Seguir o O MINHO

País

INEM instaura processos disciplinares e contraordenações após morte de Carlos Amaral Dias

Psicanalista

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) vai instaurar processos disciplinares a dois trabalhadores e dois processos de contraordenação à associação de bombeiros do Beato e Penha de França, na sequência da morte do psicanalista Carlos Amaral Dias.

Carlos Amaral Dias morreu numa ambulância, em Lisboa, depois de o socorro ter demorado demasiado tempo. Um dia após a morte do psicanalista, a 03 de dezembro passado, o INEM anunciou a instauração de um inquérito, cujos resultados divulgou, esta sexta-feira.

De acordo com um comunicado do INEM, além dos processos aos dois trabalhadores e à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Beato e Penha de França, um por incumprimento da lei relacionada com uso de desfibrilhadores e outro por incumprimento do Regulamento do Transporte de Doentes, o INEM enviou cópias do documento a quatro entidades.

Foram enviadas cópias do relatório final ao Ministério Público, à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS), à Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) e ao Ministério da Saúde.

A chamada a pedir assistência para Carlos Amaral Dias, com dificuldades respiratórias, foi feita para o número de emergência (112) e transferida para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM. Na altura foi noticiado que o socorro demorou duas horas a chegar.

O INEM diz agora em comunicado que foram “apuradas situações anómalas durante a assistência ao doente, nomeadamente o facto de durante cerca de uma hora, o CODU e o Dispositivo Integrado e Permanente de Emergência Pré-Hospitalar de Lisboa (DIPEPH) não terem recebido qualquer informação sobre a ocorrência”.

No comunicado, o INEM anuncia ainda que irá reforçar o controlo sobre as atividades de transporte de doentes e de DAE (Desfibrilhação Automática Externa), “nomeadamente através do incremento das ações de fiscalização e auditoria a estes processos”, e que “irá ainda reforçar a oferta formativa destinada aos corpos de bombeiros e Cruz Vermelha Portuguesa, parceiros no Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM)”.

E avisa que as medidas serão implementadas sem prejuízo de medidas adicionais que, entretanto, as várias entidades às quais o INEM remeteu cópia do relatório final determinem no âmbito das suas competências específicas.

No comunicado o INEM salienta que o caso foi uma exceção e garante que a população pode confiar no Sistema Integrado de Emergência Médica.

Nascido em Coimbra, a 26 de agosto de 1946, Carlos Amaral Dias era professor catedrático da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, escola em que se doutorou após a licenciatura em Medicina, com especialização em Psiquiatria. Foi presidente da Sociedade Portuguesa de Psicanálise e vice-presidente da Academia Internacional de Psicologia.

Anúncio

País

Euromilhões saiu em Portugal. Desta vez foi em Faro

Sorte grande

em

Foto: O MINHO

O 1.º prémio do Euromilhões, no valor de mais de 66 milhões de euros, saiu em Portugal.

De acordo com o Departamento de Jogos da Santa Casa, o boletim vencedor foi registado no distrito de Faro, região do Algarve.

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta sexta-feira, 28 de fevereiro: 8, 11, 20, 22 e 23 (números) e 3 e 4 (estrelas).

Continuar a ler

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta sexta-feira, 28 de fevereiro: 8, 11, 20, 22 e 23 (números) e 3 e 4 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 66 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Preços dos combustíveis rodoviários aumentaram entre 3% e 7% em janeiro

Combustíveis

em

Foto: Ilustrativa / DR

Os preços dos combustíveis em Portugal sofreram um agravamento médio em janeiro entre 3% e 7%, face a dezembro de 2019, segundo um boletim acerca deste mercado publicado pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE).

No documento, o regulador explicou que “os preços médios de venda ao público dos combustíveis em Portugal sofreram um agravamento, sobretudo por via dos esperados aumentos de incorporação de biocombustíveis e da taxa de carbono”.

Assim, de acordo com a informação no boletim, “o ano de 2019 encerrou com o preço da gasolina simples 95 a manter-se estável em 1,524 euros/litro. No início do ano 2020, o preço médio de venda ao público (PVP) aumentou cerca de 3%”, para 1,569 euros/litro.

Já no caso do gasóleo simples, 2019 encerrou “em tendência crescente”, registando uma subida de 1% entre novembro e dezembro, para 1,408 euros/litro.

“No início do ano 2020, o preço médio de venda ao público aumentou de forma mais acelerada em cerca de 3,4%”, atingindo os 1,456 euros/litro, de acordo com a ERSE.

A maior subida foi no GPL (Gás de Petróleo Liquefeito) Auto, sendo que 2019 encerrou “com uma tendência crescente, acompanhando a evolução do preço do propano e butano nos mercados internacionais”.

No início do ano 2020, “o preço médio de venda ao público aumentou de forma mais acelerada em cerca de 7%”, atingindo os 0,728 euros/litro, face aos 0,681 euros/litro de dezembro.

Em todos estes combustíveis, os hipermercados é que registaram os preços mais competitivos, de acordo com a ERSE.

O regulador analisou ainda a variação de preços geográfica a nível nacional e concluiu que, “em janeiro, a diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos portugueses para a gasolina simples 95 e gasóleo simples é mais elevada nos distritos do litoral, à exceção de Aveiro, Braga e Coimbra”.

De acordo com a ERSE, “Beja e Bragança são os distritos onde os combustíveis rodoviários se verificaram mais caros face ao preço médio nacional”.

Já Aveiro, Braga, Santarém e Castelo Branco “são os distritos com gasolinas e gasóleos mais baratos. Em mais de metade dos distritos, a diferença de preços médios por litro de combustível não ultrapassa os cinco cêntimos”, adiantou a ERSE.

No caso do GPL engarrafado, no mês passado, “a diferença de valor entre o preço médio nacional e o preço médio nos distritos, principalmente a sul de Portugal, é mais pronunciada, sendo o gás engarrafado mais caro, sobretudo nos distritos de Faro e Beja”.

Por sua vez, “os distritos mais a norte do país, como Viana do Castelo, Vila Real e Bragança apresentam os preços de GPL engarrafados mais baratos”, sendo que os distritos interior mais próximos de Espanha também registaram preços mais baixos, segundo a ERSE.

Continuar a ler

Populares