Seguir o O MINHO

Braga

Detido pela PJ homem que pegou fogo à casa de meia-irmã, em Braga

“Atuou num quadro de vingança”

em

Foto: O MINHO

O homem de 68 anos suspeito de incêndio urbano, que foi encontrado esta quarta-feira pela GNR, já foi detido pela Polícia Judiciária, por ser o presumível autor de um incêndio urbano em edifício habitacional, ocorrido na madrugada do passado dia 30 de janeiro, em Esporões, concelho de Braga.

Incendeia casa em Braga um dia antes de ser ‘despejado’

Segundo apurou O MINHO junto de fonte da família do detido, o homem vivia “há 22 anos” no segundo piso de uma habitação pertencente a uma meia-irmã, sem “nunca ter pago qualquer renda”.

A família que residia no piso inferior, composto por um casal e duas filhas, terá dito ao homem para sair da habitação até ao passado dia 01 de fevereiro, pelo que o homem terá ateado um incêndio um dia antes de ser expulso de casa.

“O incêndio, de origem dolosa, teve início numa dependência da moradia onde o detido vivia, juntamente com outros familiares, que ao se aperceberem do início do incêndio, solicitaram de imediato ajuda para o combate ao incêndio”, explica a PJ.

“O mesmo não atingiu outras proporções devido à pronta intervenção dos Bombeiros de Braga, que extinguiram o fogo, impedindo a sua propagação à restante habitação”, acrescenta.

O detido, desempregado e residente na freguesia onde ocorreu o incêndio, fugiu logo após a deflagração para parte incerta, até ao dia de ontem, altura em que foi localizado pela GNR, em Figueiredo, na casa que pertencia aos pais.

Braga: Encontrado suspeito de incendiar casa no dia antes de ser despejado

“Atuou num quadro de vingança, tendo utilizado um produto inflamável e chama direta para deflagrar o incêndio”, aponta a judiciária.

Foi hoje presente à autoridade judiciária competente, sendo-lhe aplicada a medida de coação de apresentações na GNR enquanto aguarda julgamento.

Segundo contou um dos lesados a O MINHO, o homem terá uma habitação própria no Brasil, mas recusou qualquer ajuda para se deslocar até lá.

(notícia atualizada às 22h27 com as medidas de coação do detido)

Anúncio

Braga

Covid-19: Morreu segunda utente do Asilo S. José, em Braga

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

O Asilo de São José, sediado em Braga, registou a segunda morte por entre os utentes, vítima do novo coronavírus, que provoca a doença Covid-19, confirmou O MINHO junto de fonte daquele lar.

Ao que apurámos, a vítima tem cerca de 90 anos e estava internada no Hospital de Braga com problemas respiratórios, depois de ter acusado positivo nos testes de despistagem realizados naquela unidade hospitalar.

Esta é a segunda vítima daquele lar depois de na passada quinta-feira uma mulher de 76 anos ter perdido a vida pelo mesmo motivo.

Os cerca de 100 utentes daquela casa foram sujeitos a testes de despistagem, com três a acusarem positivo e os restantes a aguardar resultado.

Continuar a ler

Braga

Covid-19 faz primeira vítima mortal em Vila Verde

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A pandemia de Covid-19 fez este sábado de manhã a primeira vítima mortal no concelho de Vila Verde.

Uma mulher de 89 anos, residente da freguesia de Arcozelo, não resistiu às complicações respiratórias provocadas pela infeção do novo coronavírus e morreu durante esta manhã no Hospital de Braga, onde estava internada há alguns dias na área de infecciologia dedicada aos infetados.

Segundo fonte próxima da família, apuramos que não irá haver funeral, com o corpo da idosa a ser transportado para o Tanatório de Braga, onde será cremado.

As cerimónias fúnebres não se realizarão durante esta fase de pandemia, ficando adiadas para “outra altura”, disse a mesma fonte.

Este óbito ainda não consta nos 100 anunciados esta manhã pelo boletim da Direção-Geral de Saúde, que reporta os óbitos ocorridos até às 00:00 horas deste sábado.

Segundo o mesmo boletim, existem 10 casos confirmados por infeção no concelho de Vila Verde e 351 em todo o Minho.

 

Continuar a ler

Braga

Advogados juntam-se para dar equipamento ao Hospital de Braga

Covid-19

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

A delegação de Braga da Ordem dos Advogados apelou aos seus membros para que participem numa campanha de solidariedade para com o Hospital de Braga, intitulada Responsabilidade social- juntos faremos a diferença, angariando receitas para apoiar o aprovisionamento de equipamentos para o combate à pandemia de Covid-19.

A Ordem adianta que o escritório “N-Advogados”, de Nuno Albuquerque, será responsável pela arrecadação dos valores, verificação de disponibilidade dos materiais listados pelo Hospital junto de fornecedores, e pela compra e entrega do equipamento.

A iniciativa em apreço, aprovada pela Direção de Comunicação e Sustentabilidade do Hospital de Braga e autorizada pela Câmara Municipal local, nos termos do Decreto-Lei n.º 87/99, de 19 de Março, rege-se pelos seguintes parâmetros: a campanha destina-se à angariação de receitas para apoiar o aprovisionamento, compra e distribuição de equipamentos hospitalares, essenciais para o combate ao Covid-19, junto do Hospital de Braga;

A “N-Advogados” será a entidade responsável pela arrecadação dos valores, pela verificação de disponibilidade e dos valores dos materiais listados pelo próprio Hospital de Braga junto a fornecedores, pela compra do material e posterior entrega ao Hospital de Braga, sendo todas as diligências efetuadas em articulação com a Delegação de Braga da Ordem dos Advogados;

A campanha tem como âmbito de aplicação os advogados inscritos no Município. Mas qualquer cidadão pode contribuir.

A angariação de fundos – acrescenta o organismo – será feita mediante transferência bancária para a conta de n.º 45559470415, no Banco Millenium BCP, que se encontra com saldo a zero e sem qualquer outra utilização anterior, sendo também disponibilizado para as transferências o contacto MBWay 936703577.

Será dado cumprimento às obrigações decorrentes do art.º 3.º do Decreto-Lei n.º 87/99, de 19 de Março, designadamente de prestação de contas e fiscalização das entidades competentes;

No final da campanha, será dada indicação à Delegação da Ordem, de todos os contributos recolhidos, bem como comprovada a entrega ao Hospital dos materiais assim obtidos, por forma a garantir total transparência nesta ação solidária.

Continuar a ler

Populares