Seguir o O MINHO

Braga

Dois adeptos detidos pela PSP de Braga durante jogo entre SC Braga e Benfica

Um deles tinha mandado judicial para ser preso

em

Foto: DR

A Polícia de Segurança Pública de Braga, no âmbito do policiamento desportivo entre as equipas do SC Braga e do Sport Lisboa e Benfica, procedeu, pouco depois do início do jogo, à detenção de dois cidadãos, adeptos do Benfica, com 37 e 29 anos de idade, por participação em rixa.

Durante a intervenção policial, os suspeitos encetaram uma fuga, “nunca obedecendo às ordens de paragem dos elementos policiais, tendo sido intercetados de imediato”, refere aquela força policial em comunicado.

Veio a verificar-se após a detenção que sob um dos detidos pendia um mandado de condução a Estabelecimento Prisional que foi cumprido.

O outro detido foi notificado para comparecer, nos Serviços do Ministério Público junto do Tribunal Judicial de Braga.

Anúncio

Braga

Funcionários de empresa de Braga acusam Câmara de Valongo de “incumprimento da lei”

Parque VE

em

Estacionamento. Foto: O MINHO (Arquivo)

Os seis funcionários que o Tribunal Judicial do Porto (TJP) mandou serem integrados pela Câmara de Valongo na sequência do resgate da concessão de estacionamento acusaram, nesta sexta-feira, a autarquia de incumprimento da lei ao não aceitar a integração.

Em comunicado, os seis funcionários da Parque VE, com sede em Braga, afetos à concessão reagiram em comunicado à recusa da autarquia liderada pelo socialista José Manuel Ribeiro citando a decisão do TJP que considerou “ilícito o despedimento dos trabalhadores”.

Contactada pela agência Lusa, a Câmara de Valongo, no distrito do Porto, disse em 12 de novembro, “estranhar” a decisão do tribunal, considerando que esta “contraria o princípio da igualdade definido na Constituição e na Lei, que faz depender o acesso à função pública de concurso público”, e avançou que vai recorrer.

Em comunicado datado de 13 de novembro, mas apenas hoje enviado à Lusa, os funcionários dizem ter-se apresentado naquela data na câmara, mas que “foram surpreendidos com a recusa do município em acatar a decisão judicial”, situação que dizem “não esperar de um executivo liderado pelo PS”.

Afirmando-se numa “situação desesperada” e sem “receber qualquer retribuição desde 28 de agosto de 2019, data em que operou a decisão de resgate por parte do município”, dizem-se “privados do mínimo de subsistência para o seu sustento e das suas famílias”.

O facto de “não estarem equiparados a agentes da autoridade pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária não é motivo para incumprimento da decisão judicial”, argumentam os signatários do comunicado, considerando reunir condições “para exercer as funções que mantinham na Parque VE”.

Acusando o executivo de “confundir a emissão de autos de notícia para instauração de processos de contraordenação com as cobranças dos valores de estacionamento previsto no regulamento”, afirmam-se “alheios” a esta situação.

A sentença surgiu no âmbito de um processo que teve início com a decisão da Câmara de Valongo de resgatar as concessões de estacionamento à superfície na sede do concelho e na cidade de Ermesinde, as quais estavam atribuídas à empresa Parques VE, SA, com sede em Braga.

O executivo municipal aprovou esta medida por unanimidade em 03 de janeiro, uma decisão que foi ratificada em 13 de junho, também por unanimidade, na Assembleia Municipal de Valongo.

A empresa Parque VE acusou em 24 de setembro a Câmara de Valongo de deixar no desemprego vários trabalhadores ao resgatar a concessão do estacionamento, com a autarquia a responder não ser responsável pelos funcionários.

Antes, em 02 de setembro, o município anunciou que tinha estabelecido um prazo de cinco dias à empresa Parques VE para a entrega dos equipamentos e bens afetos à concessão de estacionamento resgatada.

A Lusa tentou obter uma reação da autarquia, mas até ao momento não foi possível.

Continuar a ler

Braga

Braga: Bombeiros ensinam técnicas a idosos que podem salvar a vida no dia a dia

Formação no quartel dos Bombeiros Sapadores de Braga

em

Foto cedida a O MINHO

Um grupo de pessoas, com mais de 60 anos, esteve no quartel da Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga (BSB) para uma formação de conhecimentos e técnicas de suporte básico de vida.

Em nota enviada a O MINHO, a companhia refere que esta formação é bastante útil “no dia a dia dos seniores”, explicando que a visita ao quartel se realiza com periodicidade mensal e está inserida na VI edição do “Ciclo do Conhecimento”, um projeto que visa combater o isolamento e prolongar a qualidade de vida da população idosa do concelho de Braga.

O objetivo destas sessões passa por uma “resposta social do município de Braga que visa criar e dinamizar regularmente atividades culturais, educacionais e de convívio num contexto de formação ao longo da vida, em regime não formal”.

Este ano o projeto abrange uma oferta formativa alargada, com o ensino de inglês, de tecnologias da informação e comunicação (TIC), de história de Braga, de filosofia para a vida e de língua portuguesa.

Esta edição traz algumas novidades formativas, nomeadamente as danças de salão, saúde e bem-estar (onde se inclui a formação em suporte básico de vida), matemática da vida e ginástica da mente.

Continuar a ler

Braga

Inauguração das luzes de Natal em Braga com concertos, dança e árvore de 16 metros

A 30 de novembro

em

Foto: Divulgação / CM Braga (2018)

Concertos e um espetáculo de dança marcam a inauguração das luzes de Natal em Braga, anunciou esta sexta-feira a autarquia. O dia escolhido para o arranque do Natal em Braga é o 30 de novembro, como já havia avançado, em exclusivo, O MINHO.

Em comunicado, a Câmara de Braga revela que a árvore de Natal terá 16 metros de altura e “promete surpreender os bracarenses e os milhares de visitantes que passam pela cidade”.

“À volta da árvore será colocado um presépio e nos jardins laterais estarão os reis magos. Para além do edifício conhecido como Arcada, na Praça da República, também na Rua do Souto haverá animação com luz e som”, sublinha a mesma nota.

Este ano, a animação percorre as principais ruas do centro histórico logo ao início da tarde, com espetáculos de dança e música. Os “Soldadinhos de Chumbo” do Grupo de Percussão da Equipa ESPIRAL dão o mote para o início das celebrações, percorrendo as ruas do centro urbano.

Na Avenida Central, estará situado o palco “Braga é Natal”, onde decorre o espetáculo de dança “The Christmas Broadway Ladies”, pela Companhia Backstage, ao início da tarde.

De seguida, realizam-se dois concertos: Voz Luminis, do Conservatório Bonfim, e o “Canto Lírico visita o Natal”, pelo grupo Ópera de Bolso.

Às 17:00, é inaugurada a iluminação de Natal, com milhares de luzes nas ruas, praças, avenidas do centro histórico, nas rotundas de todo o concelho e, este ano, como novidade, também na Avenida 31 de janeiro e na fachada do edifício Turismo.

O Monte Picoto volta a albergar uma estrela de Natal em tamanho gigante, para “iluminar a cidade”.

As festividades do dia 30 encerram com a atuação de um DJ convidado.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares