Seguir o O MINHO

Braga

Ex-emigrante diz a O MINHO como foi “enganado” por advogada que está a ser julgada

em

Foto: O MINHO

Um ex-emigrante no Canadá contou a O MINHO em Braga como terá sido “enganado” por uma advogada de Barcelos, Ema Magalhães Santos, agora suspensa pela Ordem dos Advogados e que começou a ser julgada por alegadamente a causídica ter gasto, em proveito próprio, cerca de 180 mil euros, que se destinariam a pagar honorários e despesas judiciais para defender o sobrinho, só que a advogada não terá feito os trabalhos que dizia.

Joaquim Barbosa Rodrigues, de 83 anos, o tio do cliente da advogada, foi quem emprestou sucessivamente ao sobrinho o dinheiro que seria solicitado pela advogada agora suspensa, reclamando assim a devolução do dinheiro, enquanto Ema Magalhães Santos prometeu esta quarta-feira, no julgamento em Braga indemnizar o octogenário, mas nunca o antigo cliente, um empresário de Barcelos, Manuel Barbosa Dias, porque tal dinheiro era do tio.

Ema Magalhães Santos, suspensa pela Ordem dos Advogados há cerca de um ano, está a ser julgada desde ontem, no Palácio da Justiça de Braga, por acusações de crimes de burla qualificada, abuso de confiança e falsificação de documento, por alegadamente enganar o empresário de restauração Manuel Barbosa Dias, de Barcelos, fazendo-lhe crer que teria a receber o pagamento do trabalho e reembolso de despesas dos vários processos judiciais.

Manuel Barbosa Dias estava preocupado com as consequências de uma eventual penhora à sua quinta, na freguesia de Alheira, em Barcelos, onde tem uma firma de eventos sociais, mas segundo a acusação do Ministério Público, o dinheiro ia sempre parar diretamente à conta bancária da própria advogada, que terá dito ao cliente estar a trabalhar em diversos processos judiciais, na defesa dos interesses daquele empresário, só que não afinal nunca teria realizado tantas tarefas, nem feito todas despesas judiciais como aquelas que referia.

Aquela causídica já tinha sido julgada há dois anos, também em Braga, por supostamente ter lesado em 238 mil euros a artesã barcelense Conceição Sapateiro, mas o caso acabaria em desistência, uma vez que já no final desse mesmo julgamento, Ema Magalhães Santos indemnizou a artista de Barcelos, igualmente por ter usado esse dinheiro daquela cliente.

Ema Magalhães Santos enfrenta ainda um processo de insolvência pessoal, no valor total superior a um milhão e meio de euros, supostamente usados também em proveito próprio, dos quais um milhão seria de um empresário hoteleiro de Barcelos e meio milhão de um padre de Guimarães, em ambos através de diversos esquemas alegadamente fraudulentos, em tudo idênticos ao que está a ser agora julgado, mas que a advogada tem vindo a negar.

Advogada confessa parte do caso

A advogada Ema Magalhães Santos confessou no início do seu julgamento ter ficado com dinheiro, 38.500 euros, parte dos 50 mil que um seu então cliente lhe havia adiantado para despesas em processos judiciais e depositando esse valor, na sua própria conta bancária, mas a acusação do Ministério Público refere que a quantia ascende a quase 200 mil euros.

A causídica, defendida pelo advogado Artur Marques, escapou há dois anos a condenação ao ter pago por uma situação idêntica à que está agora ser julgada, porque na ocasião após o julgamento indemnizou outra antiga cliente, a artesã Conceição Sapateiro, de Barcelos.

Ema Magalhães Santos, atualmente suspensa, pela Ordem dos Advogados, que começou a ser julgada na manhã desta quarta-feira, no Tribunal de Braga, num processo criminal em que o MP imputa à causídica de Barcelos de se ter alegadamente locupletado de quase 200 mil euros a um empresário barcelense que era sua cliente, ao ter simulado propositura de ações judiciais, cobrando diversas quantias em dinheiro e cheque para o pagamento de despesas e honorários de trabalhos que não fez, pelo menos em grande parte, refere o MP.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Braga Romana deste ano tem data marcada

Já estão abertas as candidaturas para o Mercado Romano

em

Foto: Divulgação/CM Braga

A organização da Braga Romana já divulgou as datas da 16.ª edição do evento. A cidade vai reviver a época da Bracara Augusta durante cinco dias, entre 22 e 26 de maio.

Já estão abertas, até 08 de março, as candidaturas para o Mercado Romano, que obedecem a requisitos e critérios inerentes a esta recriação histórica.

Foto: CM Braga

Foto: CM Braga

Foto: CM Braga

Foto: CM Braga

Foto: CM Braga

Foto: CM Braga

Podem candidatar-se artesãos, mercadores e místicos assim como propostas para as iguarias da área alimentar.

O Evento tem o propósito de comemorar os primeiros tempos de vida daquela que foi a “Opulenta Cidade Bracara de Augustus”.

As últimas edições atraíram cerca de 500 mil visitantes, e a organização quer afirmar a Braga Romana como “marca para o futuro”.

Continuar a ler

Braga

Homem detido por assalto a estabelecimento comercial em Braga

O suspeito foi apanhado ainda no interior do estabelecimento

em

Foto: DR

A PSP deteve, na madrugada de domingo, um homem de 30 anos por furto num estabelecimento comercial de Braga, anunciou hoje aquela força.

O suspeito foi apanhado ainda no interior do estabelecimento, tendo um outro indivíduo conseguido pôr-se em fuga.

Para acederem ao interior do estabelecimento, arrombaram a fechadura com uma chave de fendas.

O detido vai ser presente no Tribunal Judicial da Comarca de Braga.

Continuar a ler

Braga

Braga recebe em abril primeira Convenção de Dança em Portugal

Evento vai decorrer no Altice Forum Braga

em

Casey Hard vai participar no evento. Foto: DR

A cidade de Braga vai receber a primeira Convenção de Dança em Portugal, a “Viva Dança”, no dia 28 de abril, com a organização a prometer ‘workshops’, competições e a presença de “artistas reconhecidos mundialmente”.

Apresentada hoje em conferência de imprensa, a convenção, que vai decorrer no Fórum Braga, entre as 09:00 e as 18:00, reúne no Minho nomes como Casey Herd, Daniel Cardoso e Francisca Marques, pretendendo “atrair pessoas e bailarinos”.

“Dentro dos ‘workshops’ as pessoas podem esperar artistas reconhecidos mundialmente como Casey Herd, uma das principais figuras do ballet holandês, Daniel Cardoso, diretor artístico do Quorum Ballet, que é uma instituição incrível de Portugal, Francisca Marques, vencedora do programa Let’s Dance. Ainda, Menina Fortunato, dançarina de Beyoncé [e] Britney Spears, entre outros artistas”, destacou o diretor de comunicação do Viva Dança, Bruno Vieira.

Do lado da autarquia, a vereadora do Desporto, Sameiro Araújo, destacou a “muito boa posição” de Braga no mundo da dança, apontando, além do Viva Dança, o facto de a cidade ser também anfitriã das finais do Campeonato do Mundo de Dança, em junho e julho.

Também para o Fórum Braga o evento assume uma “particular importância”, como referiu o administrador executivo daquele equipamento municipal, Carlos Silva: “Queremos que Dança Viva consiga atrair pessoas e bailarinos com vontade de conhecer e recolher formação”, apontou.

Como salientou, “vão estar em Braga alguns dos mais qualificados artistas em algumas áreas e o público poderá também assistir a demonstrações de grandes academias, no palco principal”.

O “Viva Dança” é ainda, disse, “uma oportunidade para as pessoas participarem num grande evento”.

A convenção vai contar ainda com ‘stands’ da área da saúde, venda de produtos ligados à dança e uma competição de dança em grupo.

As inscrições para os ‘workshops’ têm um custo de oito euros e os bilhetes para o “Viva Dança” já estão disponíveis, também com o preço de oito euros.

Continuar a ler

Populares