Seguir o O MINHO

Alto Minho

Escuteiros fazem armadilhas artesanais para exterminar vespas asiáticas em Monção

Serão distribuídas pelo concelho

em

Foto: Divulgação / CM Monção

Escuteiros de Monção produziram cerca de cinquenta armadilhas artesanais para exterminar vespas asiáticas que já foram entregues à Câmara para serem distribuídas pelo concelho, foi hoje anunciado. Trata-se de uma iniciativa inserida no Plano Municipal de Combate à Vespa Velutina para 2022.

Em comunicado enviado a O MINHO, a Câmara de Monção refere que, este ano, até 31 de novembro, foram eliminados 751 ninhos de vespa velutina, popularmente conhecida por asiática, no concelho.

“Por indicação da Direção Geral de Saúde, numa primeira fase, com recurso à inceneração, e numa segunda fase, através da injeção de inseticida”, refere o comunicado.

E acrescenta: “No sentido de intensificar a sua eliminação, o Município de Monção elaborou o Plano Municipal de Combate à Vespa Velutina 2022, compreendendo, entre outras medidas preventivas e ativas, a disseminação pelo território concelhio de armadilhas artesanais para a captura daquela espécie invasora”.

Nesse sentido, explica a Câmara, foi solicitada a colaboração do Agrupamento de Escuteiros de Monção 791 e do Agrupamento de Escolas de Monção, através do Projeto Eco-Escolas, os quais começaram a “fazer” as referidas armadilhas para posterior distribuição pelas freguesias do concelho.

Foto: Divulgação / CM Monção

Simbolicamente, no sábado, na sede do Agrupamento de Escuteiros de Monção 791, o presidente da Câmara, António Barbosa, recebeu das mãos dos escuteiros as primeiras 50 armadilhas artesanais.

Feitas em garrafas e garrafões de água com dois gargalos nas laterais, onde será depositada uma solução açucarada com vinho branco, groselha e cerveja preta, as armadilhas serão entregues ao responsável local pela eliminação dos ninhos, o qual procederá, com o apoio das juntas de freguesia, à respetiva colocação.

Esta ocorrerá, preferencialmente, junto aos ninhos eliminados, nos meses de fevereiro, março e abril, visando a captura das vespas rainhas que sobreviveram à hibernação, limitando-se, desta forma, a número de ninhos definitivos e a expansão da espécie.

Populares