Seguir o O MINHO

Região

“São João a Rodar” de Braga rendeu 1223 euros ao fundo “Partilhar com Esperança”

em

A Associação de Festas de São João de Braga entregou na manhã desta quinta-feira, ao Arcebispo Primaz Dom Jorge Ortiga, a receita proveniente da iniciativa “Ponha o São João a andar à roda”. Simbolicamente, toda a receita foi entregue nas mesmas moedas que os bracarenses e visitantes depositaram no dispositivo que permitia colocar a estátua do São João na fonte luminosa da Praça da República a rodar e ficar voltada para o Bom Jesus ou para a Capela de São João da Ponte.


DR

Assim, os 1223 euros foram entregues em 1800 moedas de cinquenta cêntimos, um e dois euros, que indicam que durante os 12 dias de festa, o São João deu 4800 voltas.

O presidente da Associação de Festas do São João de Braga, Rui Ferreira, classificou esta iniciativa “um sucesso”, considerando que esta foi “uma maneira divertida e criativa de resolver o imbróglio que divide os bracarenses mas ao mesmo tempo solidária”.

” Este projeto que contou com o apoio da empresa Cachapuz na componente tecnológica da sua execução possibilitou demonstrar que as festas da cidade são também oportunidade e ocasião de dar visibilidade às causas sociais que existem”, conclui o responsável da associação de festas”, disse o bracarólogo.

DR

Já o Arcebispo Primaz, Dom Jorge Ortiga, agradeceu “a generosidade dos responsáveis pela organização” por se terem lembrado do fundo “Partilhar com Esperança” promovido pela Arquidiocese de Braga e desafiou “as demais associações e promotores de festas a terem também este tipo de iniciativas com o intuito de apoiar e divulgar causas tão nobres”.

Recorde-se que a associação de festas de São João de Braga promoveu ao longo desta edição das sanjoaninas outras iniciativas de cariz solidário, tais como a Gala Sanjoanina em que a receita de bilheteira reverteu para a projeto Need for dance, a doação monetária e campanha de angariação de novos associados para os Bombeiros Voluntários de Braga, e uma recolha de bens alimentares através das inscrições na Black Pig Race e do Torneio da Malha.

Anúncio

Guimarães

Empresário de Guimarães desenvolve tapete desinfetante e faz sucesso em França

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Armando Costa, empresário luso-francês com raízes em Guimarães, está a conquistar o mercado empresarial francês com a venda de tapetes desinfetantes que removem todo o tipo de vírus e bactérias do calçado, inclusive o da covid-19.


Empresário no ramo da prestação de serviços e organização de eventos, o vimaranense adaptou-se aos novos tempos face à pandemia que assolou o globo e criou um tapete duplo com reservatório desinfetante para comercializar em domicílios privados, comércio, indústria, centros comercias e espaços frequentados pelo grande público.

Em comunicado enviado à imprensa, o empresário explica que ao longo do último mês, já comercializou mais de 3.000 unidades, contando por entre os seus clientes “duas grandes superfícies comerciais de Paris, edifícios municipais, estruturas residenciais para idosos, clínicas e vários domicílios privados”

“Atualmente, está a expandir a produção através de uma parceria com uma indústria de manufaturados de forma a comercializar também em Espanha e Portugal”, refere a nota de imprensa.

Ainda segundo o empresário, os tapetes, de tamanhos variados, podem ser colocados no lugar de qualquer outro tapete que habitualmente se encontram nas entradas e saídas de casas e espaços públicos.

Em Portugal, o tapete já é comercializado por dois revendedores, também de Guimarães, que fazem a distribuição oficial no país.

Contactado por O MINHO, um dos distribuidores, Sandro Baptista, explica que o líquido fica impregnado no tapete, devendo ser reabastecido ao fim de algum tempo.

“Tem um reservatório onde se coloca o líquido que passa para todo o tapete. O reabastecimento depende do uso que se lhe dá. No fundo, ensopamos o calçado no tapete e o liquido a fica nas solas. As esponjas não permitem que o desinfetante passe acima da sola, não danificando”, argumenta.

Recomenda ainda a utilização de um segundo tapete, seco, para passar a sola, de forma a que o calçado não se torne escorregadio.

Diz a nota que o mesmo é “recomendado para domicílios, hotéis, apartamentos, lojas, restaurantes, hospitais, clínicas e lares de idosos”.

“Para adquirir este tipo de tapete, com custo de 70 euros, pode obter mais informações através do distribuidor português 934273867 (Sandro Baptista)”, termina a nota.

Continuar a ler

Braga

Ricardo Rio quer voz forte que capte para o Norte “o que o Norte merece”

CCDR

em

Foto: Divulgação / CM Braga

O presidente da Câmara de Braga defendeu hoje que o próximo líder da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) terá de ter “uma voz forte” para “captar para o Norte o que Norte precisa e merece”.


Para Ricardo Rio, eleito pela coligação PSD/CDS/PPM, a eleição indireta do presidente das CCDR “é uma boa solução”, embora “o ideal fosse um processo mais alargado, por voto popular, num processo efetivo de regionalização”.

“A eleição indireta já confere uma outra legitimidade aos presidentes da CCRD e espero que o próximo representante do Norte consiga ter uma voz forte, capaz de captar para o Norte o que o Norte precisa e merece”, afirmou.

O Conselho de Ministros aprovou, na quinta-feira, o decreto-lei que consagra a eleição indireta dos presidentes da CCDR pelos autarcas e eleitos locais da respetiva área territorial.

Para o autarca de Braga e também presidente da Comunidade Intermunicipal do Cávado, o Norte precisa dessa voz forte, sobretudo numa altura em que estão para chegar os fundos da União Europeia para fazer face à pandemia da covid-19.

“É muito importante que a região saiba captar e aproveitar esses fundos”, disse Ricardo Rio, lembrando ainda que no horizonte está a discussão do próximo quadro de programação de fundos europeus.

Em relação ao perfil do próximo líder da CCDR-N, Rio disse que não terá necessariamente de ser aluem oriundo da política, embora o cargo tenha “óbvia natureza política”.

“O que tem de ser alguém com capacidade de agregar os agentes da região, com uma visão integrada para o Norte e com capacidade de interlocução”, defendeu.

O autarca de Braga disse ainda que “o pior que podia acontecer” era que o futuro líder da CCDR-N fosse considerado “um representante de fação, seja política, académica ou qualquer outra”.

O decreto-lei aprovado na quinta-feira pelo Conselho de Ministros consagra a eleição indireta dos respetivos presidentes por um colégio eleitoral composto pelos presidentes e vereadores das câmaras municipais e pelos presidentes e membros das assembleias municipais (incluindo os presidentes de junta de freguesia) da respetiva área territorial.

O propósito é garantir uma maior representatividade de todos os eleitos locais e uma melhor administração ao nível regional, reforçando a legitimidade democrática e a transparência ao nível da governação regional.

A eleição será fixada para o mês de setembro.

Continuar a ler

Braga

Tribunal decidiu não levar a julgamento autarcas de Vieira do Minho

Despronunciamento

em

Foto: Arquivo

O Tribunal de Braga decidiu hoje não levar a julgamento o presidente da Câmara de Vieira do Minho, António Cardoso, que estava acusado pelo Ministério Público de prevaricação e abuso de poder.


No processo, eram ainda arguidos os vereadores Afonso Barroso, Paulo Miranda e a irmã deste, todos acusados pelos mesmos crimes e que agora foram igualmente despronunciados.

António Cardoso, Afonso Barroso e Paulo Miranda foram eleitos pela coligação PSD/CDS, em 2013.

Em causa está o processo de internalização da arguida na Câmara, após a dissolução, em 2013, da Empresa Pública Municipal de Águas, Resíduos e Equipamentos (EPMAR) de Vieira do Minho, em que exercia funções de diretora de serviços.

O MP deduziu acusação, considerando que os arguidos tinham “contornado” as normas legais para favorecer a arguida.

Os arguidos requereram abertura de instrução e hoje o juiz decidiu não os levar a julgamento, por não haver indícios da prática de qualquer crime.

“Não houve qualquer condução do processo ‘contra direito’, com intenção de beneficiar a arguida”, lê-se no despacho de não pronúncia.

Após a dissolução da EPMAR, e numa altura em que o município ainda era liderado pelo PS, a arguida não quis integrar processo de despedimento coletivo nem aceitou a proposta da Câmara Municipal quanto à cedência de interesse público, por não concordar com a diminuição salarial que esta implicava relativamente ao que auferia na empresa.

Na empresa recebia 1.956 euros e na Câmara passaria a receber 1.201.

Em setembro de 2013, em virtude das eleições autárquicas, o PS perdeu a Câmara para a coligação PSD/CDS.

O novo executivo decidiu celebrar um acordo com a arguida cedência de interesse público, por um ano, com uma remuneração de 1.750 euros.

O juiz de instrução refere que, por força dessa transmissão, a arguida “tinha o direito de ingressar nos quadros da Câmara, mantendo o estatuto remuneratório”.

Findo o prazo de um ano, a arguida foi obrigada a concorrer para ficar na câmara, passando a receber 1.201 euros.

Para o juiz, de “todo este erróneo procedimento” resultou “flagrante prejuízo” dos direitos da arguida, designadamente no âmbito do estatuto remuneratório.

“Claudica completamente a tese acusatória”, sublinhou.

A Câmara de Vieira do Minho emitiu hoje um comunicado em que foi o ex-presidente do município e do PS local Jorge Dantas quem apresentou queixa ao Ministério Público (MP).

“Os visados ponderam agora apresentar queixa contra o ex-autarca Jorge Dantas, pelo facto de este não ter permitido que a referida funcionária usasse dos seus direitos de internalização, tal como a lei lhe conferia”, lê-se ainda no comunicado.

Continuar a ler

Populares