Seguir o O MINHO

Barcelos

Oposição pede suspensão ou renúncia do presidente da Câmara de Barcelos

Com o autarca em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, os partidos defendem que “é impossível” governar um concelho com a dimensão de Barcelos a partir de casa

em

Vídeo: Reunião da Assembleia Municipal (na íntegra)

Os partidos da oposição na Assembleia Municipal de Barcelos pediram hoje a suspensão do mandato ou a renúncia do presidente da Câmara (PS), que está em prisão domiciliária no âmbito da operação Teia.

O Bloco de Esquerda pediu mesmo eleições autárquicas intercalares.

A bancada socialista, por seu lado, pediu respeito pelo princípio da presunção da inocência, disse que a Câmara mantém “normalidade de gestão”, manifestou-se convicta de que o presidente da Câmara “mostrará cabalmente a sua inocência” e saberá a cada momento “avaliar a situação” em defesa dos “superiores interesses” do concelho.

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, está desde 03 de junho em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, indiciado pelos crimes de corrupção passiva e prevaricação.

Está também proibido de contactar com os funcionários do município.

Pediu, entretanto, a sua substituição por um período de 29 dias.

Na sessão de hoje da Assembleia Municipal, o PSD, através do deputado Adélio Miranda, disse que “é impossível” governar um concelho com a dimensão de Barcelos a partir de casa, pelo que apelou a Costa Gomes para suspender ou abdicar do mandato.

“Se o não fizer, está a prejudicar gravemente Barcelos”, referiu.

O movimento independente Barcelos, Terra de Futuro (BTF) defendeu que “a melhor solução” é a renúncia ao mandato por parte de Costa Gomes, “ou, na pior das hipóteses, a suspensão por tempo indeterminado”.

Para o BTF, caso Costa Gomes não se afaste, o PS deve retirar-lhe a confiança política.

Já o CDS-PP considerou que Costa Gomes deve, “pelo menos”, suspender o mandato. “Enquanto se mantiver este estado de coisas [prisão domiciliária], não tem condições para exercer o mandato”, referiu o democrata-cristão Firmino Silva.

Mais contundente foi o Bloco de Esquerda (BE), que apelou à renúncia do mandato e à convocação de eleições intercalares.

O bloquista José Maria Cardoso disse que a Câmara não pode ser gerida “com comando à distância, por controlo remoto, a partir de casa de família”.

“Vamos a eleições”, desafiou, sublinhando que esta é a solução “mais democrática e mais adequada para “tirar o concelho do anedotário nacional”.

A defesa do presidente da Câmara esteve a cargo do PS, que sublinhou que Costa Gomes não é suspeito de receber dinheiro, jantares ou viagens, mas apenas “apoio político”.

Manuel Mota, da bancada socialista, disse ainda que o autarca “mostrará cabalmente a sua inocência” e acusou a oposição de querer “subverter a escolha democrática dos barcelenses”.

A operação Teia, segundo um comunicado da Polícia Judiciária (PJ), centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos e Instituto Português de Oncologia do Porto e relaciona-se com “a existência de um esquema generalizado, mediante a atuação concertada de autarcas e organismos públicos, de viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto, com o objetivo de favorecer primacialmente grupos de empresas, contratação de recursos humanos e utilização de meios públicos com vista à satisfação de interesses de natureza particular”.

Para Manuel Mota, o presidente da Câmara de Barcelos “não está envolvido em nenhuma” daquelas situações.

Na operação Teia, além de Costa Gomes, são ainda arguidos o entretanto demissionário presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto, que ficou em liberdade mediante o pagamento de uma caução de 40 mil euros, e a mulher, a empresária Manuela Couto, que ficou em prisão domiciliária.

O outro arguido é o ex-presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto Laranja Pontes, que também ficou em liberdade mediante caução de 20 mil euros, e com suspensão das funções que exercia.

Laranja Pontes passou, entretanto, à situação de reforma.

Anúncio

Barcelos

Colisão em Barcelos faz um morto

Em Barqueiros

em

Foto cedida a O MINHO

Uma colisão entre uma viatura de transporte de mercadorias e um veículo ligeiro provocou um morto e ferimentos em outra pessoa, ao final da manhã desta terça-feira, em Barqueiros, Barcelos.

Foto cedida a O MINHO

Ao que apurou O MINHO junto de fonte do Comando Distrital de Operações e Socorro de Braga, a vítima, de 60 anos, foi declarado óbito no local.

O alerta foi dado pelas 11:25 para a Estrada Nacional 205, para a freguesia de Barqueiros, mobilizando Bombeiros Voluntários de Barcelinhos e a VMER de Braga.

Um outro homem envolvido no acidente ficou com ferimentos considerados “ligeiros”.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Barcelos

Saiba onde vai ficar a Mercadona em Barcelos

Abertura a 26 de setembro

em

Foto: DR

Já há data oficial para a abertura da primeira loja da cadeia de hipermercados espanhola Mercadona na região do Minho. O próximo dia 26 de setembro fica marcado pela abertura da loja na rua Filipa Borges, 414, na cidade de Barcelos.

Depois das primeiras 4 aberturas no mês de julho, no distrito do Porto, a empresa prepara agora a sua próxima abertura, no dia 26 de setembro, em Barcelos.

Durante os próximos dias, até 6 de setembro, colaboradores da empresa vão “dar a conhecer” aos vizinhos da nova loja o funcionamento do supermercado, através de sessões de apresentação às comunidades, avança a empresa em comunicado.

Em Barcelos, as apresentações decorrem no Hotel Bagoeira e estão programadas 2 sessões por dia, com capacidade para cerca de 100 participantes cada: uma de manhã, pelas 11:00, e outra à tarde, pelas 18:00, com a duração de uma hora.

Para cada sessão é necessário realizar inscrição através dos números de telefone 918 724 597 e 918 714 687, de segunda a sexta-feira, entre as 9:00 e as 21:00.

Continuar a ler

Barcelos

Detido após “bofetadas e empurrões” a ex-companheira em Barcelos

Homem de 39 anos tinha uma faca de cozinha que lhe foi apreendida

em

Foto: Ilustrativa

A PSP deteve na terça-feira, em Barcelos, um homem de 39 anos por violência doméstica contra a sua ex-cônjuge, anunciou hoje aquela força de segurança.

Em comunicado, a PSP refere que o detido abordou a na via pública e agrediu-a com bofetadas e empurrões. Perante a intervenção de populares, o detido foi “isolado” da ex-cônjuge até à presença da PSP.

O suspeito tinha em sua posse uma faca de cozinha, que foi apreendida.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares