Seguir o O MINHO
[the_ad id='438601']

Ave

Executivo de freguesia em Vieira do Minho “emigrou”, oposição critica “junta fantasma”

em

A oposição na Assembleia de Freguesia de Parada de Bouro, em Vieira do Minho, criticou esta terça a “Junta fantasma” que considera existir na localidade, por o presidente estar emigrado em França e a secretária a trabalhar em Lisboa.

“O presidente vem cá uma vez por mês, a secretária de 15 em 15 dias. Para agravar a situação, o tesoureiro pediu a suspensão do mandato por um ano, tendo sido substituído pelo sétimo ou oitavo elemento da lista”, referiu Paulo Silva, eleito por uma lista independente para a Assembleia de Freguesia de Parada de Bouro.

Paulo Silva defendeu que, com esta situação, a freguesia “tem uma Junta fantasma”.

“É uma Junta que de Junta não tem nada. Nunca está quando a população precisa. Ainda estes dias houve uma série de problemas na freguesia por causa do mau tempo e onde estava o presidente? Não estava, pura e simplesmente”, acrescentou.

Sublinhou que esta é uma ausência que acontece “recorrentemente”.

Para a oposição, os elementos do executivo que, por qualquer razão, não podem assegurar a sua permanência na freguesia com alguma regularidade deveriam pedir a suspensão dos respetivos mandatos, dando lugar a quem tivesse mais disponibilidade.

O presidente da Câmara de Vieira do Minho, António Cardoso, admitiu que a comunicação entre município e Junta de Parada de Bouro “é tudo menos fácil”, por causa da “ausência” dos membros do executivo.

“São muitas as pessoas daquela freguesia que vêm à câmara tratar de assuntos que podiam tratar na junta e que me deixam as suas queixas por causa desta situação”, acrescentou.

António Cardoso disse ainda que a Junta de Parada de Bouro “raramente se faz representar” nas reuniões mensais que o município promove como os autarcas das freguesias.

“O relacionamento institucional é bom, mas, obviamente, a comunicação é tudo menos fácil”, rematou.

Imagem de O Jornal de Vieira.

Populares