Seguir o O MINHO

Braga

Empresa portuguesa é a única na Europa com certificação para limpar locais do crime

em

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Uma firma portuguesa, a Deathclean, é a única empresa europeia certificada para limpeza e desinfeção especializada de locais do crime, contaminados por situações de homicídios, suicídios, decomposições, sangue outros fluidos corporais, tendo marcado presença no 5º Congresso de Investigação Criminal, que terminará já durante esta sexta-feira, em Braga.

Segundo disse a O MINHO Pedro Badoni, o fundador e responsável pela Deathclean, “a empresa surgiu para intervenções em casos de risco biológico”, mas sempre numa lógica de acompanhar a evolução social e de servir o mercado, “estamos agora a fazer formação na área do bioterrorismo e igualmente em cenários agentes químicos e biológicos, na sua desinfeção e descontaminação, o que ocorrerá já depois da fase de investigação criminal”.

Inspirado num filme norte-americano “Cleaner”, Pedro Badoni destaca ainda que “nós já estamos a fazer formação nas áreas química, nuclear e radiológica, para poder acorrer a situações que ocorram também em Portugal, colaborando ainda nesse aspeto com as autoridades”.

Por outro lado, “além da eficiência, pretende-se poupar os familiares e amigos das vítimas a ficarem com um trauma ao limparem um local de morte”, salientou ainda Pedro Badoni, explicando que “trabalhamos também em situações de insalubridade”, como a limpeza de acumulação compulsiva, vírus, bactérias e fungos, além dos casos de remoção de odores.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Braga

Procuram-se jovens músicos bracarenses para se juntarem à Escola do Rock

Inscrições até 01 de abril

em

Foto: GNRation

A Escola de Rock de Paredes de Coura vai descer até Braga para apresentar um concerto que irá integrar jovens músicos bracarenses.

O convite partiu do gnration e está inserido nas comemorações do seu sexto aniversário. Para isso, a estrutura bracarense vai organizar uma “open call onde irá procurar jovens guitarristas e baixistas da cidade de Braga, com idades entre os 13 e os 17 anos.

O espetáculo sobe a palco a 27 de abril, sábado, pelas 16:30. Os ensaios de preparação decorrem a 13 e 14 de abril, sábado e domingo, respetivamente, das 14:30 às 18:30. Ainda a 27 de abril, da parte da manhã, haverá um ensaio-geral.

As inscrições são gratuitas e decorrem até 1 de abril. Os interessados deverão contactar o gnration através do e-mail [email protected]

Recorde-se que a Escola do Rock surgiu em Paredes de Coura, corria o ano de 2014, numa iniciativa municipal para potenciar o aparecimento de novas bandas e novos músicos. Composta por cerca de 50 jovens músicos, já atuou em diversas salas de espectáculos e festivais de música.

Continuar a ler

Braga

Larápios deixam carro sem as quatro rodas em Braga

Em Fraião

em

Foto: Semanário V

O proprietário de um veículo da marca Mercedes, parado num estacionamento numa rua de Fraião, em Braga, foi esta quinta-feira surpreendido, após lhe terem furtado as quatro jantes e respetivos pneus.

Os larápios deixaram a viatura apoiada num macaco e num tijolo.

A GNR foi chamada ao local.

Continuar a ler

Vila Verde

Moçambique: Vila Verde lança ações para apoio às vítimas do ciclone Idai

Executivo vai propor um donativo de 5 mil euros

em

Foto: DR

Em apoio às vítimas do ciclone Idai, que devastou regiões de Moçambique, o Município de Vila Verde vai concretizar um conjunto de diversas ações de solidariedade a favor das populações afetadas, incluindo donativos, recolha de bens e eventos públicos para angariação de fundos.

Na próxima reunião de executivo, o executivo social-democrata vilaverdense vai propor um donativo de 5 mil euros para ajudar a UNICEF na missão que está a desenvolver no terreno, apoiando as cerca de 200 mil crianças que estão a precisar de vacinação e que carecem de muitas outras necessidades.

O Município de Vila Verde vai avançar já na próxima segunda-feira com a colocação no concelho de vários pontos de recolha de bens essenciais e prioritários, que serão enviados, através da Associação Portuguesa de Moçambique.

Brevemente, em data a anunciar, decorrerá um concerto solidário organizado em parceria com a Academia de Música de Vila Verde, cujos contributos reverterão a favor das vítimas causadas pelo ciclone.

“É muito importante que o concelho de Vila Verde se una em prol desta causa humanitária e que todos possamos contribuir para ajudar e minorar o sofrimento das vítimas desta enorme catástrofe natural”, disse Júlia Fernandes, vereadora da Cultura, Educação e Ação Social da Câmara Municipal de Vila Verde.

Para esta campanha de solidariedade, os contributos deverão ser alimentos não perecíveis (enlatados e empacotados), vestuário e calçado (para clima tropical), produtos de higiene pessoal (sabonetes, pensos e shampôs), meios de saneamento e purificação de água (cloro, detergentes) e bens de abrigo (tendas, cobertores, lençóis, colchões, etc).

A catástrofe natural causada pela passagem do ciclone tropical Idai, em Moçambique, Maláui e Zimbabué, no passado dia 14 de março, provocou um elevado número de feridos e centenas de vítimas mortais, que não param de aumentar, tendo despoletado o desalojamento de milhares de pessoas.

Continuar a ler
Anúncio

ÚLTIMAS

Reportagens da Semana

EM FOCO

Populares