Seguir o O MINHO

Barcelos

Oposição pede suspensão ou renúncia do presidente da Câmara de Barcelos

Com o autarca em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, os partidos defendem que “é impossível” governar um concelho com a dimensão de Barcelos a partir de casa

em

Vídeo: Reunião da Assembleia Municipal (na íntegra)

Os partidos da oposição na Assembleia Municipal de Barcelos pediram hoje a suspensão do mandato ou a renúncia do presidente da Câmara (PS), que está em prisão domiciliária no âmbito da operação Teia.

O Bloco de Esquerda pediu mesmo eleições autárquicas intercalares.

A bancada socialista, por seu lado, pediu respeito pelo princípio da presunção da inocência, disse que a Câmara mantém “normalidade de gestão”, manifestou-se convicta de que o presidente da Câmara “mostrará cabalmente a sua inocência” e saberá a cada momento “avaliar a situação” em defesa dos “superiores interesses” do concelho.

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, está desde 03 de junho em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, indiciado pelos crimes de corrupção passiva e prevaricação.

Está também proibido de contactar com os funcionários do município.

Pediu, entretanto, a sua substituição por um período de 29 dias.

Na sessão de hoje da Assembleia Municipal, o PSD, através do deputado Adélio Miranda, disse que “é impossível” governar um concelho com a dimensão de Barcelos a partir de casa, pelo que apelou a Costa Gomes para suspender ou abdicar do mandato.

“Se o não fizer, está a prejudicar gravemente Barcelos”, referiu.

O movimento independente Barcelos, Terra de Futuro (BTF) defendeu que “a melhor solução” é a renúncia ao mandato por parte de Costa Gomes, “ou, na pior das hipóteses, a suspensão por tempo indeterminado”.

Para o BTF, caso Costa Gomes não se afaste, o PS deve retirar-lhe a confiança política.

Já o CDS-PP considerou que Costa Gomes deve, “pelo menos”, suspender o mandato. “Enquanto se mantiver este estado de coisas [prisão domiciliária], não tem condições para exercer o mandato”, referiu o democrata-cristão Firmino Silva.

Mais contundente foi o Bloco de Esquerda (BE), que apelou à renúncia do mandato e à convocação de eleições intercalares.

O bloquista José Maria Cardoso disse que a Câmara não pode ser gerida “com comando à distância, por controlo remoto, a partir de casa de família”.

“Vamos a eleições”, desafiou, sublinhando que esta é a solução “mais democrática e mais adequada para “tirar o concelho do anedotário nacional”.

A defesa do presidente da Câmara esteve a cargo do PS, que sublinhou que Costa Gomes não é suspeito de receber dinheiro, jantares ou viagens, mas apenas “apoio político”.

Manuel Mota, da bancada socialista, disse ainda que o autarca “mostrará cabalmente a sua inocência” e acusou a oposição de querer “subverter a escolha democrática dos barcelenses”.

A operação Teia, segundo um comunicado da Polícia Judiciária (PJ), centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos e Instituto Português de Oncologia do Porto e relaciona-se com “a existência de um esquema generalizado, mediante a atuação concertada de autarcas e organismos públicos, de viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto, com o objetivo de favorecer primacialmente grupos de empresas, contratação de recursos humanos e utilização de meios públicos com vista à satisfação de interesses de natureza particular”.

Para Manuel Mota, o presidente da Câmara de Barcelos “não está envolvido em nenhuma” daquelas situações.

Na operação Teia, além de Costa Gomes, são ainda arguidos o entretanto demissionário presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto, que ficou em liberdade mediante o pagamento de uma caução de 40 mil euros, e a mulher, a empresária Manuela Couto, que ficou em prisão domiciliária.

O outro arguido é o ex-presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto Laranja Pontes, que também ficou em liberdade mediante caução de 20 mil euros, e com suspensão das funções que exercia.

Laranja Pontes passou, entretanto, à situação de reforma.

Anúncio

Barcelos

Mãe em desespero procura jovem desaparecido em Barcelos desde domingo

Natural de Vila Boa

em

Foto: DR

Um jovem de 23 anos, residente em Vila Boa, Barcelos, foi dado como desaparecido pela família desde o passado domingo, disse a O MINHO fonte familiar.

Terá saído de casa na noite do passado domingo, por volta das 23:00 horas, não voltando a estabelecer contacto com os familiares.

Maria Rego, mãe de Jorge Costa, disse a O MINHO já ter alertado as autoridades. Estas vão acionar buscas pela cidade e também junto ao rio Cávado.

“Ele pode estar a precisar de ajuda”, alerta a família, em desespero, deixando o contacto 964547530 para divulgação de possíveis informações do paradeiro.

A mãe revela ainda que o jovem saiu de casa sem telemóvel e sem dizer nada à família.

“Não sei o que se passa, ele trabalhava num restaurante aqui na cidade mas tinha falado de ir trabalhar para Guimarães”, adiantou.

O jovem vestia calças azul clara de fazenda, um casaco de ganga e umas sapatilhas bege.

Tem cabelo curto, é magro, e mede cerca de 1.72 metros.

Continuar a ler

Barcelos

Motociclista ferido após colisão com carro em Barcelos

Em Arcozelo

em

Foto: Vítor Vasconcelos

Um homem, de 44 anos, sofreu ferimentos na sequência de uma colisão entre a mota que conduzia e um automóvel, ao final da tarde desta quarta-feira, cidade de Barcelos.

O sinistro ocorreu na freguesia urbana de Arcozelo, mobilizando meios de emergência para o local, pouco depois das 18:40.

Os Bombeiros de Barcelos socorreram a vítima que foi transportada para o hospital local com ferimentos considerados “ligeiros”.

A PSP de Barcelos registou a ocorrência.

Continuar a ler

Barcelos

Homem de 50 anos detido com cocaína no centro de Barcelos

Na Rua de Santa Clara

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

Um homem, de 50 anos, foi detido por agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP), na terça-feira, por suspeitas de tráfico de estupefacientes, anunciou hoje aquela polícia.

A detenção ocorreu às 16:55, na Rua de Santa Clara, em pleno centro da cidade de Barcelos, depois do suspeito ter sido intercetado na posse de cocaína suficiente para dez doses, por elementos policiais que efetuavam missão de serviço na prevenção e combate a criminalidade.

Para além da droga, foram apreendidos 30 euros em numerário e recortes de plástico que, segundo a PSP, serviriam para “acondicionamento do estupefaciente”.

O detido foi notificado para comparecer no Tribunal de Vila Nova de Famalicão.

Continuar a ler

Populares