Seguir o O MINHO

Futebol

“O resultado mais justo seria um empate”

Ricardo Soares

em

Imagem: Gil Vicente TV / Facebook

Declarações dos treinadores após o jogo entre Santa Clara e Gil Vicente, da quarta jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado em Ponta Delgada e que terminou com a vitória dos anfitriões, por 1-0:

– Ricardo Soares (Treinador do Gil Vicente): “Sabíamos que íamos encontrar um jogo difícil, muito competitivo, também atendendo às condições climatéricas e ao estado do relvado, prevíamos este tipo de jogo. Começa o jogo tivemos uma oportunidades de golo, não fizemos, o jogo estava equilibrado e numa desatenção pagamos caro. É um erro que não podemos cometer, é um erro que nem na formação é admissível.

Na segunda parte, aí sim fomos mais equipa, naquilo que é a circulação e na posse. Fomos agressivos em corredor. Tiramos muito cruzamentos, mas aí o Santa Clara é forte no fecho de baliza e no jogo aéreo.

Encostámos o Santa Clara cá atrás e penso que o resultado é injusto o resultado mais justo seria um empate, do meu ponto de vista”.

– Daniel Ramos (Treinador do Santa Clara): “Eu pedi [ao grupo]: sem desculpas, não há cansaço, mentalizem-se que vamos ter de sofrer, vamos ter de trabalhar, temos atrás de nós um peso emocional, jogo na quinta-feira… [com o Partizan]. Há cansaço acumulado, há desgaste (…) há muita tensão porque o grupo de trabalho sente que fugiram pontos para o campeonato e nós precisávamos de dar uma resposta, do grupo para o grupo, de nós para nós, e acho que o fizemos de forma muito boa.

A equipa correspondeu bem, lutou, trabalhou, disfarçou muito do cansaço, esteve organizada. Acho que mereceu a vitória, perante um Gil Vicente que dificultou, que tentou, mas acho que a vitória nos assenta muito bem.

Eu não vou falar [sobre a situação interna]. O que eu desejo é que haja estabilidade, porque quanto mais estabilidade houver e união em torno de uma equipa que está a dar o seu máximo, melhor. Somos um grupo muito unido que sabe jogar, sabe o que quer, que soube conquistar a sua massa associativa. E eles demonstraram isso: todo o carinho que tem por nós.

Vou aguardar serenamente pelas informações que terei até ao fecho do ‘mercado’. O que posso dizer é que nós estamos no ‘mercado’ no sentido de contratar, como é sabido. Se não perdermos [jogadores], que é o que eu desejo, melhor ainda. Se tiver de acontecer, vamos continuar a trabalhar”.

Populares