Seguir o O MINHO

Alto Minho

É de Arcos de Valdevez o novo coordenador da delegação Norte do INEM

António Táboas

em

Imagem: TVI 24

Chama-se António José Táboas Lages Amorim e é o novo responsável pela delegação do Norte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM). Atualmente, é também o coordenador responsável a nível nacional pelo Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU).

Aos 45 anos, o médico substitui, ainda que de forma transitória, o antigo responsável António Barbosa, que cessou funções depois de autorizar a vacinação contra a covid-19 a funcionários de uma pastelaria na cidade do Porto.

Natural de Arcos de Valdevez, Táboas nasceu a 12 de janeiro de 1976, e concluiu licenciatura em Medicina no ano de 2000, na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. É ainda especialista em medicina interna desde fevereiro de 2008.

A nível profissional, e apesar de ainda ‘novo’ no que diz respeito à idade, o médico possui já um vasto currículo dentro do INEM: entrou para o CODU em abril de 2006, depois de integrar equipas médicas da VMER de Viana do Castelo desde 2004.

Em fevereiro de 2007, passou a integrar a equipa médica do Serviço de Helicópteros de Emergência Médica. Um ano depois, em março de 2008, foi promovido a coordenador da delegação do Norte do CODU. A partir de 2014 passou a ser o responsável por esse centro a nível nacional.

Percurso

Foi formador e coordenador de cursos na área de emergência médica do INEM, nomeadamente suporte avançado de vida, suporte imediato de vida, fisiologia de voo e helitransporte, emergências médicas, emergências trauma, emergências pediátricas e obstétricas, técnico operador de telecomunicações de emergência, médico regulador, transporte do doente crítico e situações de exceção, suporte básico de vida, e desfibrilhação automática externa.

É professor convidado da cadeira Pessoa em Situação Crítica I do mestrado de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola Superior de Enfermagem de Viana do Castelo desde 2011, e professor convidado do Módulo Emergências Médicas da 2.ª, 3.ª, 8.ª, 9.ª, 10.ª e 11.ª Pós-graduação de Enfermagem em Emergência e Catástrofe da Escola Superior de Enfermagem de Santa Maria do Porto.

Frequentou vários cursos na área da emergência, catástrofe e cuidados intensivos, dos quais se destacam Advanced Trauma Life Support, Fundamental Critical Care Support Fundamentals of disaster management, Curso de Evidência na Emergência de A a D, Curso Sépsis e Infeção Grave, Focused Abdominal Sonography for Trauma e Suporte Avançado de Vida Pediátrico.

Polémica

António Táboas vem substituir António Barbosa, que no passado sábado colocou o lugar à disposição (pedido aceite pelo conselho diretivo do INEM) depois de autorizar a vacinação de onze pessoas que trabalham numa pastelaria junto à delegação Norte daquele instituto médico nacional.

Apesar de toda a polémica envolta à decisão, o anterior responsável negou que tivesse favorecido alguém de forma específica, argumentando que as vacinas iam para o lixo caso não fossem rapidamente administradas.

De acordo com uma nota do INEM, encontra-se em curso um pedido ao Ministério da Saúde para a intervenção da Inspeção-Geral das Atividades em Saúde sobre o processo de vacinação no instituto, “ficando a aguardar as conclusões desta inspeção sobre esta matéria”.

Inquéritos

A Procuradoria-Geral da República já abriu inquéritos criminais em relação à administração de vacinas em pessoas que não são consideradas prioritárias. Alguns desses casos atingem instituições no Minho, como é o caso da Santa Casa de Arcos de Valdevez, onde o provedor foi vacinado sem se encontrar em risco. De acordo com Francisco Araújo, provedor, este só foi vacinado porque existiam “sobras” de doses da vacina que iriam para o lixo.

Também no Hospital Narciso Ferreira, em Riba de Ave, (e também integrante da rede das Misericórdias), a mulher e a filha do administrador foram vacinadas, sem se encontrarem nos grupos prioritários. Numa nota enviada à imprensa, o administrador Salazar Coimbra justificou a situação com um alegado voluntariado de ambas as familiares junto de doentes covid.

Populares