INL quer criar ‘cluster’ biotecnológico no Norte de Portugal e Galiza

Programa que disponibiliza 1.8 milhões dirigido a PME da área da biotecnologia tem candidaturas abertas até 18 de janeiro.

O Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia desenvolveu, em parceria com outras entidades, um programa que disponibiliza 1.8 milhões de euros para “criar um ‘cluster’ biotecnológico no Norte de Portugal e Galiza”, anunciou hoje aquela entidade.

Em comunicado enviado à Lusa, o INL, sediado em Braga, explica que o projeto de cooperação transfronteiriça CT-BIO é dirigido a pequenas e médias empresas (PME) da área da biotecnologia e que tem as candidaturas abertas até 18 de janeiro.

O CT-BIO conta com cinco parceiros além do INL: a Universidade do Minho, a Associação Portuguesa de BioIndústrias, o Cluster Tecnológico Empresarial de las Ciencias de la Vida (BIOGA), Consórcio da Zona Franca de Vigo e a Universidade de Santiago de Compostela.

Cientista italiano de Harvard ganha bolsa milionária para desenvolver investigação em Braga

O INL explica que aquele programa vai permitir às PME selecionadas beneficiarem de diversos apoios como “a participação num programa de aceleração, acesso a ‘coaching’ na área da biotecnologia, apoio no acesso a financiamento (nomeadamente, através da realização de reuniões com potenciais investidores), acesso a programas de incubação relevantes nos dois lados da fronteira”, entre outros apoios.

“Trata-se de um programa ambicioso, com ações focadas na melhoria da competitividade das empresas do setor da biotecnologia e que assenta em quatro grandes eixos: competitividade e modernização; acesso aos mercados externos; aceleração do talento e acesso a fontes de financiamento”, explica no texto a responsável do INL pelo projeto CT-BIO, Ana Vila,

Podem candidatar-se a este projeto as pequenas e médias empresas que estejam localizadas no Norte de Portugal e da Galiza, sendo que os projetos apresentados deverão também ser desenvolvidos e implementados nestas regiões.

Além disso, os projetos deverão estar relacionados com a área de biotecnologia e as empresas devem fornecer informação o mais detalhada possível de forma a mostrar os benefícios que os seus projetos poderão obter com as ações previstas no programa CT-BIO.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Chiquinho, Tiago Sá e Ivanildo Fernandes melhores jovens da I Liga em outubro e novembro

Próximo Artigo

Empresa nascida na UMinho lidera projeto de 8 milhões para “alavancar biologia sintética da UE”

Artigos Relacionados
x