Seguir o O MINHO

País

Eleições: Frases do 10.º dia de campanha

Eleições Legislativas

em

Fotos: DR / Arquivo

Frases do décimo dia da campanha eleitoral para as eleições legislativas de 06 de outubro.

“O PS não mudou de génese e, com essa consciência, começou esta campanha eleitoral pensando na maioria absoluta, embriagando-se sempre com as sondagens. Começou a considerar que aqueles que, como nós, tinham dado uma contribuição decisiva para os avanços, são muito excessivos, reivindicam muito, propõem muita coisa. Não pode ser, isso é o passo maior que a perna, é dar tudo a todos – os mesmos argumentos do Governo anterior.”

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP

30-09-2019

 

“O PS a governar toma o Estado como se fosse seu e como se fosse a sua família.”

Rui Rio, presidente do PSD

30-09-2019

 

“O doutor Rui Rio teve muitas oportunidades de conseguir apresentar uma alternativa credível para o país – e falhou. Não tem alternativa, não tem programa, não tem equipa e, portanto, refugia-se em casos.”

António Costa, secretário-geral do PS

30-09-2019

 

“Não há empecilhos à esquerda. Os empecilhos vieram sempre da direita. (…) Não precisamos de professores de esquerda e também não precisamos de lições de moral de quem há alguns dias criticava a justiça de tabacaria e agora se arvora em justiceiro eleitoralista.”

Manuel Alegre, histórico do PS

30-09-2019

 

“A força do Bloco de Esquerda pode mudar tudo sobre o que será a próxima legislatura. (…) Andámos muito, mas este é ainda um país injusto e desigual.”

Catarina Martins, coordenadora do BE

30-09-2019

 

“O PSD de Rui Rio quer mudar nome do Ministério da Saúde para Ministério da Promoção da Saúde e na verdade o que propõe é uma saúde de supermercado.”

Marta Temido, ministra da Saúde e cabeça de lista do PS por Coimbra

30-09-2019

 

“A cultura vale mais do que percentagens do PIB. Vale, sobretudo, aquilo que nós conseguimos fazer com ela, que é criar uma rede nacional de valorização da nossa cultura, da nossa identidade e também de a tornar um verdadeiro elemento estratégico nacional.”

Assunção Cristas, presidente do CDS-PP

30-09-2019

 

“Alguém acredita verdadeiramente que sem o PS o país teria simultaneamente virado a página da austeridade e recuperado a credibilidade internacional, que teria simultaneamente recuperado os rendimentos e manter a confiança no investimento, teria reduzido as desigualdades e alcançado contas certas. Não, sem o PS isto não teria sido possível, porque este partido é desde a sua fundação o garante da estabilidade, do equilíbrio, da concórdia e da capacidade de diálogo e de compromisso.”

António Costa, secretário-geral do PS

30-09-2019

 

“Os portugueses sabem o que ganharam com a nossa iniciativa, com a ação desta força impulsionadora do progresso e do desenvolvimento. É hora de aprofundar esse caminho. As eleições de 06 de outubro são a oportunidade para, com o reforço da CDU, abrir esse caminho.”

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP

30-09-2019

 

“Vou dizer uma coisa que todo o Portugal entende, mas uma coisa que Braga entende melhor que o resto de Portugal e Famalicão ainda entende melhor: é que nós no domingo vamos ser o Famalicão do atual campeonato nacional de futebol da primeira divisão.”

Rui Rio, presidente do PSD

30-09-2019

 

“Não tenho dúvidas de que nestas eleições o RIR vai ser o ‘tomba gigantes’. É preciso um ‘tomba gigantes’. É preciso fazer com que os grandes desçam à terra, porque a terra é o que o dá equilíbrio.”

Vitorino Silva, líder do RIR

01-10-2019

 

“Aquilo que posso dizer, independentemente das sondagens e com respeito pelos profissionais que as fazem, é que o sentimento que temos é o de que o nosso resultado está em construção. Ainda há pessoas que hesitam, que se interrogam, que podem ser ganhas para o voto na CDU.”

Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP

01-10-2019

 

“Portugal precisava de refundar a República, de dirigentes políticos com capacidade para relançar as bases fundacionais de uma nova República, que desse ar fresco, oxigénio puro, à Democracia.”

Marinho e Pinto, presidente do PDR

01-10-2019

 

“O PS está mal em não querer vir debater e esclarecer este ponto [caso Tancos], mas quem está mal, acima de tudo, é o secretário-geral do PS e primeiro-ministro, que tem de dar explicações ao país. As duas ações são condizentes.”

Assunção Cristas, presidente do CDS-PP

01-10-2019

 

“Se eu agora for comentar tudo aquilo que, quer o dr. António Costa, quer as pessoas do PS, vão dizendo sobre a campanha e sobre mim […] chegamos a sexta-feira no topo do disparate. Por isso, eu vou procurar manter-me em terceira, nunca meter a quarta e acelerar relativamente ao disparate, porque senão desprestigiamos um bocado a campanha.”

Rui Rio, presidente do PSD

01-10-2019

Anúncio

País

BE defende fim de portagens nas ex-Scut do interior do país

Catarina Martins em périplo pelas universidades do Porto

em

Foto: Divulgação

A coordenadora do BE, Catarina Martins, defendeu hoje, no Porto, o fim das portagens nas ex-Scut do interior do país e a necessidade de “rever” as parcerias público-privadas rodoviárias por serem “absolutamente lesivas para os cofres públicos”.

“Estas autoestradas foram feitas para ligar o interior e ser um esforço de coesão territorial e, era por isso, que não tinham portagens. Passaram a ter portagens e passaram a fazer o contrário daquilo que faziam, que era apoiar quem vive no interior, quem tem menos acessos a transportes públicos coletivos, infelizmente”, disse.

Catarina Martins falava à margem de uma reunião com professores de várias universidades e politécnicos do Porto e Norte para debater a situação dos docentes sem remuneração.

“Sendo o BE um grande defensor de transportes coletivos, não somos indiferentes à enorme injustiça de quem vive no interior estar a pagar portagens quando não tem outras alternativas de transporte”, afirmou a dirigente do Bloco.

O que o BE propõe é “que se acabem com as portagens, voltar ao modelo que existia sem custos para o utilizador, protegendo assim as populações do interior fazendo um trabalho de coesão territorial”

“Ao mesmo tempo, achamos que este é o momento ideal também para rever as PPP rodoviárias que são absolutamente lesivas para os cofres públicos. A introdução de portagens não melhorou nada, apenas agravou a situação com as PPP rodoviárias”, acrescentou.

Continuar a ler

País

Governo apresentou queixa no Ministério Público contra 21 pedreiras em incumprimento

Anunciou o ministro do Ambiente

em

Foto: DR / Arquivo

O ministro do Ambiente e da Ação Climática anunciou hoje que 21 pedreiras, de um universo de 185, estão em incumprimento por falta de vedações, exigidas pelo levantamento do Governo, tendo sido apresentada queixa ao Ministério Público.

João Pedro Matos Fernandes, que falava na sessão de apresentação sobre a execução do Plano de Intervenção nas Pedreiras em Situação Crítica, avançou que o levantamento feito pelo Governo às pedreiras identificou 191 “em situação crítica”, sendo que 150 precisavam de sinalização, tendo o trabalho sido feito pela Empresa De Desenvolvimento Mineiro (EDM) e concluído em setembro.

“Também dessas 191, 185 precisavam de vedações para impedir entradas nas pedreiras. Todos os proprietários foram notificados e 164 cumpriram. Nos 21 casos de incumprimento das medidas a que estavam obrigadas, foi feita participação ao Ministério Público”, afirmou Matos Fernandes.

De acordo com o ministro, apesar de já ter sido feita a participação, o Ministério, através da EDM, irá “começar a intervir” nessas pedreiras, colocando as vedações em falta “entre dezembro próximo e abril de 2020”.

“A intervenção será custeada pelo fundo ambiental e a fatura será depois enviada aos proprietários das pedreiras”, acrescentou Matos Fernandes.

O ministro recordou ainda que, das 153 pedreiras que necessitavam de intervenções de maior monta com projetos e obras que reforçassem a sua segurança estrutural, foram apresentados 132 projetos pelos seus proprietários.

“O processo de aprovação é complexo, mas cerca de 35 já estão aprovados e os restantes estarão aprovados até ao final de 2019 para que se iniciem as intervenções o quanto antes”, disse Matos Fernandes, revelando que a duração das intervenções tem “uma amplitude muito variável, oscilando entre os seis meses e os seis anos”.

De acordo com Matos Fernandes, “todos os planos de sinalização estão concluídos”, tendo sido vedadas “164 pedreiras das 185 que necessitavam de vedação, e as restantes estarão concluídas até abril pela mão do Estado”.

“Foram apresentados 132 projetos para o reforço estrutural dos taludes das pedreiras e, em vários casos, as obras já se iniciaram”, reiterou.

Continuar a ler

País

Mais de 200 pessoas detidas por crimes relacionados com exploração de crianças

Entre o início do ano e o final de outubro

em

Foto: DR / Arquivo

A Polícia Judiciária (PJ) deteve entre 01 de janeiro e 31 de outubro 207 pessoas na sequência de investigações relacionadas com a exploração de crianças e jovens para fins sexuais.

Os dados da PJ surgem quando se assinala o Dia Europeu sobre a Proteção de Crianças contra a Exploração Sexual, efeméride criada em 2015 por decisão do Conselho de Ministros do Conselho da Europa.

De acordo com os dados, pedidos pela agência Lusa, até 31 de outubro, a PJ foi chamada a investigar 2.206 situações inseridas na tipologia de crimes de abuso sexual de crianças, abuso sexual de dependentes, aliciamento de menores para fins sexuais, atos sexuais com adolescentes, lenocínio de menores, pornografia de menores, recurso à prostituição de menores e violação, contra crianças e jovens.

“Recorrendo ao critério de avaliação da relação entre vítima e agressor sexual prévia à situação crime, verifica-se a prevalência da relação de proximidade, entre vítima e agressor, previa à situação abusiva”, é referido.

Esta proximidade assume a natureza familiar, educacional, assistencial ou geográfica (vizinhança, por exemplo) e corresponde a cerca de 65% dos casos investigados.

Os dados da PJ apontam também para um aumento significativo de crimes sexuais contra crianças e jovens, de cerca de 40 casos, no espaço digital.

Os agressores sexuais identificados são maioritariamente do sexo masculino, com uma incidência de cerca de 97%.

Segundo a PJ, a maioria das vítimas registada desde o início do ano (90%) são do sexo feminino.

Entre 2016 e 2018 foram atribuídos anualmente à PJ para investigação mais de dois mil casos por ano.

Na nota, a PJ destaca que tem colaborado a nível europeu com a EUROPOL, salientando que têm vindo a ser desenvolvidas e implementadas iniciativas que visam a proteção de crianças e jovens contra os abusos sexuais de crianças e a pornografia de menores.

A efeméride que hoje se assinala é subordinada ao tema “Empoderar as crianças para acabar com a violência sexual” e coincide com o 30.º aniversário da Convenção dos Direitos das Crianças.

Continuar a ler

Populares