Seguir o O MINHO

Braga

Coletes amarelos: Braga, Porto, Aveiro e Lisboa concentram protesto, mas com pouca adesão

em

Foto: DR/Arquivo

O segundo protesto organizado pelo movimento de “coletes amarelos” a nível nacional está a ter hoje menos adesão do que a registada a 21 de dezembro, havendo presença de manifestantes em Braga, Porto, Aveiro e Lisboa.

Na rotunda do Marquês de Pombal, em Lisboa, cerca das 10:00, estavam apenas meia dúzia de pessoas, número que foi aumentando e, por volta das 12:30, já eram largas as dezenas os manifestantes, embora em número inferior ao verificado na anterior concentração.

Pelas 12:50, o trânsito foi cortado na rotunda do Marquês de Pombal, constatou a Lusa no local, uma vez que os manifestantes davam voltas à rotunda e gritavam palavras de ordem.

Empunhando uma faixa com a mensagem “temos casta nova”, os dois porta vozes do movimento em Lisboa, Ana Vieira e Ruben Gonçalves, disseram aos jornalistas, numa improvisada conferência de imprensa, não haver grupos e que estão todos no Marquês de Pombal com o mesmo propósito: “combater a corrupção”.

“Prisão com os corruptos, fora corrupção, vem para a rua” e “não fizemos abril para isto”, são outras das mensagens que podem ser lidas nos cartazes.

Ana Vieira justificou a presença de menos pessoas neste protesto com o facto de “terem medo de dar a cara”.

Enquanto prestavam declarações, um grupo de manifestantes envolveu os profissionais da comunicação social com uma tarja, criando um círculo e, através de megafone, insultaram os jornalistas, culpando-os “do estado das coisas e de contarem mentiras”.

No Porto, pelas 11:30, estavam concentrados na Avenida dos Aliados cerca de quatro dezenas de manifestantes, muitos pertencentes ao grupo dos lesados do BES, que, em silêncio, empunhavam cartazes como “não confiamos na banca” e “basta de corrupção, exigimos justiça”.

“O que se pretendia para o Porto está a ser um sucesso porque, ao contrário do que aconteceu na outra manifestação, não se pretende fazer qualquer bloqueio, mas apenas passar a mensagem de forma pacifica, de maneira a que, aos poucos, os portugueses se juntem a este movimento de insatisfação”, disse à agência Lusa o coordenador do Norte deste movimento.

Albino Leonardo acrescentou que já estão agendadas novas concentrações para os próximos sábados, com o objetivo de “ir cativando o coração dos portugueses” e que “cada vez mais se juntem a este movimento”.

Além do grupo dos lesados do BES marcou presença um outro que, a uma certa distância, exibia a faixa com a mensagem: “contra o pacto das migrações”.

Em Aveiro, cerca de 40 “coletes amarelos” concentraram-se pelas 10:00 na rotunda do Rato, na antiga Estrada Nacional n.º 109, e caminharam depois em direção ao Mercado Manuel Firmino para sensibilizar mais pessoas para esta causa, distribuindo panfletos com as suas reivindicações.

“A maioria do povo anda distraída com telenovelas, futebóis e escândalos da imprensa cor-de-rosa e não se manifesta contra aquilo que realmente importa para o país. Se as pessoas se juntarem e se manifestarem, então acredito que conseguiríamos uma massa suficiente para poder dar um rumo diferente ao país”, disse à Lusa Dina Naia.

Esta empresária de 60 anos disse que há 30 anos esperava por esta oportunidade para se poder manifestar, adiantando que as pessoas estão insatisfeitas com a corrupção e a impunidade existente no país.

Dina Naia realçou ainda que os “coletes amarelos” portugueses querem distanciar-se dos congéneres franceses e dos protestos marcados pela violência naquele país.

Em Braga, segundo a polícia, 15 manifestantes distribuíram panfletos.

Em Faro, outra das cidades em que estava previsto haver concentração, a Lusa constatou na Avenida 5 de Outubro, não haver manifestantes, apenas agentes policiais e jornalistas.

Pelas 12.30, a Direção Nacional da PSP disse à Lusa não haver registo de nenhum incidente.

O protesto de hoje dos “coletes amarelos” é o segundo ocorrido em Portugal, depois de no dia 21 de dezembro de 2018 várias concentrações terem tido uma fraca adesão, apesar de provocarem constrangimentos no trânsito em algumas cidades.

Os protestos têm sido convocados através das redes sociais, com inspiração nos movimentos contestatários em França, propondo, por exemplo, reduções de impostos ao nível dos combustíveis, da eletricidade e das micro e pequenas empresas, bem como o aumento do salário mínimo e das reformas.

Em dezembro, quatro pessoas foram detidas em Lisboa, por resistência e coação às autoridades, e 24 manifestantes foram identificados em todo o país, segundo a PSP.

Anúncio

Braga

Tribunal volta a obrigar António Salvador a pagar mais meio milhão a ex-sócio de Braga

Guerra do ‘camião do fraque’

em

Domingos Correia e António Salvador. Fotos: DR / Arquivo

Guerra do camião do fraque. É a segunda sentença desfavorável a António Salvador no Tribunal de Famalicão. E a fatura a pagar ao seu ex-sócio, Domingos Correia, já vai em perto de 800 mil euros. Mas o conhecido empresário, dono da Britalar, de Braga, diz que vai recorrer.

Conforme O MINHO então noticiou, em abril, o Tribunal de Comércio de Famalicão condenou António Salvador a pagar 261 mil euros ao dono das Construções Ar-Lindo. Há dias, e numa segunda sentença, o mesmo Tribunal voltou a rejeitar o embargo apresentado pelo empresário da Britalar, à execução de 438 mil euros ( 500 mil com juros) que lhe foi movida por Domingos Correia, a título pessoal, por uma causa de uma dívida resultante da cessão da quota de 49,5 por cento na firma BritalarMoz, que ambos possuíam em Moçambique. Cessão acordada em 1,1 milhões.

Salvador, que se havia oposto às duas penhoras, apresentando cauções, argumentou que já tinha pago, em 2013, através de transferências bancárias. Tese a que o Tribunal não atribuiu “credibilidade”.

Documentos

Domingos Correia apresentara, na acção, um documento intitulado “Declaração Confissória de Dívida e Acordo de Pagamento”, de 2012, no qual a Britalar Ar-Lindo Moz, SA, assumia uma dívida de 500 mil dólares americanos (438 mil euros) que recebeu a título de empréstimos não remunerados, para necessidades de tesouraria.

Ao todo, Correia exige a Salvador, a quantia de 1,3 milhões de euros, resultante da cessão da posição que detinha na Britalar Ar-Lindo Moz, SA.

Uma terceira execução, de 300 mil euros, vai entrar no Tribunal, disse ao JN fonte da Ar-Lindo.

O caso remonta a 2011, quando os dois construtores constituíram uma parceria para o mercado moçambicano. Para tal, foi constituída a sociedade Using Better, Lda., tendo como sócias a Europa Ar-Lindo, SGPS, e a Britalar, SGPS. De seguida, e com dois sócios moçambicanos, formaram a sociedade Britalar AR-Lindo Moz, SA. Só que – concluiu o Tribunal – “desde cedo as relações entre ambos se deterioraram, o que levou a que, em setembro de 2012, se formalizasse a separação”.

O MINHO contactou António Salvador que não se quis pronunciar, embora fonte que lhe é próxima tenha adiantando que vai recorrer da decisão, para a “Relação do Porto”.

Fraque em julgamento

Foto: Facebook / Arquivo

Antes de recorrer a Tribunal, Domingos Correia pôs a circular na cidade, um «camião do fraque» com os dizeres “Caloteiro! Paga o que deves”. Que estacionou à porta do estádio, em dia de jogo do Sporting de Braga, e em frente à casa de Salvador. Uma alegada “intimidação e difamação” e “ofensa à família”, que motivou queixa de Salvador e que vai ser julgada em setembro no Tribunal de Braga.

Continuar a ler

Braga

Jovem hospitalizado após agressões à porta de discoteca na Póvoa de Lanhoso

Na Avenida da República.

em

Foto: Arquivo

Um jovem na casa dos 25 anos foi transportado para as urgências do Hospital de Braga na sequência de agressões, esta manhã de domingo, em Póvoa de Lanhoso.

Ao que apurou O MINHO junto de fonte envolvida na emergência, o jovem apresentava hematomas e escoriações, depois de estar envolvido em confronto em frente a um espaço de diversão noturna na Avenida da República.

O alerta foi dado pelas 08:34 deste domingo e, ao que O MINHO apurou, a discoteca já se encontrava encerrada há algum tempo.

Ao local acorreram os Bombeiros da Póvoa de Lanhoso, situados a pouco mais de 50 metros do local, transportando a vítima para o Hospital de Braga com ferimentos considerados “ligeiros”.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Braga

Bom Jesus é dos locais mais ‘instagramáveis’ da Europa, diz televisão pública belga

Concorda?

em

Foto: Blogger "umpinguinho"

A nomeação de Braga como o segundo destino europeu do ano de 2019 está na base da classificação da cidade como uma das mais instagramáveis da Europa, sobretudo graças ao escadório do Bom Jesus, ou assim o diz a estação de televisão pública belga RTBF.

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Yoswer Zambrano📷 (@yoswerz) a

Mas nem tudo é positivo. Esta descrição do monumento religioso parte de um princípio que, hoje em dia, há uma maior procura de destino de férias, não pelas memórias em si, mas sobretudo pelo enquadramento de fotografias para redes sociais.

A RTBF questiona como é que Braga ficou à frente de Florença na lista de melhores destinos europeus. A resposta? Instagram. Os belgas dizem que “Braga é muito fofa” indicando que já realizaram um trabalho na urbe bracarense “há 7 anos, quando o Norte de Portugal não era tão turístico”, mas que isso por si só não deveria chegar para ultrapassar uma cidade como Florença, à qual apelidam de “jóia de cultura, gastronomia e arte italiana”.

Os belgas acreditam que o escadório do Bom Jesus é o monumento que mais força dá a Braga e que existe um desejo na procura pela “escadaria instagramável” que passa no feed de Instagram de utilizadores um pouco por todo o mundo.

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por zúlia (@juhzs_) a

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Claudia Rackow (@claudiarackow) a

 

 

Ver esta publicação no Instagram

 

Uma publicação partilhada por Francesca De Luca (@fraanceschinaaa) a

 

Sobre o escadório, “nada a dizer”. “É soberbo”, referem, dando também destaque à Sé Catedral e “às poucas ruas comerciais” do centro da cidade. “Mas daí até propor a cidade como segundo melhor destino turístico… Temos as nossas dúvidas”, escrevem.

O texto surge a propósito de uma nova profissão que começa a existir em alguns destinos turísticos mundiais. o “instabutler“, uma espécie de mordomo para o Instagram.

Explica a publicação que quem vai de férias para um lugar exótico e, ao lado do tradicional concierge de hotel que prepara atividades e passeios, já pode contar com quem o leve aos locais “mais instagramáveis” da região.

E para isso, o instabutler vai equipado com uma variedade de acessórios e sabe as horas em que as fotos serão mais bonitas ou os monumentos que melhor se encaixam numa foto de perfil nas redes sociais.

A National Geographic Portugal publicou em julho deste ano a lista das 10 cidades “mais instagramáveis” de Portugal, e Braga não foi incluída.

Lisboa, Porto, Coimbra, Águeda, Aveiro, Obidos, Peniche, Alcácer do Sal, Seia e Faro foram as cidades escolhidas pela publicação.

Se Braga é, ou não, um dos locais favoritos para retratar momentos apelativos para as redes sociais, não sabemos, mas a verdade é que foi eleito o segundo melhor destino turístico europeu em 2019. E isso ainda parece suscitar discussão em alguns países.

Continuar a ler

Populares