preciso vender para equilibrar os orçamentos”, já que o Sporting de Braga “cumpre religiosamente ao fim do mês com os seus salários”.

“Acredito que não vamos poder manter todos porque acredito que vêm cá bater as cláusulas de alguns, mas nesta janela de janeiro não sai ninguém, isso posso garantir aos nossos adeptos”, assegurou.

Sobre a eliminatória da Liga Europa com o Glasgow Rangers, no próximo mês de fevereiro, notou que será “muito difícil”, lembrando ser “uma equipa que já ganhou ao FC Porto o que, só por si, demonstra que é uma equipa fortíssima”

“Mas é uma eliminatória e tudo pode acontecer”, ressalvou.

Continuar a ler

Futebol

Gil Vicente espera encontrar FC Porto de “orgulho ferido”

18.ª jornada da I Liga

em

O treinador adjunto do Gil Vicente disse hoje esperar um FC Porto de “orgulho ferido” no jogo de terça-feira, da 18.ª jornada da I Liga de futebol, garantindo que a sua equipa será “cautelosa” com esse estado do adversário.

Mário Nunes, que foi hoje o porta-voz da formação minhota devido à suspensão do treinador principal Vítor Oliveira, espera que o Gil Vicente possa tirar partido do “desgaste físico e anímico” dos ‘dragões’, após a derrota na final da Taça da Liga, no sábado, frente ao Sporting de Braga.

“Espero um FC Porto de orgulho ferido, que vai querer reverter a atual situação o mais rápido possível, e procurar resolver o jogo o quanto antes. Sabendo que não estão no melhor momento em termos anímicos e físicos, continuam a ter jogadores de grande qualidade e uma equipa extremamente forte”, analisou Mário Nunes.

Para aproveitar a eventual intranquilidade dos ‘azuis e brancos’, o técnico adjunto do conjunto barcelense quer que a sua equipa “tente impor um jogo intenso”, mas, “ao mesmo tempo”, mantenha “uma boa organização defensiva”.

“Temos de estar muito cautelosos. Podemos pensar nessa debilidade do adversário, e depois não acontecer. Podem esperar um Gil Vicente organizado, a procurar controlar os momentos do jogo e a não ser apanhado em desequilíbrios, e sempre que tiver a bola a tentar atingir a baliza adversária e marcar. Queremos trazer os três pontos para Barcelos”, vincou Mário Nunes.

A suspensão de sete dias imposta pelo Conselho de Disciplina da FPF ao técnico principal do Gil Vicente, Vítor Oliveira, na sequência das críticas à arbitragem da partida com o Famalicão, de 31 de outubro, termina terça-feira, a tempo do experiente treinador poder orientar os barcelenses no Estádio do Dragão.

Para este desafio, os minhotos, que não perdem há cinco jogos consecutivos, e que no duelo da primeira volta venceram, em casa, o FC Porto, por 2-1, não podem contar com os contributos de Rúben Ribeiro, Ygor Nogueira, Claude Gonçalves e Bogdan, todos lesionados.

O Gil Vicente nono classificado da I Liga, com 22 pontos, defronta terça-feira o FC Porto, segundo com 41, numa partida agendada para as 20:15, no estádio do Dragão, que terá arbitragem da Rui Oliveira, da Associação de Futebol do Porto.

Continuar a ler

Populares