Cinema de graça e ao ar livre para ver no verão em Famalicão

Há sete sessões agendadas para julho e agosto
Foto: CM Famalicão

O “Cinema Paraíso” traz o cinema ao ar livre para as noites de verão dos famalicenses desde 1999. A iniciativa, promovida pelo Cineclube de Joane e Casa das Artes de Famalicão, com o apoio do  Município de Vila Nova de Famalicão, regressa este ano de 03 de julho a 21 de agosto com sete sessões programadas.

A 25.ª edição do Cinema Paraíso arranca a 03 de julho, no anfiteatro ao ar livre do Parque da Devesa, com a exibição do filme “Maestro” (2023) de Bradley Cooper.

Segue-se o filme de animação “Patos!”(2023) de Guylo Homsy, no dia 10, e “Os Excluídos” (2023) de Alexander Payne, no dia 17, e depois mais duas sessões no mês de agosto, no dia 14, com a exibição de “Wonka” (2023), um filme de Paul Kink e do “Reino Animal” (2023) no dia 21.

Pelo meio realizam-se sessões descentralizadas, no dia 14 de julho, no adro da igreja de Gemunde, em Outiz, com a exibição de “O Milagre de Milão” (1950) de Vittorio De Sica e em Avidos, no Parque de Merendas, onde é exibido, a 21 de julho, o filme “O Rapaz e a Garça” de Hayao Miyazaki.

“Propostas diversificadas de cinema popular de várias proveniências e géneros, misturada com um calendário de produção do presente, que não esquece a história do cinema”, refere a organização, citada em comunicado da autarquia.

Todas as sessões são de entrada gratuita e o desafio é que o público apareça, traga as pipocas e uma manta e se instale nestas salas de cinema ao ar livre do “Cinema Paraíso”, que projeta luz e histórias a partir das 22:00.

O “Cinema Paraíso”, que ao longo destes 25 anos já percorreu mais de 40 espaços diferentes do concelho, é uma co-produção do Cineclube de Joane e Casa das Artes de Famalicão, com o apoio do  Município de Vila Nova de Famalicão e do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA).

Toda a informação sobre a edição deste ano do Cinema Paraíso encontra-se disponível para consulta em www.famalicao.pt.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Caminhar por uma florestal ancestral no 'coração' da Serra da Cabreira

Próximo Artigo

Peça romana com 1.800 anos encontrada em Vila Verde já pode ser vista em museu de Braga

Artigos Relacionados
x