Seguir o O MINHO

Futebol

Liga de futebol sem data para regresso das competições

Covid-19

em

Foto: nunomartins.com

A Comissão Permanente de Calendários da Liga de clubes informou, esta segunda-feira, que ainda não existe data para o regresso das competições em Portugal, devido à pandemia de Covid-19, reforçando que as equipas de futebol não devem treinar em grupo.

“Perante a situação atual que vivemos ainda não se mostra possível aferir de uma data expectável para o regresso das competições”, pode ler-se no comunicado divulgado pela Liga Portugal.

O ponto da situação foi revelado depois da uma reunião por videoconferência, que contou com a presença de todos os clubes que integram a Comissão (Benfica, FC Porto, Sporting, Tondela, Gil Vicente, Cova da Piedade, Leixões e Mafra), assim como os respetivos responsáveis clínicos e operadores televisivos.

A Comissão indica ainda que os clubes “recomendam a todas as equipas a suspensão dos treinos em grupo, assim como da promoção de uma conduta de contenção social de todos os agentes desportivos”.

Na mesma nota, é referido que se “aguarda pelas conclusões da reunião de terça-feira com a UEFA”, em Nyon, na Suíça, onde a Liga Portugal vai estar representada.

O coronavírus responsável pela pandemia da Covid-19 infetou cerca de 170 mil pessoas, das quais 6.500 morreram. Das pessoas infetadas em todo o mundo, mais de 75 mil recuperaram da doença.

O surto começou na China, em dezembro, e espalhou-se por mais de 140 países e territórios, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Portugal registou, esta segunda-feira, a primeira morte, anunciou a ministra da Saúde, Marta Temido, e há 331 pessoas infetadas, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Anúncio

Futebol

João Carlos Teixeira aceita discutir redução de salário no Vitória

Covid-19

em

João Carlos Teixeira
Foto: Facebook Vitória SC

O futebolista João Carlos Teixeira afirmou hoje estar disposto a negociar a redução do salário auferido no Vitória SC, depois de a pandemia da Covid-19 ter ditado a interrupção da I Liga portuguesa.

Apesar de nenhum dos 18 clubes do escalão ter anunciado, para já, reduções nos salários dos jogadores, o médio ofensivo, de 27 anos, realçou que o surto do novo Coronavírus está a atingir o futebol “pela negativa” e mostrou-se disponível para “ajudar” o Vitória SC, se a administração presidida por Miguel Pinto Lisboa entender a redução salarial como medida necessária.

“Em relação a assuntos monetários, para já nada nos foi ainda informado. Mas falo por mim e, acredito, pelos meus companheiros: vamos tentar ajudar o clube. Se isso tiver de acontecer, não vamos ser o problema. Vamos tentar ser a solução. Neste momento, o que precisamos é de harmonia e de entreajuda entre as pessoas para que as coisas não sejam piores do que já vão ser”, disse aos jornalistas, numa videoconferência promovida pelos minhotos.

João Carlos Teixeira evocou esses mesmos problemas financeiros com que os clubes se podem deparar para defender que “era importante” o campeonato, com 10 jornadas ainda por realizar, poder terminar, “mesmo com jogos à porta fechada”.

Para a conclusão da prova ser possível, o médio formado no Sporting vincou que as equipas deveriam regressar à competição até junho ou julho, com os plantéis a realizarem uma “mini pré-época” de quatro semanas para ficarem “bem fisicamente” e a Liga Portuguesa de Futebol Profissional a decidir se haveria jogos ao fim de semana e à semana ou apenas nos fins de semana.

Com oito golos em 26 jogos oficiais, dois deles no triunfo sobre o Paços de Ferreira (2-1), que antecedeu a paragem, em 08 de março, João Carlos Teixeira reconheceu que a época 2019/20 estava a ser “a melhor” da carreira, tendo explicado a subida de rendimento face a anos anteriores com o sistema tático montado pelo treinador Ivo Vieira.

“Adapto-me bem ao estilo de jogo, pela liberdade que me dá em campo. Permite-me estar mais perto da área, fazer mais golos, para estar em mais zonas e espaços do campo. Estava a aproveitar da melhor forma e as coisas estavam a correr bem”, disse o jogador da equipa que ocupa o sexto lugar, com 37 pontos.

Questionado sobre a continuidade do técnico, cujo contrato com os vimaranenses termina em 30 de junho de 2020, o médio, ex-jogador do FC Porto e do Sporting de Braga, realçou que a “estrutura” vitoriana é que deve esclarecer o futuro de Ivo Vieira.

O jogador confessou ainda que gostaria de ver o Liverpool, clube da I Liga inglesa ao qual esteve vinculado entre 2012 e 2016 e onde ainda guarda pessoas com quem “mantém contacto”, como o avançado Roberto Firmino, sagrar-se campeão, se o campeonato for retomado – tem 25 pontos de vantagem para o segundo, Manchester City, a nove jornadas do fim.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 727 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 35 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 142.300 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 2 de abril, registaram-se 140 mortes e 6.408 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Futebol

Perdas “muito elevadas para indústria do futebol”, dizem especialistas

Covid-19

em

Foto: DR/Arquivo

A paragem do futebol nacional devido à pandemia covid-19 trará perdas “muito elevadas” para a indústria do futebol e os seus vários agentes, apontaram à agência Lusa os especialistas em direito do desporto Alfredo Silva e Daniel Sá.

Segundo o professor da Escola Superior de Desporto de Rio Maior e coordenador da licenciatura de Gestão das Organizações Desportivas Alfredo Silva, as perdas para a indústria do futebol, na qual inclui “clubes, SADs, ‘media’, fornecedores de marketing, eventos, alimentação, equipamentos” e outros, são “muito elevadas”.

Pelas contas do docente universitário, o “impacto global” de uma paragem de um mês, por exemplo, será “superior a 40 milhões de euros”, em números estimados a partir de uma observação do fluxo económico das SAD de Benfica, FC Porto e Sporting.

O especialista em marketing desportivo e diretor executivo do Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) Daniel Sá divide em três cenários as possibilidades de impacto da pandemia.

Por um lado, segundo explicou à Lusa, um em que “a Liga não chega a terminar”, outro em que a Liga “é retomada de uma forma ou outra, com um ‘play-off’ ou outra solução intermédia”, e um terceiro em que se consegue “terminar a época com todos os jogos restantes”.

Salvaguardando que “o impacto é muito diferente consoante cada um destes cenários”, a possibilidade de terminar todos os jogos restantes na I Liga mostra uma tendência “negativa, mas bastante reduzida”, prevendo-se até “mais adesão de público, por ter estado tanto tempo afastado”.

Os outros dois cenários dão lugar a previsões “mais complicadas”, porque os clubes “mantêm praticamente todos os custos e perderam quase todas as receitas”, a começar pela bilheteira.

Com mais de 3,5 milhões de espetadores em 2018/19, o que equivale, pelas contas de Daniel Sá, a um rendimento de 80 milhões de euros de bilheteira, na parte remanescente do campeonato, por agora suspensa, há aí a fatia “mais interessante”, uma vez que são “jogos decisivos”.

Assim, estima o especialista, a perda pode chegar a “um quarto das receitas de bilheteira, que estão concentradas na fase final”.

Se Daniel Sá considera que o problema se estende também aos direitos de transmissão, que deverão ser renegociados, e a patrocinadores “de Liga, federação e clubes”, Alfredo Silva concorda que a área “designada ‘commercials'”, que inclui alugueres, os museus e venda de produtos licenciados e publicidade, vai sofrer, podendo chegar a “perdas mensais de nove milhões de euros”.

“O ‘merchandising’ não tem tanta expressão em Portugal, mas é uma fatia no meio de tudo isto. Com as lojas fechadas, as vendas caem. Por outro lado, há as transferências de jogadores, porque sem jogos os jogadores não valorizam, e o mercado está condicionado”, atira Daniel Sá.

O docente universitário no IPAM realça ainda que o mercado português enquanto “vendedor” de futebolistas está ameaçado por “esta crise que afeta toda a gente”, porque “todos os clubes europeus terão menos dinheiro”.

Daniel Sá alerta ainda para os riscos “de desemprego, de redução salarial e renegociação” de condições contratuais, ainda que veja esta, também, como uma oportunidade para “repensar algumas coisas no futebol”, como o excesso de competições e o “televisionamento a mais” dos jogos, porque diz não saber “se o mercado aguenta tanto”.

O novo coronavírus surgiu na China, em dezembro de 2019, mas o surto espalhou-se por todo o mundo, tendo levado a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Inicialmente alguns eventos desportivos foram disputados sem público, mas, depois, começaram a ser cancelados, adiados – entre os quais se destacam os Jogos Olímpicos Tóquio2020, o Euro2020 e a Copa América – ou suspensos, nos casos dos campeonatos nacionais e internacionais de todas as modalidades.

Continuar a ler

Futebol

Sporting vai doar 120 mil máscaras e 80 mil pares de luvas às misericórdias

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

O Sporting anunciou hoje que vai entregar 120 mil máscaras cirúrgicas e 80 mil pares de luvas à União das Misericórdias, para ajudar no combate à pandemia da covid-19.

“O Sporting Clube de Portugal disponibilizou-se para oferecer a todas as instituições da União das Misericórdias que albergam e cuidam de pessoas com deficiência profunda e de pessoas com outras deficiências ou perturbação mental, o equipamento necessário para garantir a segurança de todos pelo período de um mês, perfazendo um total de 120 mil máscaras cirúrgicas e 80 mil pares de luvas, a serem entregues brevemente”, refere o clube em comunicado.

Os ‘leões’ explicam que com esta doação, através da Fundação Sporting, pretendem ajudar, depois de um alerta do presidente da União das Misericórdias, Manuel Lemos, sobre as “consequências gravíssimas” que a falta de material de proteção individual estava a causar aos milhares de trabalhadores.

Manuel Lemos afirmou que esta doação será “muito importante para a proteção e bom funcionamento” dos utentes e dos colaboradores das instituições e mostra que a sociedade portuguesa é “empreendedora e generosa”.

“Infelizmente, as nossas necessidades não se esgotam aqui. Precisamos do apoio de todos para a proteção das instituições que acolhem os idosos”, alertou.

Pela Fundação Sporting, Maria Serrano garantiu que vão continuar a fazer tudo para “ajudar os que mais precisam”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 667 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 31.000. Dos casos de infeção, pelo menos 134.700 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia. Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 119 mortes e 5.962 casos de infeções confirmadas. Dos infetados, 486 estão internados, 138 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Populares