Seguir o O MINHO

Arcos de Valdevez

Processo de instalação de aviário polémico em Arcos de Valdevez “está encerrado”

População temia “alto risco sanitário” da produção de mais de 30.000 aves no local.

em

O presidente da Câmara de Arcos de Valdevez garantiu, esta quinta-feira, estar “encerrado” o processo de instalação de uma exploração avícola em Padreiro, contestado pela população por temer o “alto risco sanitário” da produção de mais de 30.000 aves.

João Esteves, ao centro, autarca de Arcos de Valdevez. Foto: Arquivo

“Para a câmara municipal é um processo encerrado. O projeto foi rejeitado liminarmente pelos serviços camarários por apresentar discrepâncias nas áreas que constam das plantas e as que são referidas nos títulos de propriedade dos terrenos. O interessado contestou, mas os argumentos foram igualmente rejeitados”, afirmou o social-democrata João Manuel Esteves.

Foto: DR

Numa página criada nas redes sociais, intitulada “Preservação Património de Santa Cristina”, consultada pela Lusa, os habitantes da União de Freguesias de Padreiro (Salvador e Santa Cristina) congratulam-se com a decisão do “arquivamento do projeto”.

“Com união, coragem e perseverança pode haver justiça”, lê-se na publicação daquele grupo que, em setembro, exigiu a anulação do projeto, com cerca de um hectare.

Numa carta então enviada ao presidente da câmara, o movimento cívico defendia que o investimento representa um “alto risco sanitário”, por estar previsto ser instalado a “cerca de 400 metros das habitações de Padreiro Santa Cristina e a 200 metros de habitações da freguesia de Miranda”.

No documento, alertavam também para os riscos que implicaria na “saúde pública e nas linhas de água, com nascente naquela zona”.

“Uma instalação de criação intensiva, com cheiros e contaminação para o ar e para as águas, não pertence a uma localização rural e residencial como Padreiro”, lê-se na carta que refere que “o contrato de arrendamento do terreno baldio com o promotor foi celebrado dia 25 de julho, por um prazo de 20 anos, sem nenhuma proteção para os residentes”.

Na altura, o promotor do projeto explicou à Lusa que “a candidatura do projeto, já aprovada pelo Programa de Desenvolvimento Regional (PDR), foi elaborada por uma equipa técnica especializada, cumprindo todas os requisitos legais”.

O investidor local adiantou ter promovido uma sessão de esclarecimento na aldeia, com a participação de um engenheiro zootécnico, mas que a população recusou ser informada sobre o projeto que, garantiu, dá “resposta a todas as exigências ambientais e de salvaguarda da saúde pública”.

“É legítimo que as pessoas se preocupem com a sua aldeia, mas é preciso que o façam de forma esclarecida. Eu tentei explicar que o projeto não vai provocar mau cheiro por recorrer às mais avançadas tecnologias, que vai ficar instalado à distância obrigatória das habitações, mas as pessoas não quiseram ouvir”, referiu, na altura.

Populares