Seguir o O MINHO

Região

Novos contentores de lixo geram discórdia em Braga

em

Os novos contentores de lixo estão a desagradar alguns moradores de Braga. O partido político Nós Cidadãos e o movimento Braga para Todos afirmam que estão a receber várias queixas.

O movimento político afirma que Braga tem chocado os moradores com a forma de implementação do novo sistema inteligente de recolha de lixo.

“Vários moradores já se manifestarem nas juntas de freguesia e ouviram respostas que é preciso este executivo pensar, por exemplo, na União de Freguesias de Nogueira, Fraião e Lamaçães a escolha do local foi feita através do Google Maps ao invés de uma visita in loco tendo como consequência a colocação de contentores à frente da porta de prédios, que além de privar vagas de estacionamento, ainda restringiram o acesso às ambulâncias e carros de bombeiros em casos de emergências”, diz o movimento, em comunicado.

Além dos problemas em zonas de habitação, que origina várias críticas entre os cidadãos, a parte central da cidade também é problemática, segundo os movimentos.

“O centro de Braga tem contentores (provisórios) para lixo não reciclável, mas existe o método comum, ou seja, o mesmo problema das zonas residências: passam dois carros, um para retirar dos contentores e outro para recolher nas ruas, com a atenção que a maioria do lixo da Praça da República oriundo das lojas e é plástico e papel, ou seja devia ser colocado nos ecopontos, estão sempre cheios, sujos com um odor intenso e incomodativo em pleno centro”.

O Braga para Todos, salienta ainda que os novos contentores deixam “odores intensos nas portas dos prédios”, e que para o sistema funcionar, a Câmara deveria educar e consciencializar os cidadãos a colocarem o lixo no devido lugar.

O novo sistema, que representou um investimento de cerca de 6,2 milhões de euros, foi apresentado em maio e, segundo a AGERE, permite realizar de uma forma mais rápida, eficaz e sustentável a recolha de resíduos urbanos.

Com o novo sistema, o lixo passa a ser depositado em contentores – 4.400 de superfície e subterrâneos – substituindo o modelo de colocação de sacos na rua e eliminando o impacto negativo ambiental.

Passa a ser também possível a colocação do lixo a qualquer hora do dia, sem constrangimentos de horário, e os contentores vão estar a uma distância máxima de 100 metros de cada casa. Recorrendo a viaturas específicas, os mesmos serão lavados e higienizados, regularmente, no próprio local. Até setembro estará implementado em todo o território concelhio.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Designer de moda vizelense, Luís Carvalho, nomeado para prémio francês

Vencedores conhecidos em junho

em

Foto: DR

Os designers de moda portugueses Susana Bettencourt e Luís Carvalho estão entre os premiados das oito edições do OpenMyMed selecionados para a edição de 2019, que celebra os 30 anos da Maison Méditerranéenne dês Métiers de la Mode (MMMM).

“Este ano, a MMMM modificou o programa para valorizar a nova vaga de criadores mediterrâneos, vencedores do concurso Prémio OpenMyMed desde 2010. Um júri composto pelo conselho de administração da MMMM selecionou 30 jovens vencedores, que participarão entre 26 e 29 de junho num programa a eles dedicado”, lê-se no site da francesa MMMM.

Os nomes de Susana Bettencourt (uma das vencedoras na 7.ª edição, em 2017) e de Luís Carvalho (vencedor na 8.ª edição, no ano passado) surgem na lista divulgada pela MMMM.

O prémio OPENMYMED, atribuído anualmente desde 2010, tem como missão “apoiar os jovens vencedores em três setores fundamentais para estabelecerem as suas marcas: estratégia, comunicação e comercialização”.

Os vencedores são escolhidos por um júri composto por profissionais da área da moda.

Luís Carvalho, que nasceu em 1987 em Vizela, licenciou-se em Design de Moda e Têxtil no Instituto Politécnico de Castelo Branco e trabalhou como assistente nos ateliês de Filipe Faísca e de Ricardo Preto.

Em 2013, estreou-se na ModaLisboa onde, desde então, tem apresentado as suas coleções duas vezes por ano.

Em 2016, foi distinguido com o prémio GQ Men of The Year, na categoria de Designer de Moda e, em 2017, conquistou o Globo de Ouro de Melhor Estilista.

Susana Bettencourt, de 34 anos, é natural de Lisboa, mas passou parte da infância e adolescência nos Açores. Viveu em Londres durante dez anos, onde fez uma licenciatura na escola de artes Central Saint Martins e um mestrado na London College of Fashion.

A designer de moda aprendeu em criança técnicas de artes açorianas, como o croché, a renda de bilros, a malha de tricô, a escama de peixe e o bordado a ouro, que aplica nas peças que cria.

As coleções de Susana Bettencourt já chamaram a atenção de artistas internacionais como Rita Ora, Alexander Burke e Lady Gaga.

Em 2011 estreou-se no Portugal Fashion, onde apresenta habitualmente coleções.

Continuar a ler

Vila Verde

Homem morre em despiste em Vila Verde

Em Cabanelas

em

Foto: O MINHO

Um homem de 77 anos, natural da freguesia de Cervães, morreu ao início da tarde deste domingo, na sequência de um despiste, na zona junto à Churrascaria Pimpão, na freguesia de Cabanelas, em Vila Verde. O alerta foi dado pelas 12:38.

Abel Pereira, terá, alegadamente, sofrido, uma paragem cardiorrespiratória, quando seguia ao volante. O carro entrou em despiste e embateu num muro de uma moradia não tendo provocado mais nenhuma vítima.

Foto: O MINHO

Os Bombeiros de Vila Verde estiveram no local com uma viatura de desencarceramento e uma ambulância. A GNR de Prado tomou conta da ocorrência.

Notícia atualizada às 16h19.

Continuar a ler

Região

Morreu o homem “mais velho” do Minho aos 106 anos

Poucas horas mais tarde, morreu, também, o homem mais velho do mundo, no Japão

em

José Antas. Foto: José Costa Lima (2016) / Direitos Reservados

José Antas, de Cabração, Ponte de Lima, morreu este sábado à noite aos 106 anos.

Zezinho da Bemposta, como era conhecido, nasceu a 29 de junho de 1912, e era considerado a pessoa mais velha da região, no âmbito da iniciativa A pessoa mais velha do Minho, lançada pelo jornal O MINHO no ano passado.

José Antas viveu 106 anos, 6 meses, e 19 dias. Foto: Divulgação

O funeral do centenário é esta segunda-feira, às 10:30 da manhã.

Poucas horas depois da morte de José Antas, morreu o homem mais velho do mundo, aos 113 anos em sua casa, numa pousada com fontes termais, no norte do Japão.

Masazo Nonaka foi certificado no ano passado como o homem mais velho do mundo. Foto: DR

A família informou que Masazo Nonaka morreu na madrugada deste domingo enquanto dormia em casa, em Ashoro, na ilha de Hokkaido, no norte do Japão.

Os seus familiares disseram ainda que Nonaka morreu pacificamente, de causas naturais.

Em Portugal e no Mundo

Segundo dados oficiais, a pessoa mais velha de sempre foi o francês Jeanne Calment, que viveu 122 anos e 164 dias, entre 1875 e 1997.

Na lista das pessoas com maior longevidade de sempre, aparece uma portuguesa. Maria de Jesus, de Ourém, distrito de Santarém, foi a 36.ª do mundo a viver mais anos. Viveu 115 anos e 114 dias, entre 10 de setembro de 1893 e 02 de janeiro de 2009.

As pessoas que atingem os 110 anos de idade são designadas de supercentenárias.

Continuar a ler

Populares