Seguir o O MINHO

Braga

Empresa nascida na UMinho lidera projeto de 8 milhões para “alavancar biologia sintética da UE”

SilicoLife vai liderar o consórcio “Shikifactory100”, apoiado pelo programa Horizonte e que junta 11 parceiros de sete países.

em

A equipa da SilicoLife. Foto: Divulgação

Uma empresa portuguesa, nascida na Universidade do Minho, vai liderar um projeto de oito milhões de euros para “alavancar a competitividade da biologia sintética da União Europeia”, criando “vias biológicas para mais de cem compostos”, anunciou hoje aquela academia.

Em comunicado enviado à Lusa, a Universidade do Minho (UMinho) explica que a SilicoLife vai liderar o consórcio “Shikifactory100”, apoiado pelo programa Horizonte e que junta 11 parceiros de sete países e quer “encontrar novas formas sustentáveis de produzir ingredientes que até aqui só se obtêm por extração de plantas ou por processos petroquímicos”, partindo de “microrganismos e aliando a biologia com métodos computacionais”.

Segundo explica o texto, “a indústria está a substituir cada vez mais os ingredientes artificiais por ingredientes de fontes biológicas, para aumentar a satisfação do consumidor e a inovação nos sabores e nas fragrâncias” e, “por outro lado, muitos dos recursos naturais são limitados e dependem do clima, o que faz subir os preços”.

O projeto, que se inicia em janeiro e terá a duração de quatro anos, centra-se no chiquimato, “um ácido central no metabolismo, a partir do qual se pretende chegar a mais de cem compostos de alto valor e com aplicações tão diversas, como aromas, medicamentos e químicos de interesse industrial”.

Pretende-se ainda “obter novas vias biológicas para produzir adoçantes artificiais, evitando os atuais processos químicos”, explica a UMinho.

“A escala e a integração das tecnologias de ponta no ‘Shikifactory100′ são inéditas na Europa e vão contribuir para a liderança da UE nas áreas da biologia sintética e da bioeconomia”, diz no texto o diretor-geral da SilicoLife, Simão Soares.

Segundo refere a gestora científica do projeto, Isabel Rocha, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa “o consórcio vai construir uma plataforma de ?fábricas’ de células microbianas, com estirpes personalizadas e genomas otimizados, para uma produção eficiente, económica e sustentável, combinando novos métodos computacionais com desenvolvimentos in vitro e in vivo”.

Além da SilicoLife, participam no projeto as universidades do Minho, Nova de Lisboa, Técnica da Dinamarca e de Manchester (Reino Unido), a Escola Politécnica Federal de Lausanne (Suíça), o Laboratório Europeu de Biologia Molecular (Alemanha), a consultora NNFCC (Reino Unido) e as empresas DSM (Holanda), c-LEcta (Alemanha) e GalChimia (Espanha).

A SilicoLife nasceu em 2010 por recém-graduados em Bioinformática e professores de Informática e Engenharia Biológica da UMinho.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Mais de 300 participantes trazem a tradição do folclore às festas de São João de Braga

Espetáculo folclórico marcado para as 21:30

em

Foto: Divulgação

O São João de Braga volta a dar destaque à cultura folclórica de Braga e junta, hoje, pelas 16:30, mais de 300 participantes para que, trajados a rigor, encham o centro histórico de Braga. O cortejo arranca da Rua de S. João e culminará na Praça Municipal.

“Este será um momento importante para a cidade voltar a contemplar as capotilhas, pequenas capas traçadas sobre o peito, usadas pelas mulheres da cidade, tornadas num marco tão diferenciador da etnografia bracarense”, refere nota da associação.

Além do Cortejo Etnográfico, que será seguido de espetáculos de rua conduzidos pelos grupos participantes, o folclore subirá ao palco da Praça da República, pelas 21:00, para um espetáculo que juntará o Grupo Folclórico da Universidade do Minho, os Sargaceiros da Apúlia, Grupo Folclórico da Casa do Povo de Santa Cruz do Bispo (Matosinhos), Grupo Etnográfico de Areosa (Viana do castelo) e Grupo Folclórico Dr. Gonçalo Sampaio.

Continuar a ler

Braga

Propostas para o Orçamento Participativo de Braga já podem ser submetidas

Até 15 de setembro

em

Foto: DR

Aí está mais uma edição do Orçamento Participativo da cidade de Braga. Esta é a 6ª edição do OP, “uma iniciativa que pretende mais uma vez apresentar-se aos munícipes como um projecto consolidado e um meio participativo por excelência”, como refere um comunicado municipal.

O montante global do Orçamento Participativo de Braga é de 750.000 euros. Uma parte desta verba, 100.000 euros, destina-se ao Orçamento Participativo Escolar. Os 750.000 euros são cabimentados no Orçamento Geral da Câmara Municipal de Braga. Os Bracarenses poderão apresentar as suas propostas até ao próximo dia 15 de Setembro.

Após o término do prazo de apresentação de propostas, as mesmas serão alvo de análise por parte dos serviços municipais, que irão averiguar a sua viabilidade e exequibilidade.

Para serem submetidas à votação dos cidadãos, as propostas devem inserir-se no quadro de competências e atribuições da Câmara Municipal de Braga e ter um custo global igual ou inferior a 85 mil euros.

odem participar no Orçamento Participativo de Braga todos os cidadãos com idade igual ou superior a 16 anos que residam, trabalhem ou estudem em Braga e que, devidamente identificados, se inscrevam no portal do Orçamento Participativo da Câmara Municipal de Braga.

A fase de votação das mesmas decorre de 14 de Outubro a 15 de Novembro – 1ª e 2ª fase de votação.

Continuar a ler

Braga

Alunos de Braga vencem concurso nacional ‘Vamos Contar Uma História’

História vencedora vai resultar em livro cujas vendas revertem para o Colégio de S. Caetano

em

Foto: CM Braga

Os alunos da EB de Gualtar, do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, venceram o Concurso Nacional “Vamos Contar Uma História”, uma iniciativa integrada no projecto ‘Plataforma + Cidadania’, promovido pelo Município de Braga em parceria com a CIM Cávado.

O prémio consiste na edição em livro das duas histórias vencedoras, idealizadas por estes jovens e promissores escritores, revertendo as receitas, no caso de Braga, para o Colégio de São Caetano, segundo decisão da turma.

Além da edição em livro, os vencedores poderão ver as suas histórias transformadas através de uma animação multimédia que, mais tarde, ficará disponível na Plataforma +Cidadania.

O desafio contou com a participação das autoras convidadas Margarida Fonseca Santos e Rosário Alçada Araújo, tendo os alunos Bracarenses conquistado o primeiro prémio juntamente com uma turma de Gavião, Portalegre.

Durante a cerimónia de entrega de prémios, que decorreu no Colégio EFANOR, em Matosinhos, a vereadora da Educação da Câmara Municipal de Braga, Lídia Brás Dias, lembrou que o acto de escrever e/ou contar histórias desempenha um papel extremamente relevante nas aprendizagens realizadas pelos alunos dos diferentes níveis de educação e ensino quer na aquisição de conhecimentos, quer no desenvolvimento de competências e valores.

“Encaramos esta iniciativa como um meio valoroso de incentivo à comunidade educativa a desenvolverem trabalhos relacionados com o acto de escrever e contar histórias, colocando os alunos em situações educativas desafiantes, recorrendo à utilização das Tecnologias de Informação e Comunicação”, referiu Lídia Dias, em comunicado.

A responsável sublinhou, ainda, que “as nossas Bibliotecas Escolares estão em sintonia com a concepção educacional das Tecnologias de Informação e Comunicação, permitindo, assim, um trabalho integral entre professores e alunos no contexto biblioteca”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares