Seguir o O MINHO

Futebol

“O balanço [da I Liga, até agora] é razoável”

Declarações de Ivo Vieira

em

Foto: DR / Arquivo

Declarações de Ivo Vieira após o jogo entre Gil Vicente e Vitória de Guimarães, para a 14.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado este domungo,em Barcelos e que terminou empatado 2-2:

– Ivo Vieira (Treinador do Vitória SC): “Num jogo com um relvado fantástico, não existimos na primeira parte. Houve muito mérito do Gil, mas fomos muito passivos. Não tivemos muito tempo para preparar este jogo, mas conhecíamos as dinâmicas ofensivas do Gil. Quisemos jogar muito com o fator estatuto pelo que temos feito, mas é preciso ser-se intenso e ganhar duelos.

O resultado na primeira parte era inteiramente merecido para o Gil Vicente. Na segunda parte, tivemos o Vitória em campo, a tentar ganhar duelos e a querer atacar a baliza adversária. De forma justa, chegámos ao empate. Ficaram 45 minutos.

85% a 90% destes atletas não jogaram em Frankfurt [para a Liga Europa}. Tinham a obrigação de dar uma resposta muito mais intensa. Não basta pensarmos que somos melhores. Houve jogadores que fizeram um jogo fantástico em Frankfurt, mas confiei a responsabilidade nestes. Na primeira parte, não estivemos à altura.

Em termos de motivação, a Liga Europa é completamente diferente de jogar para o campeonato. Esta é a competição fundamental que pode dar, no futuro, uma possível nova entrada na Liga Europa. Mas não consigo trabalhar [os jogadores] ao ‘comando’. Por vezes, o subconsciente pode influenciar a motivação.

Uma equipa faz-se de jogadores que trabalham muito, de tecnicistas, de valia no jogo aéreo. Se se tirar o Mikel [Agu] e o Al Musrati, a nossa equipa é extremamente baixa do meio-campo para a frente. Mas a perder por 2-0, tinha de fazer tudo por tudo e coloquei ali o Pepê para dar mais qualidade ao jogo na construção ofensiva

Eu esperava que pudéssemos ter mais pontos. O balanço [da I Liga, até agora] é razoável. Está num patamar intermédio. Para o que nós podemos fazer, poderíamos ter somado mais”.

Populares