Seguir o O MINHO

Caminha

Grupo de teatro de Caminha declara “guerra” ao plástico em palco

Projecto sensibiliza para a poluição marítima

em

Foto: Krisálida

O grupo de teatro Krisálida, em Caminha, vai promover uma “guerrilha antiplástico”, utilizando o palco e marionetas de plástico apanhado nas praias do Alto Minho para sensibilizar crianças e adultos para a poluição marítima causada por aquele material.

Em causa está o projeto “OPER(A)ÇÃO PLASTIKUS” que a companhia profissional de teatro está a desenvolver depois de ter recebido um apoio da Direção-Geral das Artes (DGArtes) “para utilizar o palco para abordar um dos maiores problemas da humanidade”, referiu, em comunicado, a Krisálida – Associação Cultural do Alto Minho.

“É um problema que já está a afetar as nossas vidas. Utilizar o teatro como ferramenta de trabalho para espoletar o pensamento crítico e o debate de problemáticas sociais sempre foi objetivo da Krisálida nas suas criações”, explica a diretora artística da companhia, Carla Magalhães.

Durante o ano, “o projeto ‘OPER(A)ÇÃO PLASTIKUS’ inclui dois espetáculos teatrais, um para crianças e outro para adultos, que vão abordar, em palco, o problema do plástico e a ameaça que representa ao não ser biodegradável para a vida como a conhecemos”.

“Recorrendo a uma parceria estabelecida com a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, teremos o apoio na componente científica do tema”, explica ainda a diretora da Krisálida.

O espetáculo para a infância, que “recorrerá à linguagem da arte da marioneta, será criado em residência artística com direção plástica e encenação do grupo Teatro e Marionetas Mandrágora”.

As marionetas do espetáculo “serão construídas com plásticos recolhidos na costa litoral norte, território onde a Krisálida atua”.

Numa segunda residência artística, “será desenvolvido o espetáculo para adultos, com o encenador Graeme Pulleyn, encenador britânico convidado da Krisálida para esta abordagem e que em Portugal já trabalhou também como ator e diretor artístico em dezenas de projetos”.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Caminha

The Sisters Of Mercy e Gang Of Four anunciados no festival de Vilar de Mouros

Entre 22 e 24 de agosto

em

Foto: DR

A organização do EDP Vilar de Mouros anunciou os The Sisters of Mercy e os Gang of Four no Festival que decorre de 22 a 24 de agosto. As duas bandas britânicas juntam-se assim a um cartaz composto por nomes como: The House of Love, Killing Joke, Manic Street Preachers, Nitzer Ebb, Prophets of Rage, Skunk Anansie, Gogol Bordello, The Wedding Present, Clan of Xymox, Anna Calvi, Fischer-Z e Linda Martini.

Caracterizados pelas influências de rock gótico, os The Sisters of Mercy chegam à aldeia minhota a 23 de agosto para partilharem as canções que marcaram uma geração, como “More”, “Dominion”, “Temple of Love” ou “This Corrosion”.

“Apesar de terem lançado apenas três álbuns, conseguiram tornar-se numa das bandas mais influentes da década de 80”, lembra a organização.

Fundada em 1977, a banda de pós-punk Gang of Four atinge o seu auge em 1979, com o álbum “Entertainment” que imortalizou músicas como “Natural Not In It”, “Not Great Men” e “Return the Gift”.

“Com um trabalho previsto para 2019, “Happy Now”, espera-se um concerto de celebração entregue por uma das bandas mais pertinentes da New Wave”.

Os bilhetes estão à venda nos locais habituais e na Ticketline. O bilhete diário tem o custo de 35 euros e o passe para 3 dias com acesso gratuito ao campismo custa 70 euros.

Continuar a ler

Caminha

Dragagem em Vila Praia de Âncora avaliada em 1,5 milhões. Concurso avança este mês

Deputada Liliana Silva, do PSD, confrontou a ministra com imagens do estado do porto

em

Foto: Facebook de Liliana Silva (Arquivo)

A ministra do Mar anunciou hoje que o processo de dragagem no porto de Vila Praia de Âncora está avaliado em 1,5 milhões de euros e que o concurso avança este mês.

“A dragagem prevista é no valor de 1,5 milhões de euros e a Polis Litoral Norte vai lançar o concurso ainda em maio e vai ser da responsabilidade da DGRM [Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos] assegurar o que vai competir à parte nacional”, disse Ana Paula Vitorino, em resposta aos deputados, durante uma audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas.

Após a terceira ronda de intervenções dos grupos parlamentares, a líder do Ministério do Mar sublinhou que, “tendo em conta a orientação da costa” é recorrente que nos pequenos portos seja necessário efetuar dragagens.

“Não é comportável, em todo o país, eliminar os portos que existem e fazer novos até porque a orientação da costa fica a mesma” vincou.

Confrontada pela deputada Liliana Silva do PSD com imagens do estado do porto de Vila Praia de Âncora, a governante comprometeu-se ainda a insistir com a sociedade para a requalificação e valorização (Polis) do Litoral Norte para que “seja cumprida esta matéria”.

Continuar a ler

Caminha

Maior mesa da Páscoa regressou a Caminha

Em Vila Praia de Âncora

em

Foto: Rui Marques/Facebook

Metros e metros de uma mesa recheada com doces brancos, pão de ló amêndoas e rebuçados enchidos e os mais diversos salgados. Há vinhos e até artesanato. Produtos que simbolizam a quadra que estamos a viver. É a maior Mesa da Páscoa e regressou à Vila Praia de Âncora, em Caminha, no último sábado. E ainda um programa de animação para estimular as compras.

Ao longo do dia, foram muitos os espetáculos, desde cinema, música, zumba, futsal, que vão animar a vila. Recorde-se que, no ano passado, a mesa tinha 200 metros de comprimento.

“Cada vez com mais inscrições”, segundo informação municipal, a Maior Mesa de Páscoa do País assinala este ano a VIII edição. A partir das 10:00, nas ruas 31 de janeiro e 05 de outubro encheram-se dos mais variados produtos e iguarias

Até às 19:00, os visitantes assistiram às atuações do Grupo de Bombos de Vila Praia de Âncora; do Grupo de Cantares Regionais do Orfeão de Vila Praia de Âncora; do Rancho das Lavradeiras de Orbacém; da Academia de Música Fernandes Fão e dos Cavaquinhos do ARA – Associação Recreativa e Cultural de Riba de Âncora.

Para os mais novos passa o filme ‘Dumbo’, no Cineteatro dos Bombeiros de Vila Praia de Âncora e, ainda, participaram no momento Ginástica Kid’s – circuito de motricidade infantil, a cargo do Patronato Nossa Senhora da Bonança e Be Fit.

“Também foi pensado um momento para pais e filhos”, acrescenta o Município. Pelas 16:00, o Âncora Praia – Secção de Futsal – vai promover uma atividade de futsal para pais e filhos.

A animação encerrou com uma aula de zumba com Ivone Correia.

Tradição

A Mesa da Páscoa pretende recriar uma tradição que vem desde o século XIX onde, por alturas pascais, quem quisesse podia colocar os seus produtos, em pleno centro da vila, e receber o compasso pascal.

A laranja pelo século XIX era símbolo de partilha e abundância, com a repartição dos gomos do fruto assumia um protagonismo especial. Havia ainda uma curiosidade, uma moeda escondida na laranja, destinada ao menino que transportava a caldeira da água benta ou ao pároco.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares