Leilão eólico ‘offshore’ lançado este ano e vencedor deve ser conhecido em 2024

Ana Fontoura Gouveia. Foto: Lusa

A secretária de Estado da Energia, Ana Fontoura Gouveia, disse hoje que o leilão eólico ‘offshore’ vai ser lançado até ao final deste ano, devendo o vencedor ser conhecido em 2024.

Falando aos jornalistas à margem da Lisbon Energy Summit & Exhibition 2023, que decorre até dia 01 de junho em Lisboa, a secretária de Estado afirmou que “certamente” o leilão será lançado este ano, e reiterou que o “processo será gradual”, estando previsto o lançamento “de mais leilões ao longo dos próximos anos”.

O Governo tem assumido a ambição de atingir uma capacidade instalada de eólico ‘offshore’ de 10 GW em 2030, a atribuir por leilão.

Questionada sobre se o vencedor do leilão não será conhecido ainda durante este ano, Ana Fontoura Gouveia assumiu que esse será o cenário mais provável, pelo que apenas em 2024 deverão ser conhecidos os vencedores das primeiras áreas disponibilizadas no âmbito deste primeiro leilão.

Sem adiantar detalhes, a secretária de Estado referiu que as áreas do norte do país “são as que têm melhores condições para a produção eólica ‘offshore’”, sendo “natural” que se comece por aí.

Todo este planeamento, precisou, vai depender do relatório técnico do grupo de trabalho que está a ser feito e que é entregue esta terça-feira ao Governo.

“Teremos um trabalho intenso durante o verão, se queremos lançar o leilão ainda este ano, e estamos determinados a fazê-lo, o processo tem de ser célere com base no trabalho técnico”, referiu, sem querer comprometer-se com uma data para o arranque do leilão.

Antes, na sessão de abertura deste evento, o ministro do Ambiente, Duarte Cordeiro, tinha referido já ter sido definida a proposta preliminar das zonas de instalação das torres eólicas ‘offshore’, que vão ser leiloadas por fases, e que estes leilões arrancariam ainda este ano.

À margem da conferência, a secretária de Estado afirmou ainda que a estratégia nacional para o hidrogénio vai ser atualizada, em função dos investimentos que estão na calha.

“Os fatores de competitividade do nosso país permitiram-nos atrair muitos projetos […] e neste momento diria que, face àquela que era a capacidade prevista na estratégia nacional de hidrogénio, iremos multiplicar isso por um fator de dois ou de três”, disse a governante, exemplificando nomeadamente com investimentos que incluem o SAF [sigla inglesa para combustíveis sustentáveis para a aviação].

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Casa Peixoto, de Viana, aposta em 'chave na mão' para todas as áreas da casa

Próximo Artigo

Arcos de Valdevez amplia creche de zona industrial para acolher mais 36 crianças

Artigos Relacionados
x