Seguir o O MINHO

Ave

Fafe, capital do grafiti a céu aberto

Projecto ‘Page Café Cultural’ tem levado à cidade artistas de várias partes do mundo. Vicente Coda, curador, recebeu, esta semana, o prémio ‘Embaixadores 2019’, na Casa da América Latina, em Lisboa

em

Mural de 24 anos no Parque da Cidade de Fafe (parcial). Foto: Divulgação

O parque da cidade de Fafe está a sofrer uma verdadeira revolução artística. Várias propostas de arte têm vindo a ser implantadas no espaço e as suas paredes preenchidas com obras de arte em grafiti de grandes artistas mundiais. O projecto ‘Page Café Cultural’ tem levado à cidade artistas de várias partes do mundo, quatro vezes por ano e durante quinze dias, numa residência artística diferente do conceito habitual.


O curador Vicente Coda explica que durante a residência artística os convidados fazem um workshop com a população e trabalham em espaços públicos.

“A nossa residência é a cidade e não aquela ideia meio elitista, de circuito fechado e dirigida para um determinado público associada à noção de residência artística”.

No projecto, o artista convidado fica num hotel e todo o seu trabalho “é feito na cidade, em locais públicos, com escolas, em juntas de freguesias, com crianças em férias ou junto da Cerci Fafe”. Vicente Coda reconhece que “o projeto só poderia existir com o apoio da câmara que desde a primeira hora abraçou a ideia. Eles financiam os materiais necessários para a concretização da obra artística e a população está a aderir muito bem”.

Workshop

Outra das particularidades desta residência artística é a existência de um workshop, onde quem quiser pode ter contacto direto com o artista, participar e interagir com a obra que está a ser realizada: “o que fazemos é arte urbana e é preciso acabar com o preconceito que está associado à expressão. Para isso é preciso descentralizar e questionar que é um dos objectivos desta interacção com o artista”.

Foto: Divulgação

O projeto arrancou em 2017, e já abrangeu áreas como o teatro, a música, o vídeo e a performance mas ultimamente tem sido o grafiti o protagonista, com as residências de março, Junho e julho a ele dedicadas. “Já passaram por Fafe 25 artistas de países como o Brasil, México, Chile e Portugal”, refere ainda o curador.

Vicente Coda revela que a última residência de 2019, agora em setembro, será um sunset: “já tivemos música mas ficou confinada a um auditório e a adesão foi menor do que estávamos à espera. Agora vamos fazer uma sessão ao ar livre para que todos possam participar”.

2020

O projeto vai continuar no próximo ano com a mesma ambição. “Fafe não possui uma galeria de arte. As exposições são todas na biblioteca. Por isso, quisemos fazer complexo de arte a céu aberto, tornando Fafe a capital do grafiti”.

Foto: Facebook de Vicente Coda

Todo o trabalho desenvolvido por Vicente Coda, na área artística, num meio mais ‘pequeno’ foi agora reconhecido com a atribuição do prémio ‘Embaixadores 2019’, na vertente cultura.

“Não é um prémio só meu, é da câmara, é do vereador Pompeu Martins, é do motorista ou dos trabalhadores municipais”.

A entrega do prémio teve lugar na segunda-feira, dia 23 de setembro, na Casa da América Latina, em Lisboa.

Anúncio

Guimarães

Câmara de Guimarães aprovou orçamento de 115 milhões. Oposição votou contra

Política

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara de Guimarães aprovou hoje o Plano e Orçamento para 2021, no valor de 115,8 milhões de euros, mas a oposição votou contra, por considerar que se trata de “um documento de mera campanha eleitoral”.

Em comunicado, o presidente da Câmara, Domingos Bragança (PS), refere que a “prioridade absoluta” para 2021 é “atender às necessidades de prevenção e de proteção de toda a comunidade vimaranense em face da infeção da covid-19, bem como para o reforço dos apoios sociais a todos os que deles precisem”.

Para o autarca, as opções vertidas no Plano e Orçamento “refletem um mundo que hoje vive em pandemia, uma situação que trouxe incerteza às nossas vidas pessoais e coletivas”.

“Uma incerteza que também se coloca a este Plano e Orçamento quanto aos seus valores e às diversas dotações de receita e despesa”, sublinha.

Os vereadores da coligação Juntos por Guimarães, que engloba o PSD e o CDS, têm uma visão diametralmente diferente, considerando que o Plano e Orçamento “faz tábua rasa da preocupação central, que deveria ser a pandemia de covid-19”.

“A maioria diz que a pandemia é a prioridade absoluta, mas a verdade é que se olha para o Plano e não se vê uma única medida estruturante e diferenciadora”, disse o vereador social-democrata Bruno Fernandes.

Domingos Bragança contrapõe com o “reforço” das dotações orçamentais, para dar resposta às consequências socioeconómicas da covid-19.

“Não previmos nenhum aumento de taxas e licenças, nem de impostos municipais. Descemos a taxa do IMI de 0,35% para 0,33 %, um percentual próximo do limite mínimo deste imposto, atendendo à situação de dificuldade deste tempo de pandemia”, frisou.

O Plano e Orçamento para 2021 contempla ainda um conjunto de obras que beneficiam de apoio comunitário, na ordem dos 14 milhões de euros, como a reabilitação do Teatro Jordão e Garagem Avenida, das ruas D. João I e Caldeiroa e das escolas do concelho.

O município destaca também as obras de requalificação da rede viária do concelho, para as quais foi contraído um empréstimo bancário de 12 milhões de euros.

Para a oposição, o Plano e Orçamento mostra que a maioria socialista “só se preocupa com obras de mandato”, consubstanciando, assim, “uma mera agenda de campanha eleitoral”.

O caminho, disse Bruno Fernandes, deveria ser a redução de impostos, o apoio à restauração, o aumento das transferências para as juntas de freguesia e o apoio ao desporto.

Continuar a ler

Guimarães

Guimarães reforça apoio aos mais carenciados para comprar medicamentos

Saúde

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Câmara de Guimarães aprovou hoje, em reunião do executivo, o reforço de um protocolo com a Associação Dignitude, para permitir o acesso gratuito a medicamentos a mais munícipes carenciados.

O protocolo iniciou em 2018 e já abrangia cerca de 1.300 munícipes, sendo agora alargado a mais 200.

Cada contemplado é dotado de um cartão que lhe assegura o acesso livre, rápido e eficaz a medicamentos nas farmácias do concelho aderentes.

A Divisão de Ação Social do município identifica, referencia e atribui os cartões, que garantem aos munícipes beneficiários a cobertura total do valor não comparticipado pelo Serviço Nacional de Saúde na aquisição de medicamentos sujeitos a receita médica.

“Este processo afigura-se muito vantajoso para os beneficiários, pois, para além de não existir um plafond associado, depois de atribuído o respetivo cartão deste programa cada pessoa pode, autonomamente, escolher dirigir-se a uma das farmácias aderentes e adquirir a sua medicação, sem necessidade de apresentação de orçamentos, e sem tempo de espera”, lê-se na proposta hoje aprovada.

O município contribui com 100 euros anuais por beneficiário, competindo-lhe igualmente a referenciação dos beneficiários e a entrega dos cartões aos munícipes.

A responsabilidade da emissão dos cartões cabe à associação Dignitude, “o que permite garantir que este apoio é concedido a quem efetivamente necessita”.

Continuar a ler

Ave

Despiste provoca um ferido grave em Famalicão

Acidente

em

Foto: Bombeiros Famalicenses

Um despiste de um veículo ligeiro provocou um ferido grave, que teve de ser desencarcerado, ao final da tarde desta segunda-feira, em Vale S. Cosme, Famalicão.

A vítima, cuja idade não foi possível apurar, foi transportada para o Hospital de Famalicão.

Foto: Bombeiros Famalicenses

Os Bombeiros Famalicenses prestaram socorro e tiveram apoio da VMER de Famalicão.

No total foram mobilizadas 11 operacionais e quatro viaturas.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Populares