Seguir o O MINHO

Braga

Empresa portuguesa é a única na Europa com certificação para limpar locais do crime

em

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Uma firma portuguesa, a Deathclean, é a única empresa europeia certificada para limpeza e desinfeção especializada de locais do crime, contaminados por situações de homicídios, suicídios, decomposições, sangue outros fluidos corporais, tendo marcado presença no 5º Congresso de Investigação Criminal, que terminará já durante esta sexta-feira, em Braga.

Segundo disse a O MINHO Pedro Badoni, o fundador e responsável pela Deathclean, “a empresa surgiu para intervenções em casos de risco biológico”, mas sempre numa lógica de acompanhar a evolução social e de servir o mercado, “estamos agora a fazer formação na área do bioterrorismo e igualmente em cenários agentes químicos e biológicos, na sua desinfeção e descontaminação, o que ocorrerá já depois da fase de investigação criminal”.

Inspirado num filme norte-americano “Cleaner”, Pedro Badoni destaca ainda que “nós já estamos a fazer formação nas áreas química, nuclear e radiológica, para poder acorrer a situações que ocorram também em Portugal, colaborando ainda nesse aspeto com as autoridades”.

Por outro lado, “além da eficiência, pretende-se poupar os familiares e amigos das vítimas a ficarem com um trauma ao limparem um local de morte”, salientou ainda Pedro Badoni, explicando que “trabalhamos também em situações de insalubridade”, como a limpeza de acumulação compulsiva, vírus, bactérias e fungos, além dos casos de remoção de odores.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Parada de Natal atraiu milhares a Braga

“Braga é Natal”.

em

Foto: Facebook de Altino Bessa

A Parada de Natal, iniciativa que integra a programação natalícia do “Braga é Natal”, atraiu este domingo milhares de pessoas à cidade que é capital do Minho.

População local e forasteiros, assistiram ao desfilar de soldadinhos de chumbo, bailarinas, circo de malabares, trenós, duendes, elfos, o Pai Natal e a rena Rudolfo, num cortejo que encheu as ruas de cor e alegria.

Foto: Facebook de Altino Bessa

Na Praça da República, onde está instalada a árvore de Natal, foram também muitos os que aproveitaram para ver o espetáculo de luz e som que ali decorre, a todas as horas, durante três minutos, e, claro está, para tirar as selfies da praxe junto do ex-líbris da época que se vive.

Braga é Natal durante um mês

O programa “Braga é Natal” teve início no passado dia 01, e prolonga-se durante o mês de dezembro, com uma agenda que inclui mais de 200 espetáculos e iniciativas com música, dança, teatro, circo, literatura, cinema, exposições e gastronomia.

Continuar a ler

Braga

Câmara de Braga transfere 5,5 milhões para pagar dívida dos TUB

TUB – Transportes Urbanos de Braga.

em

Novos autocarros elétricos. Foto: Facebook de Município de Braga (Arquivo)

A Câmara de Braga vai transferir 5,5 milhões de euros para pagar a dívida contraída desde a sua constituição em 1999, pelos TUB – Transportes Urbanos de Braga.

“O Município apenas efetuou transferências para cobrir os prejuízos verificados nos exercícios de 2006, de 2008, de 2009 e de 2013”, salienta a proposta da sua Administração, a qual sublinha que, com exceção de 2013, o primeiro ano de mandato da atual maioria PSD/CDS, os TUB tiveram cinco anos sucessivos de resultados líquidos positivos.

Recorda que o Município “inscreve nas suas preocupações de coesão social a prática de preços do transporte que facilitem a mobilidade de pessoas de mais baixos recursos e/ou com especiais necessidades de deslocação por razões que se relacionam com as necessidades do seu dia a dia, especialmente os estudantes”. Para 2019 não haverá aumentos de tarifas.

Considera, ainda, que as obrigações de índole social que o Município se impõe em matéria de transporte coletivo de passageiros estão atribuídas aos TUB, cujo objeto social principal consiste precisamente na prestação de serviço público de transporte de passageiros.

Anualmente, e ao contrário do que sucede em Lisboa e no Porto, a Administração Central apenas transfere o montante de 103 mil euros para compensação de passes sociais, nomeadamente estudantis.

Continuar a ler

Braga

Município de Braga e UMinho musealizam ruínas romanas das Carvalheiras

em

Foto: DGPC

O Município de Braga e a Universidade do Minho assinam esta segunda-feira um acordo de cooperação para o desenvolvimento de um projeto integrado de valorização, musealização e adequação à visita da
área arqueológica romana das Carvalheiras.

O protocolo, que será debatido em reunião de Câmara e rubricado de seguida pelo seu presidente, Ricardo Rio e pelo Reitor, Rui Vieira de Castro, inclui duas fases, a primeira das quais, já em 2019, contempla a conceção da solução arquitetónica de musealização das minas e dos circuitos de visita, das soluções de conservação e cobertura dos vestígios, da solução arquitetónica do centro de interpretação e da sua articulação com a área a visitar. Envolve, ainda, uma solução de arranjo paisagístico do interior do quarteirão das Carvalheiras.

A segunda fase, a desenvolver a partir de 2020, diz respeito à execução do projeto, com o propósito de ser financiado por fundos comunitários, mediante a respetiva candidatura pelo Município.

Aberto ao público

Pretende-se que a cidade de Braga “passe a dispor de uma ampla área patrimonial musealizada e aberta ao público, que constituirá um equipamento de grande valor histórico e cultural, verdadeiramente emblemático da origem romana da cidade capaz de ajudar a reforçar a sua identidade e a diferenciar a oferta cultural de Braga, reforçando a sua singularidade. competitividade e atratividade. Simultaneamente,
permitirá criar as condições para dotar o interior do quarteirão das Carvalheiras de um parque urbano, aberto à cidade e aos visitantes, anexo às minas, que fàcultará um usufruto qualificado do espaço pelos cidadãos e o dcsenvolvimento de atividades culturais e de lazer”.

As ruínas das Carvalheiras integram os vestígios remanescentes de um bairro residencial da antiga “Bracara Augusta”. Acredita-se – diz a Wikipedia – que tenha sido erguido no século I, tendo sofrido transformações no século III, e sendo habitado até finais do século V.

Continuar a ler

Populares