Seguir o O MINHO

Ave

Rede de transporte intermunicipal de Famalicão, Santo Tirso e Trofa arranca em 2020

Associação de Municípios MobiAve

em

Foto: Ilustrativa / O MINHO

Os municípios de Vila Nova de Famalicão, no Minho, Santo Tirso e Trofa vão arrancar com uma rede de transportes intermunicipal no segundo semestre de 2020, anunciou a autarquia tirsense, que aprovou hoje a sua criação por unanimidade.


Denominada Associação de Municípios MobiAve, vai gerir a rede de transportes públicos rodoviários dos concelhos de Santo Tirso, Vila Nova de Famalicão e Trofa, dando corpo a um projeto que começou a ganhar forma em 2017 e a quem o então presidente da autarquia tirsense, Joaquim Couto, manifestou a vontade de incluir também os municípios de Guimarães e de Vizela.

Depois de o concelho vizinho de Famalicão o ter aprovado na última reunião do executivo, hoje foi a vez de a câmara liderada pelo socialista Alberto Costa dar mais um passo rumo à consolidação de um projeto que, segundo o documento da autarquia do distrito do Porto, se traduzirá numa “parceria inédita no país”, aprovando-o por “unanimidade”.

Segundo a nota de imprensa, está “prevista para o segundo semestre de 2020” a entrada em funções do novo sistema de transportes públicos de passageiros que, segundo Alberto Costa, citado pelo documento, “vai melhorar a qualidade de vida da população e contribuir para o aumento da utilização dos transportes públicos em detrimento de viatura própria, com consequências positivas no combate que está a ser feito no que toca a alterações climáticas”.

“Em Santo Tirso, a criação da MobiAve vai permitir triplicar a oferta atualmente existente do serviço de transporte de passageiros, colmatando as lacunas há muitos anos sinalizadas e melhorando de forma significativa a rede já instalada”, acrescentou Alberto Costa que “valorizou” o entendimento alcançado com as entidades envolvidas no processo, as câmaras de Famalicão e da Trofa.

Ainda segundo aquele documento, a “nova rede de transportes públicos intermunicipal, que será gerida pela MobiAve, foi alvo de um estudo de planeamento sobre a mobilidade de passageiros na área territorial dos três concelhos, tendo em vista a organização de futuras concessões de serviço público de transporte à população”.

A nova rede de transportes que vai ligar e aproximar os municípios de Santo Tirso, Vila Nova de Famalicão e Trofa começou a ganhar forma em 2017. Em junho desse ano, os presidentes das respetivas autarquias assinaram um protocolo de colaboração para a realização do estudo de planeamento e sustentabilidade financeira do novo sistema.

“A criação da MobiAve é um passo decisivo na construção de uma autoridade de transportes intermunicipal” que irá “organizar, explorar, investir, financiar e fiscalizar o serviço público de transporte de passageiros, num esforço conjunto para melhorar o serviço prestado a uma população estimada em cerca de 250 mil habitantes”, acrescentou Alberto Costa.

A Câmara da Trofa não tem ainda agendada a votação do projeto, revelou à Lusa fonte da autarquia.

Anúncio

Ave

Bloco de Esquerda leva aterro sanitário em Celorico de Basto à Comissão Europeia

José Gusmão

em

Foto: Divulgação / BE

José Gusmão, eurodeputado do Bloco de Esquerda (BE), questionou a Comissão Europeia sobre o aterro sanitário de Codeçoso, em Celorico de Basto, o qual estará a poluir cursos de água na região.


O bloquista lembra que o aterro sanitário foi ali instalado em 2001, “estimando-se a sua vida útil em doze anos”, no entanto “está a ser ampliado, em vez de ter sido encerrado”.

Destinado, inicialmente, a cinco municípios (Amarante, Baião, Celorico, Mondim, Cabeceiras), passou a ser mais dois: Guimarães e Santo Tirso.

“Este aterro causa constrangimentos à população, que diariamente vive com mau cheiro e infestações de insetos”, critica José Gusmão.

“Muito preocupante também é a contaminação de águas causada pelo aterro: são várias as queixas relatando a descarga de efluentes não tratados nos cursos de água, o que claramente conflitua com o disposto na Diretiva Quadro da Água”, aponta.

Portanto, o eurodeputado quer “aferir que medidas vão ser implementadas pela Comissão Europeia para instar Portugal a garantir o cumprimento da Diretiva Quadro da Água no âmbito do aterro sanitário de Codeçoso”.

Continuar a ler

Ave

Vizela: Presidente de junta acusado de adjudicar participação em obra à própria empresa

Ministério Público

em

Foto: DR / Arquivo

O Ministério Público deduziu acusação contra o presidente de uma junta de freguesia do município de Vizela, no ano de 2018, imputando-lhe a prática de um crime de participação económica em negócio.


A Procuradoria-Geral Distrital do Porto anuncia, hoje, no seu site, que o Ministério Público indiciou que o arguido, atuando como autarca, adjudicou por ajuste directo uma obra de demolição a uma sociedade, pelo preço de 9. 500 euros.

Ora – sustenta a acusação – o autarca sabia que, para levar a cabo essa obra, a empresa adjudicatária teria de contratar o aluguer de uma máquina e de um camião pertença de uma outra sociedade de que ele, arguido, era único sócio e legal representante, como veio a suceder, pelo valor de dois mil euros.

Continuar a ler

Guimarães

ICNF classifica mata de recreio e cedros do Himalaia em Guimarães

Ambiente

em

Foto: Redes sociais

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) classificou de interesse público uma mata de recreio na freguesia de Ponte e dois exemplares da espécie cedro do Himalaia em Creixomil, no concelho de Guimarães.


Os despachos de classificação foram hoje publicados em Diário da República e produzem efeitos a partir de sexta-feira.

A mata de recreio é contígua à Casa da Ribeira e tem uma área aproximada de 0,76 hectares, sendo constituída por arvoredo pertencente a mais de 30 espécies diferentes, predominantemente exóticas.

As espécies arbóreas, com uma altura aproximada de 30 metros, formam um copado contínuo.

“Esta zona é contígua à casa principal e identifica-se como uma pequena mata de recreio ao estilo e cultura de finais do século XIX, princípios do século XX, em que havia o gosto pelo colecionismo de plantas oriundas do oriente e do continente americano”, acrescenta o despacho do ICNF.

Das espécies presentes, destaca, pela “singularidade” dos seus exemplares, a Sequoia sempervirens, Pinus strobus, Cedrus deodara, Liriodendron tulipifera, Liquidambar styraciflua, Cupressus lusitanica, Fagus sylvatica e um exemplar antigo de Quercus robur.

O município de Guimarães tinha requerido a classificação de todo o arvoredo que constitui a mata da Casa da Ribeira, mas o ICNF concluiu que só aquela mata de recreio possui características de relevante interesse público, “uma vez que a restante parte da mata é constituída por exemplares da espécie Eucalyptus globulus Labill, sem atributos passíveis de justificar a sua classificação”.

Na freguesia de Creixomil, lugar de Atouguia, foram classificados dois exemplares isolados da espécie Cedrus deodara, também na sequência de requerimento feito pelo município.

Para a classificação, o ICNF considerou o porte das árvores, com 24 e 28 metros de altura, e o seu “particular significado paisagístico”.

“São árvores majestosas que marcam o sítio em que se encontram, impondo-se como elemento fundamental e indissociável do Cemitério Municipal da Atouguia e contribuindo para a qualidade visual daquele espaço, observável de vários pontos da cidade de Guimarães, cumprindo o parâmetro de apreciação valorização estética do espaço envolvente e dos seus elementos naturais e arquitetónicos”, lê-se no despacho.

Com a classificação, ficam proibidas quaisquer intervenções que possam destruir ou danificar os exemplares classificados, designadamente corte do tronco, ramos ou raízes e remoção de terras ou outro tipo de escavações, na zona geral de proteção.

A classificação implica ainda a proibição de depósito de materiais, seja qual for a sua natureza, e a queima de detritos ou produtos combustíveis, bem como a utilização de produtos fitotóxicos na zona geral de proteção.

Todas as operações de beneficiação nos exemplares classificados ou qualquer outro tipo de benfeitoria carecem de aprovação por parte do ICNF.

Continuar a ler

Populares