Seguir o O MINHO

Alto Minho

Bombeiros procuram jovem desaparecido no rio Minho durante triatlo

Em Cerveira.

em

Foto: Infomiño.com

Os Bombeiros de Cerveira e a Polícia Marítima estão a efetuar buscas por um jovem que terá desaparecido no rio Minho, durante uma prova de triatlo, este domingo.

Ao que O MINHO apurou junto de fonte dos bombeiros, a operação de resgate decorre pelas 17:30 deste domingo depois do alerta ter sido dado por volta das 15:45.

Foto: Infomiño.com

A mesma fonte indica que as primeiras informações apontavam tratar-se de um jovem de 17 anos. No entanto, é possível que tenha 23 anos, de acordo com fonte da Capitania de Caminha.

De acordo com informações prestadas pela rádio Vale do Minho, o jovem participava no Triatlo da Amizade, prova que liga Tomino (Galiza) a Cerveira (Minho).

Os atletas teriam de fazer um percurso de 750 metros no rio Minho.

O evento é organizado pela Câmara de Vila Nova de Cerveira, Concello de Tomiño, Federação Portuguesa de Triatlo, Federacion Galega de Triatlon e Pedal”Arte.

No local estão seis viaturas e 19 operacionais a proceder à operação de busca e resgate.

Notícia atualizada às 19h13

Anúncio

Alto Minho

Ponte de Lima: Páscoa de Fontão, tradição interrompida – “O chefe lá em cima não deixou”

Covid-19

em

Foto: DR

Vídeo: YouTube (2019)

No domingo de Páscoa, em Fontão, Ponte de Lima, mais de 500 convivas reunir-se-iam em longas mesas onde abundariam os filetes, o cabrito, a vitela e a doçaria tradicional, num almoço providenciado pelo Mordomo da Cruz, Norberto Fernandes. Só que nada disso vai acontecer este ano.

A pandemia de covid-19 e as consequentes medidas de contenção da propagação do vírus impostas pelo Governo levaram, naturalmente, ao cancelamento de uma das mais conhecidas festas de Páscoa. Terá sido a primeira vez que esta tradição, tão enraizada na cultura limiana cujo início é indocumentável, não se realizou. “Segundo consta, não há memória de alguma vez ter sido cancelada, nem na altura da gripe espanhola, em 1918”, nota, em conversa com O MINHO, Norberto Fernandes.

“Foi tudo cancelado. Faremos para o ano, se tudo correr bem”, acrescenta o Mordomo da Cruz, que recebeu na Páscoa do ano passado o testemunho do seu irmão Orlando. Como este ano não se realiza a festa, Norberto Fernandes adianta que será ele novamente o Mordodo da Cruz em 2021: “É 99,9% certo, se Deus quiser”.

Mordomo é escolhido todos os anos

Escolha em 2019. Foto: DR

Todos os anos, o Mordomo da Cruz oferece o almoço, no domingo, à população e, nesse mesmo repasto, escolhe o seu sucessor. O anúncio da seleção também cumpre um ritual: a mulher do anfitrião deposita o ramo da cruz nas mãos do eleito. São também escolhidos os dois Mordomos do Senhor, que acompanham o ‘principal’ (este ano, são o Paulo e o Carlos). E, além de dar de comer a quase toda a freguesia, o mordomo tem ainda que, durante um ano, assegurar a limpeza da igreja e os serviços do sacristão.

Tradicionalmente, na segunda-feira de Páscoa, o compasso volta a percorrer a freguesia, o almoço é “mais curto” e o regresso faz-se já de noite com os mordomos, na reta final, a serem levados em ombros pelos jovens da freguesia até à igreja.

Era isto tudo que iria acontecer, como sempre, não fosse a normalidade dos nossos dias ter sido terraplanada pela pandemia de covid-19.

Já havia quem tivesse comprado bilhetes de avião

Almoço de 2017. Foto: DR

Norberto Fernandes, 62 anos, carpinteiro, que já há 33 anos havia sido Mordomo do Senhor, não esconde a desilusão. A da comunidade, em geral, e a sua, em particular: “Há desilusão, mas são coisas que nos ultrapassam. Para nós, custou bastante, porque tínhamos tudo organizadinho para que desse certo. Íamos colocar a tenda [onde é servido o almoço] 15 dias antes para que se fizesse lá a montagem do ramo, no sábado de ramos. (…) Fazia cinquenta anos que foi o meu sogro [o mordomo] e eu fazia todo o gosto em fazer este ano, mas o chefe lá em cima não quis que a gente fizesse, pronto”.

O mordomo conta, também, a O MINHO que “já havia gente de fora que tinha adquirido o bilhete de avião” para participar no almoço.

Já ao nível da organização, toda a logística estava preparada, mas ainda “deu para cancelar, a tenda, o aluguer das louças, tudo isso”, pelo que não houve prejuízos de maior. Mesmo assim, “há sempre uns gastos, mas fica para o ano”, acrescenta.

A tradição será retomada em 2021. Se “o chefe lá em cima” deixar.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais mais de 75 mil morreram. Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 708 mil infetados e mais de 55 mil mortos, é aquele onde se regista o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, contabilizando 16.523 óbitos em 132.547 casos confirmados até segunda-feira.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes e 12.442 casos de infeções confirmadas.

Continuar a ler

Alto Minho

Arcos de Valdevez reclama profissionais de saúde para hospitais de retaguarda

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Câmara de Arcos de Valdevez apelou hoje ao Governo para contratar recursos humanos que permitam o funcionamento, no imediato, dos hospitais de retaguarda à covid-19 criados no distrito de Viana do Castelo para doentes em recuperação.

“Peço a atenção do Governo para disponibilizar os recursos necessários à contratação de profissionais de saúde, médicos e enfermeiros e de equipamentos que permitam para colocar os hospitais de retaguarda criados na região rapidamente a funcionar. A falta desses recursos humanos está a levar à transferência de idosos com covid-19, que recebem alta hospitalar, para os lares”, alertou José Manuel Esteves.

O autarca social-democrata referiu que os hospitais de retaguarda que foram criados na região “tem de estar dotados de condições técnicas, médicos, enfermeiros e equipamentos hospitalares para responderem às necessidades dos idosos com covid-19, que apesar de terem recebido alta hospitalar, ainda necessitam de cuidados especializados de saúde”.

“Podem não estar no hospital, que é o local onde se trata a fase aguda da doença, mas tem de ter uma alternativa, chamem-lhe hospital de retaguarda, chamem-lhe o que quiserem. Estes doentes não podem ser transferidos para os lares que não têm esses recursos”, reforçou.

O autarca referiu que os dados da Autoridade de Saúde que lhe foram hoje fornecidos, em Arcos de Valdevez há 33 casos de infeção por covid-19.

No concelho, o Centro Paroquial e Social de Santa Maria de Grade com 39 utentes e 20 funcionários, é o caso mais grave de infeção pelo novo coronavírus.

Segundo João Manuel Esteves, “atualmente estão disponíveis em arcos de Valdevez cerca de 260 camas, distribuídas por cinco espaços, para pessoas em quarentena, devidamente equipados e desinfetados, de acordo com as orientações da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Na semana passada, o centro cultural de Viana do Castelo, a maior sala de espetáculos do Alto Minho, foi transformado em hospital de campanha com 121 camas destinadas a acolher doentes com covid-19, sendo que a estrutura “poderá ir até às 200, com alas feminina e masculina”.

“Neste momento, o espaço dispõe de 100 camas e enfermaria, 21 quartos individuais, sala de tratamentos, sala de convívio e refeições, unidade de gabinete médico, balneários masculinos e femininos, unidade de armazenamento de equipamento para sujos e limpos, dois acessos diferenciados de entradas e saídas e 80 cacifos individuais”, especificou uma nota da Câmara de Viana do Castelo.

No comunicado, a autarquia da capital de distrito explicou que o “hospital de retaguarda já se encontra disponível, após vistoria onde marcaram presença o presidente da Câmara, o presidente do conselho de administração da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) e a presidente da União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social (UDIPSS) de Viana do Castelo.

“Ao todo, o hospital de retaguarda conta com 121 camas, mas poderá ir até às 200, com alas feminina e masculina. Neste momento, o espaço dispõe de 100 camas e enfermaria, 21 quartos individuais, sala de tratamentos, sala de convívio e refeições, unidade de gabinete médico, balneários masculinos e femininos, unidade de armazenamento de equipamento para sujos e limpos, dois acessos diferenciados de entradas e saídas e 80 cacifos individuais”, especifica a nota.

Já esta semana, a Liga dos Amigos do Hospital de Viana do Castelo (LAHSL) disponibilizou à ULSAM 50 camas num hospital de retaguarda criado por uma rede de voluntários no pavilhão gimnodesportivo do seminário diocesano de Viana do Castelo.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil.

Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Dos infetados, 1.180 estão internados, 271 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 184 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até ao final do dia 17 de abril, depois do prolongamento aprovado na quinta-feira na Assembleia da República.

Além disso, o Governo declarou no dia 17 de março o estado de calamidade pública para o concelho de Ovar.

Continuar a ler

Alto Minho

Câmara de Caminha leva pão de ló e doçaria tradicional da Páscoa a casa das pessoas

Covid-19

em

Foto: Divulgação / CM Caminha

A Câmara de Caminha, em parceira com nove pastelarias, vai “levar” pão de ló e doçaria tradicional, porta a porta, à casa das pessoas que estão recolhidas por causa da pandemia de covid-19, proporcionando-lhes um “pedacinho” de Páscoa.

“Se as pessoas não podem sair para festejar a Páscoa por causa do estado de emergência, então um pedacinho de Páscoa vai até à casa das pessoas, levando o pão de ló e doçaria tradicional da Páscoa às freguesias do concelho”, afirmou hoje à Lusa o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves.

Contactado pela agência Lusa, a propósito da iniciativa hoje divulgada pela autarquia do distrito de Viana do Castelo, o autarca socialista explicou que aquele “serviço só é gratuito para quem não pode pagar, tal como o resto com a restante rede de apoio às famílias criada pelo município para minimizar os efeitos da pandemia de covid-19”.

“Apenas as famílias referenciadas não pagam, é a câmara que assume os custos. Esta é uma forma de mantermos o espírito das famílias em alta depois de três semanas de confinamento, especialmente os idosos marcados pelas saudades dos que não puderam, este ano, vir a casa celebrar a Páscoa”, especificou.

Na nota hoje enviada às redações, a autarquia explicou que o projeto “une” o município e nove pastelarias do concelho.

Cada “munícipe pode contactar diretamente cada uma destas pastelarias ou a própria câmara, através dos números de telefone da Rede Complementar de Apoio e encomendar o seu pão de ló ou os bolinhos típicos da quadra, de modo a que os mesmos sejam entregues no domicílio”.

“Sinto que as saudades da família apertam cada vez mais e vejo as pessoas tristes por terem uma Páscoa diferente do habitual. Acho que estamos num momento decisivo do nosso isolamento enquanto comunidade, as pessoas estão cansadas e sentem muito a falta de uma tradição tão importante como a do compasso pascal e da visita da família. Este é um gesto de carinho e homenagem”, sustentou o autarca.

A câmara “chegou também a acordo com o arciprestado de Caminha, de modo a que os sinos de todas as igrejas possam tocar de forma festiva ao meio-dia do Domingo de Páscoa”.

“Tanto sacrifício, tanta perseverança da população, merece um bocadinho da Páscoa tradicional. É pouco perante o que o povo tem feito, mas é um detalhe que acho que todos valorizarão”, acrescentou.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,3 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 75 mil. Dos casos de infeção, cerca de 290 mil são considerados curados.

Em Portugal, segundo o balanço feito na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Dos infetados, 1.180 estão internados, 271 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 184 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Populares