Seguir o O MINHO

Desporto

Pista de atletismo para os Jogos Olímpicos estreada este domingo

Jogos Olímpicos

em

Foto: DR

A pista de atletismo do Estádio Olímpico de Tóquio foi hoje estreada, num ‘meeting’ praticamente apenas com atletas japoneses, depois da inauguração do recinto em 01 de janeiro último.


Um dos ‘palcos’ dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, que foram adiados para 2021 devido à pandemia de covid-19, foi inaugurado, a nível desportivo, com o jogo de futebol da final da Taça do Imperador, entre Vissel Kobe e Kashima Antlers, no inicio do ano.

No entanto, o ‘tartan’ ainda não tinha sido experimentado, tendo hoje recebido a primeira competição, que permitiu, por exemplo, à atleta Nozomi Tanaka estabelecer um novo recorde nacional nos 1.500 metros (4.05,27 minutos).

Anúncio

Futebol

Árbitro francês Ruddy Buquet no SC Braga – AEK

Liga Europa

em

Foto: DR

Benfica e Sporting de Braga têm árbitros ‘estreantes’, com o montenegrino Nikola Dabanovic na visita das ‘águias’ ao Lech Poznan e o francês Ruddy Buquet na receção dos minhotos ao AEK, ambos na Liga Europa de futebol.

Dabanovic, árbitro internacional desde 2009, já esteve num jogo das ‘águias’, mas na UEFA Youth League, pelo que dirigirá pela primeira vez na quinta-feira em Poznan um jogo da equipa principal do Benfica, na ronda inaugural do grupo C, às 17:55.

Em Braga, estará o francês Ruddy Buquet, árbitro também com larga experiência europeia, que já esteve em jogos de Benfica, FC Porto e Sporting, mas que se estreia também a ‘apitar’ os bracarenses.

A equipa de Carlos Carvalhal recebe a partir das 20:00 o AEK Atenas, dos portugueses Hélder Lopes, André Simões, Paulinho e Nélson Oliveira, em jogo do grupo G da Liga Europa.

Nas nomeações hoje conhecidas para a segunda competição da UEFA, o organismo indicou a francesa Stephanie Frappart para o Leicester-Zorya Luhansk, naquele que será apenas o segundo jogo europeu masculino ao mais alto nível para a árbitra de 36 anos.

Frappart foi a árbitra da final da Supertaça Europeia de 2019 entre Liverpool e Chelsea (2-2, 5-4 nas grandes penalidades), e, já depois, esteve num jogo entre as seleções de sub-21 de Itália e da Arménia.

Continuar a ler

Futebol

Moreirense contrata Afonso Figueiredo

I Liga

em

Foto: Moreirense

O defesa Afonso Figueiredo, que estava livre depois de ter rescindido com o Desportivo das Aves no defeso, assinou pelo Moreirense até ao final da temporada, anunciou hoje o clube da I Liga de futebol.

As lesões prolongadas de Pedro Amador, que contraiu uma rotura dos ligamentos cruzados do joelho esquerdo diante do Belenenses SAD (0-0), e Abdu Conté, a contas com nova rotura muscular na coxa esquerda, após ter falhado o arranque da época por problemas idênticos, levaram os vimaranenses a contratarem um novo lateral-esquerdo.

Afonso Figueiredo, de 27 anos, dividiu a formação entre Sporting, Belenenses e SC Braga, e representou o Boavista, os franceses do Rennes, os búlgaros do Levski Sofia e o Rio Ave, tendo cumprido 22 encontros em 2019/20 pelo Desportivo das Aves.

O jogador, natural de Lisboa, é o 16.º reforço do Moreirense para 2020/21, além dos guarda-redes Kewin e Miguel Oliveira, dos defesas Matheus Silva, Ferraresi, Pedro Amador e Reynaldo, dos médios David Tavares, Galego e Gonçalo Franco e dos avançados André Luís, Derik Lacerda, Felipe Pires, Lucas Rodrigues, Walterson e Yan.

O Moreirense, 11.º colocado, com cinco pontos em 12 possíveis, recebe o Marítimo, sétimo, com seis, no domingo, às 15:00, no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos, em duelo da quinta jornada da I Liga.

Continuar a ler

Desporto

Hamilton pode consagrar-se como piloto mais vitorioso de sempre em Portugal

No Autódromo Internacional do Algarve

em

Foto: DR

O Autódromo Internacional do Algarve está a caminho de ver a consagração do piloto britânico Lewis Hamilton (Mercedes) como o piloto mais vitorioso de sempre da Fórmula 1, no domingo, no Grande Prémio de Portugal.

Depois de ter igualado o recorde de 91 vitórias que pertencia ao alemão Michael Schumacher, Hamilton pode ficar sozinho no pedestal caso vença o Grande Prémio de Portugal, que se disputa entre sexta-feira e domingo, em Portimão.

Hamilton é o principal favorito à vitória no regresso da Fórmula 1 a Portugal após 24 anos de interregno, nesta que será a 12.ª corrida da época, reformulada devido à pandemia de covid-19.

O atual campeão mundial, que em 2020 persegue o sétimo título da sua carreira (tantos quantos conseguiu Schumacher, outro recorde da modalidade), chega à prova lusa com sete triunfos em 11 provas já disputadas, o último dos quais na ronda anterior, no GP de Eifel, na Alemanha.

Números que lhe valem uma liderança confortável no campeonato, com 230 pontos, mais 69 do que o segundo classificado, o seu companheiro de equipa, o finlandês Valtteri Bottas, que deverá ser o seu principal adversário este fim de semana.

O holandês Max Verstappen (Red Bull) estará entre os principais desafiadores do domínio da Mercedes, surgindo o australiano Daniel Ricciardo (Renault) como uma surpresa a ter em conta, dada a subida de forma dos carros franceses nas corridas anteriores.

Em Portugal, cerca de 27.500 pessoas deverão assistir a uma das provas mais aguardadas do ano, num circuito que será uma estreia nestas andanças.

Em entrevista à Agência Lusa, em setembro, Paulo Pinheiro, administrador do circuito, explicou que o traçado “tem curvas lentas, curvas rápidas, curvas muito rápidas, um troço grande sempre em aceleração desde a curva 14 até ao final da reta da meta”.

A configuração do circuito será a da versão rápida no final da reta da meta e da versão rápida na entrada. O tempo por volta rondará o minuto e 14 segundos, revelou à Lusa.

Segundo as simulações efetuadas, “há três pontos de ultrapassagem, no final da reta da meta, no final da reta Interior e na curva Portimão”, um desenho que favorece os pilotos mais fortes tecnicamente e onde a perícia de condução pode fazer maior diferença do que noutros traçados.

O sucesso desta jornada, a 12.ª das 17 previstas, poderá ditar a continuidade do circuito português no calendário do próximo ano, que deverá continuar a ser condicionado pela pandemia do novo coronavírus.

Continuar a ler

Populares