Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Conselho do Porto da Ordem dos Advogados critica atuação no processo do prédio Coutinho

Situação polémica em Viana

em

Foto: Facebook

O Conselho Regional do Porto da Ordem dos Advogados repudiou hoje declarações como as do presidente da Câmara de Viana do Castelo sobre a situação no Prédio Coutinho, considerando “intolerável” que advogados sejam impedidos de contactar com os constituintes.

“São de repudiar quaisquer pronúncias de entidades públicas que tenham o intuito de condicionar ou restringir a liberdade da advocacia, de que são exemplo flagrante as declarações do Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo”, lê-se num comunicado.

Na nota enviada à Lusa, o presidente do Conselho Regional do Porto da Ordem dos Advogados (CRPOA), Paulo Pimenta, sublinha que “num Estado de Direito Democrático, a advocacia é livre e independente, cabendo-lhe assegurar a representação dos seus constituintes perante todas as entidades públicas ou privadas”.

Pelo que, e em face da situação que se vive no “Prédio Coutinho”, em Viana do Castelo, e sem intuito de fazer juízos de valor sobre o mérito dos pontos de vista das partes envolvidas, o Conselho Regional do Porto considera “intolerável que qualquer advogado seja impedido de contactar com os seus constituintes”

Aquele órgão salienta que “o limite à intervenção dos advogados enquanto mandatários é o que resultar de decisões definitivas dos tribunais, sendo lícito aos advogados, enquanto tal não acontecer, o uso de todos os meios legais que tenham por adequados à defesa dos seus constituintes”.

O advogado dos últimos nove moradores do prédio Coutinho, em Viana do Castelo, foi hoje impedido de entrar no edifício por agentes da PSP e pela segurança privada contratada para o local pela VianaPolis.

Depois de ter sido impedido duas vezes de entrar no edifício, Magalhães Sant’Ana afirmou aos jornalistas que vai apresentar uma queixa na Ordem dos Advogados por ter sido “impedido de exercer o mandato”.

Para o advogado, a Sociedade VianaPolis está a ter uma “postura ditatorial” e uma “atitude prepotente que viola os diretos, liberdades e garantias”.

A Sociedade VianaPolis iniciou cerca das 08:30 os trabalhos de desconstrução das frações desocupadas no prédio Coutinho, em Viana do Castelo, sendo que no interior do edifício permanecem nove moradores que se recusam a entregar seis habitações.

O Edifício Jardim, localmente conhecido como prédio Coutinho, tem desconstrução prevista desde 2000, ao abrigo do programa Polis, mas a batalha judicial iniciada pelos moradores travou aquele projeto iniciado quando era António Guterres primeiro-ministro e José Sócrates ministro do Ambiente.

Para o local onde está instalado o edifício está prevista a construção do novo mercado municipal da cidade.

Anúncio

Viana do Castelo

Politécnico de Viana oferece consoada a alunos e funcionários que não vão passar o Natal a casa

Iniciativa acontece às 19:00 no Centro Académico do SAS IPVC

em

Foto: DR

O Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) promove este ano, pela primeira vez em 33 anos, uma ceia de Natal para alunos nacionais, internacionais e do programa Erasmus que vão passar a época natalícia longe da família.

Em declarações hoje, à agência Lusa, o administrador dos Serviços de Ação Social (SAS) do IPVC, Luís Ceia, explicou que a iniciativa destina-se também “a docentes e pessoal não docente deslocados das famílias”.

“As inscrições abriram na segunda-feira e temos 15 pessoas inscritas. Este ano, por ser a primeira ceia de Natal que promovemos, se reunirmos entre 30 a 40 pessoas na ceia de Natal já será muito bom. O importante é celebrar o espírito de Natal”, referiu Luís Ceia.

Com seis escolas superiores espalhadas pelo distrito de Viana do Castelo, o IPVC tem, este ano letivo, “260 alunos de 31 nacionalidades”.

Segundo dados hoje divulgados pela instituição, estudam no IPVC estudantes oriundos da Guiné-Bissau, Cabo Verde, França, Moçambique, Espanha, Angola, Mônaco, Brasil, Lituânia, Roménia, Itália, Alemanha, Polónia, Itália, São Tomé e Príncipe, República Checa, Turquia, Luxemburgo, Índia, Timor Leste, Equador, Marrocos, Eslovénia, Arábia Saudita, Suíça, Egipto, Letónia, Ucrânia, Áustria, Bielorrússia, Uruguai, China e Venezuela.

O aumento do número de alunos estrangeiros a estudar na instituição esteve na origem da iniciativa, explicou Luís Ceia, sublinhando que o objetivo passa também por “proporcionar uma tradicional consoada portuguesa, com bacalhau, batatas e couves assim como as sobremesas típicas desta época aos estudantes e funcionários que se encontram deslocados do seu país e familiares”.

“O objetivo é assegurar um bom acolhimento em Viana do Castelo não só a alunos estrangeiros como a todos os que estão deslocados da família e que até podem ser cidadãos nacionais”, reforçou, explicando que os custos da refeição serão suportados pelo SAS do IPVC.

A ceia de Natal do IPVC vai decorrer no dia 24, a partir das 19:00, no centro académico do SAS, no centro de Viana do Castelo.

A primeira ceia de Natal do IPVC pretende ainda “dar a conhecer as tradições da consoada portuguesa, em particular a do Alto Minho”.

“O IPVC quer proporcionar e promover uma noite de convívio e de troca de experiências e tradições”, disse.

Com cerca de cinco mil alunos, o IPVC tem seis escolas – de Educação, Tecnologia e Gestão, Agrária, Enfermagem, Ciências Empresariais, Desporto e Lazer -, ministrando 28 licenciaturas, 40 mestrados, 34 Cursos de Técnicos Superiores Profissionais (CTESP) e outras formações de caráter profissionalizante.

Além das escolas superiores de saúde, educação e tecnologia e gestão, situadas em Viana do Castelo, o IPVC tem escolas superiores instaladas em Ponte de Lima (Agrária), Valença (Ciências Empresariais) e Melgaço (Desporto e Lazer).

Continuar a ler

Viana do Castelo

Cinquenta toneladas de lenha mantêm fogueira em convívio de Natal em Viana

No largo das Neves, comum a três freguesias

em

Foto: Divulgação / Arquivo

Mais de 50 toneladas de lenha vão manter acesa, durante cinco dias, a fogueira de Natal num largo comum a três freguesias de Viana do Castelo, para promover o convívio natalício das populações do Vale do Neiva.

“Entre lenha e cepos conseguimos reunir 50 toneladas para a edição 2019 da fogueira de Natal. As árvores abatidas resultam de corte seletivo, árvores que estavam doentes ou que estavam a impedir o crescimento de outras”, disse hoje à agência Lusa, o porta-voz do grupo Lenhadores do Largo, que organiza o convívio, Joel Monteiro.

Joel Monteiro, do movimento cívico que organiza a fogueira de Natal no largo das Neves, comum às freguesias de Barroselas, Mujães e Vila de Punhe, adiantou que “na época própria serão plantadas mais de uma centena de árvores” na zona onde agora foi realizado o corte seletivo.

Além daquela plantação, o grupo Lenhadores do Largo “vai oferecer à comissão de baldios de Carvoeiro 120 pés de azevinho”.

Além da vertente “ambiental e de sustentabilidade”, a fogueira de Natal do Largo das Neves, iniciada há três anos por um grupo de cidadãos do Vale do Neiva, pretende promover o convívio próprio da época.

No dia 21 de dezembro, a partir das 16:00, “dia e noite” a fogueira de Natal “aquecerá as conversas entre conterrâneos, amigos, vizinhos”.

“Com o pretexto do calor e da luz do fogo conviverão, confraternizando e reencontrando velhos amigos”, adianta a organização.

A lenha, que começou a ser recolhida em outubro, encheu oito tratores e vai manter a fogueira do Largo das Neves a arder entre os dias 21 e 25 de dezembro.

“O fogo, que durante imensos séculos e milénios serviu para proteger, guiar e reunir as pessoas e definir famílias, comunidades e sociedades, será novamente um motivo para a reunião, diálogo, convívio e reflexão numa quadra festiva de encontros e reencontros”, sublinhou o grupo de Lenhadores do Largo.

O largo das Neves, tem um “pedaço” das freguesias de Barroselas, Mujães e Vila de Punhe. É naquele espaço que foi construída, no início do século XVII, a Mesa dos Três Abades, iniciativa dos párocos para assinalar o fim das discórdias em relação aos limites das três freguesias.

Ao longo dos anos, e numa altura em que eram os párocos quem mais ordenavam, a Mesa dos Três Abades assumiu-se como uma espécie de fórum popular, já que era ali que eram discutidos e tratados os assuntos de interesse da comunidade, do foro eclesiástico e do civil.

Além da fogueira, “haverá animação e petiscos, entre eles, chouriças feitas pelos próprios lenhadores”.

No recinto estará disponível o “novo mobiliário produzido pelo grupo com tábuas de madeira para proporcionar conforto a todos os que participarem no convívio”.

“Os Lenhadores do Largo procuram através desta iniciativa contribuir para a dinamização, promoção e envolvência das três comunidades que se encontram no Largo das Neves”, destaca o movimento cívico.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Estudante de Viana vence prémio nacional “Jovem Talento em Gastronomia”

Com o prato “Tradição com Arroz Bom Sucesso”

em

Foto: Divulgação

André Rodrigues, aluno finalista do curso de Gestão e Produção de Cozinha, na Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo, venceu o concurso nacional “Jovem Talento em Gasronomia”, que decorreu entre 04 e 05 de dezembro, em Fátima.

O jovem estudante de Viana do Castelo passou por três etapas regionais, disputando a final da oitava edição destes prémios, que decorreu na Escola de Hotelaria de Fátima.

“Tradição com Arroz Bom Sucesso” foi o prato confecionado pelo jovem chef, com “Arroz de Miúdos, Robalo em Sous-vide, Emulsão de Gordura de Frango/Cristas de Galo e Crocante de Coentros”.

O júri foi composto por Andreia Moutinho, Constança Cordeiro, Fernando Cardoso, Fernão Gonçalves, Gabriel Campino, Gonçalo Costa, Jaime Montgomery, Louis Anjos, Luís Gaspar, Mateus Freire, Nicu Iastremschii, Nuno Castro, Paulo Carvalho, Pedro Braga, Samuel Mota, Sara Soares, Vítor Adão, William Melo e Wilson Pires.

Continuar a ler

Populares