Seguir o O MINHO

Desporto

Médico do Moreirense: “Só saiam em caso de urgência”

Entrevista

em

Foto: Liga Portugal / Divulgação

A luta contra a pandemia covid-19 prossegue, mas também as vozes de confiança se multiplicam. Marco Oliveira, médico do Moreirense FC, acredita que vamos ultrapassar esta fase, não escondendo, ainda assim, a “preocupação” pela situação que vivemos.

O responsável pelo departamento médico da formação cónega relembra a importância do cumprimento das normas recomendadas pela DGS, revelando que o clube “adotou medidas que vão de encontro às indicações dadas pela Comissão Permanente de Calendários da Liga Portugal”.

Como é que a equipa médica do Moreirense FC está a acompanhar a pandemia do Covid-19?

O Departamento Médico do Moreirense FC acompanha esta situação com muita preocupação, com muita atenção e também com muito rigor.

Preocupação porque o número de infetados, o número de doentes a necessitar de suportes ventilatórios e o número de mortes tem aumentado de uma forma quase exponencial. Muita atenção porque, de acordo com indicações da OMS, o centro da pandemia, brevemente, irá mudar da Europa para os Estados Unidos da América, o que não implica que não tenhamos de manter as nossas medidas, normas e indicações dadas quer pela DGS, quer pela OMS. E rigor porque todos os dias, como sabem, sai literatura acerca desta pandemia e procuramos estar atualizados para termos um comportamento e uma forma mais eficaz de combater o COVID-19.

Que cuidados devem ter os portugueses?

Os cuidados que os portugueses devem ter são aqueles que são explícitos e recordados constantemente pela DGS. Consistem em lavar frequentemente as mãos, em manter uma distância social em relação ao próximo, que deve ser de cerca de dois metros. Respeitar as normas da etiqueta respiratória, nomeadamente quando tossir, colocar um lenço e descartá-lo imediatamente ou então colocar o antebraço ou o cotovelo à frente da cara, para proteger o próximo da tosse. Também manter uma boa higiene pessoal, e, para além disso, uma outra medida muito simples que é deixar sempre os sapatos com os quais vão à rua fora de casa e andar com outro calçado dentro da habitação.

Quais as medidas adotadas pelo clube para prevenir a situação?

O clube adotou medidas que vão de encontro às indicações dadas pela Comissão Permanente da Liga Portugal. A indicação para o confinamento no domicílio e para os atletas saírem de casa unicamente em duas situações: adquirir bens essenciais e no caso de algum problema de saúde grave. Nós alertamos atletas todos os dias para os sinais e sintomas que o COVID-19 pode dar. Criamos, inclusive, um questionário que os atletas têm de responder diariamente com as perguntas obrigatórias do coronavírus: se tem tosse, febre, mialgias…e este questionário é extensível à equipa técnica, staff e estrutura, de forma a conseguirmos tirar uma fotografia ao estado do clube.

Os jogadores estão a cumprir algum plano específico para manter a forma física?

Os atletas estão a cumprir um plano específico e rigoroso no domicílio, elaborado pela equipa técnica, em conjunto com o nosso Departamento de Performance. Aquando da entrada do estado de alerta, nós percebemos imediatamente que numa questão de dias iríamos entrar num estado de emergência e, portanto, rapidamente apetrechamos as casas de todos os jogadores com material próprio para poderem ter uma atividade desportiva e um plano condizente, como atletas de alta competição que são. E têm um programa semanal, um microciclo, semelhante e com a mesma rotina diária que teriam caso estivessem a treinar. Obviamente que não é o mesmo tipo de estímulo, mas permite manter as rotinas e algum condicionamento cardiorrespiratório.

Que atividades recomenda ao plantel para ocupar os tempos livres em casa?

O nosso Departamento Médico é um departamento que nós agora denominamos de Saúde e Performance. É constituído por dois médicos, por mim e pelo Dr. João Moura, por dois fisioterapeutas, o Mário Correia e o Rui Magalhães, um massagista, o Carlos Machado, por um nutricionista, que é o Dr. Fernando Ribeiro, por um psicólogo, que é o Dr. Daniel Pereira, e por dois fisiologistas, que são o Fábio Campos e o Pedro Mesquita. E, portanto, tanto nesta altura em que estamos de quarentena, confinados ao domicílio, como antes e certamente depois disto, procuramos manter os atletas ocupados e estimulados, quer a nível físico, quer a nível mental. Convém referir que, antes de ser decretado o estado de emergência, e isto é um reconhecimento que devemos fazer ao Moreirense FC e nomeadamente ao Presidente, o senhor Vítor Magalhães, nós, no espaço de dois/três dias, conseguimos apetrechar a casa dos atletas com bicicletas estáticas, elásticos TRX, colchões, halteres, pesos. Tudo para que eles possam fazer um treino com o mínimo de condições e manterem algum condicionamento muscular e cardiorrespiratório. Para além disso, os nossos atletas lesionados estão em permanente contacto connosco e com os nossos fisioterapeutas, cumprindo um plano de reabilitação específico. Não podemos, obviamente, esquecer a parte da nutrição e do peso, e nisso tenho de dar uma palavra ao nosso nutricionista, que é sempre muito ativo e educativo a falar com os atletas. Está muito próximo deles e tem de facto incentivado e educado a fazerem uma alimentação saudável, não caírem em asneiras, porque provavelmente, no tempo que estamos em casa, vamos mais vezes ao frigorífico, e ele tem sido muito ativo a colocar normas e apresentações no nosso grupo de WhatsApp, para que todos se alimentem e tenham boas regras de alimentação. Por último, o nosso psicólogo, que procura manter o plantel ativo, estimulado e equilibrado, do ponto de vista mental, de maneira a quebrar um bocadinho com a monotonia do dia-a-dia.

Como profissional de saúde, tem alguma recomendação para deixar aos portugueses?

As indicações que deixamos são as que estão patentes na DGS e que são lembradas e relembradas, todos os dias, pela comunicação social. As pessoas que podem devem manter-se em casa, sair só em caso de urgência, de saúde, urgência hospitalar ou para adquirir bens essenciais. Evitar contacto social, manter a distância social de cerca de dois metros e lavar frequentemente as mãos. Manter as boas regras de higiene e de etiqueta da tosse e vigiar os sinais e sintomas, nomeadamente a tosse, febre, dores musculares e de garganta e acreditamos piamente que, se cumprirmos as indicações, vai ficar tudo bem.

Anúncio

Futebol

Dezenas de adeptos no acesso ao estádio do Famalicão

Regresso do futebol

em

Imagem via Fama TV

Algumas dezenas de adeptos do FC Porto e do Famalicão reuniram-se hoje nas imediações do Estádio Municipal 22 de junho, na cidade minhota, para saudar a chegada das duas equipas ao recinto, antes da partida 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol.

Os apoiantes concentraram-se num dos acessos ao recinto, na parte exterior de um perímetro de segurança montado pela Polícia de Segurança Pública no local, e aplaudiram, de forma efusiva, a chegadas dos dois autocarros das equipas.

Apesar do distanciamento de segurança nem sempre ter sido cumprido, a maioria dos apoiantes que se concentraram no local estava a usar máscaras e com um comportamento ordeiro, que chegou a merecer elogios do responsável da PSP.

“Operação está a correr de forma favorável. O perímetro de segurança que foi montado tem resultado. Pudemos contar com a colaboração dos adeptos que não comparecerem em grande número e os que surgiram tiveram um comportamento favorável”, disse Rui Pereira, subintendente da PSP, do comando distrital de Braga.

Para esta operação, foram destacados quase 100 elementos desta força policial, que vão controlar os adeptos, sobretudo do FC Porto, que pretendem ficar nas imediações do estádio a apoiar a equipa.

Já os adeptos do Famalicão estão, na maioria, concentrados nas janelas e varandas dos prédios e em alguns cafés das ruas envolventes ao estádio, não havendo, por enquanto, registo de incidentes entre apoiantes das duas formações.

A partida entre Famalicão e FC Porto, da 25.ª jornada, que marca a retoma do campeonato para os dois conjuntos depois da paragem devido à pandemia de covid-19, tem início agendado para as 21:15, e terá arbitragem de Nuno Almeida, da Associação de Futebol do Algarve.

Continuar a ler

Futebol

Gil Vicente perde em Portimão no regresso do futebol (ao fim de 83 dias)

Lucas marcou o único golo da partida

em

Imagem via SportTV

O Gil Vicente perdeu, esta quarta-feira, por 1-0, no reduto do Portimonense, em jogo contar para a 25.ª jornada da I Liga.

No regresso do futebol profissional ao fim de 83 dias de interregno face à pandemia de covid-19, os algarvios levaram a melhor, com golo de Lucas, aos 49 minutos

O conjunto algarvio interromper uma série de 12 encontros sem vencer e somar o terceiro triunfo na prova.

Com esta vitória, o Portimonense, 17.º e penúltimo classificado, com 19 pontos, colocou-se, provisoriamente, a três pontos da zona de manutenção, enquanto o Gil Vicente segue no nono lugar, com 30.

Ficha de Jogo

Jogo no Estádio Municipal de Portimão.

Portimonense – Gil Vicente: 1-0.

Ao intervalo: 0-0.

Marcador:

1-0, Lucas Fernandes, aos 49 minutos.

Equipas:

– Portimonense: Gonda, Hackman, Lucas, Willyan, Henrique (Rómulo, 79), Aylton Boa Morte (Jadson, 90), Dener, Júnior Tavares, Tabata, Lucas Fernandes e Jackson Martinez (Vaz Tê, 84).

(Suplentes: Ricardo Ferreira, Jadson, Rómulo, Marlos, Vaz Tê, Anzai e Fernando).

Treinador: Paulo Sérgio.

– Gil Vicente: Denis, Alex Pinto, Igor Nogueira, Ruben Fernandes, Henrique Gomes, Kraev, Soares, Claude Gonçalves (Vítor Carvalho, 81), Baraye (Samuel Lino, 70), Ruben Ribeiro (Hugo Vieira, 70) e Sandro Lima.

(Suplentes: Bruno, João Afonso, Hugo Vieira, Arthur Henrique, Vítor Carvalho, Edwin e Samuel Lino).

Treinador: Vítor Oliveira.

Árbitro: Hugo Miguel (AF de Lisboa).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Soares (57) e Claude Gonçalves (75).

Assistência: Jogo realizado à porta fechada devido à pandemia de covid-19.

Continuar a ler

Futebol

Liga de clubes decreta minuto de silêncio em homenagem às vítimas covid

Futebol

em

Foto: O MINHO / Arquivo

Os nove jogos da 25.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol vão ser antecedidos de um minuto de silêncio, em homenagem às vítimas da covid-19, informou hoje a Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), em comunicado.

“A Liga Portugal decretou um minuto de silêncio em todos os jogos da ronda 25 da I Liga, em memória das vítimas da covid-19, que, até ao momento, retirou a vida a mais de seis milhões de pessoas, à escala mundial”, pode ler-se na nota emitida pelo organismo.

Apesar de reconhecer o “momento de regozijo” pela retoma do campeonato, parado desde março, devido à crise mundial de saúde pública, a LPFP vincou que não se esquece “daqueles que, mais ou menos diretamente, foram tocados pela pandemia”.

A I Liga de futebol regressa hoje, após quase três meses de paragem, sem público nas bancadas, com um rigoroso protocolo sanitário e testagem regular aos jogadores ao novo coronavírus e com os jogos ao final da tarde e noite, maioritariamente durante a semana.

O arranque da 25.ª jornada aconteceu em Portimão, com o embate entre Portimonense e Gil Vicente, às 19:00, antes de o líder FC Porto jogar no reduto do Famalicão, às 21:15.

Os campeonatos de futebol de França, Escócia, Bélgica e dos Países Baixos foram cancelados, enquanto outros países preparam o regresso à competição, com fortes restrições, como sucede em Inglaterra, Itália, Espanha e Portugal, que tem o reinício da I Liga previsto para hoje. A Liga alemã regressou em 16 de maio.

A nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 380 mil mortos e infetou quase 6,4 milhões de pessoas em 196 países e territórios. Mais de 2,7 milhões de doentes foram considerados curados.

Continuar a ler

Populares